Homens e Animais – uma apologia filosófica do bom senso

| 12 Abr 19 | Entre Margens, Últimas

Nas margens da filosofia

“O bom senso é a coisa do mundo melhor partilhada, pois cada um pensa estar tão bem provido dele que mesmo aqueles que são mais difíceis de contentar noutras coisas não têm o costume de desejar mais bom senso do que aquele que possuem.” 

(René Descartes)

É com este apelo irónico à distribuição equitativa de bom senso que Descartes inicia o seu Discurso do Método. Note-se que o bom senso tem sido muitas vezes encarado como inimigo dos filósofos. Não nos lembraríamos de fazer filosofia a partir de opiniões consensuais, nem consideraríamos filosófico um discurso linear que se impusesse a todos numa primeira leitura. O que não impede a filósofa britânica Mary Midgley (1919-2018) de apelar ao bom senso no tratamento das questões filosóficas. Seguindo-a, apresentamos a controversa questão das relações entre homens e animais. Midgley desconstrói uma visão preconceituosa do que é ser filósofo e de como se faz filosofia, apresentando-nos um pensamento simultaneamente claro e rigoroso, arguto e susceptível de interessar quer especialistas quer leitores habitualmente pouco dados a especulações abstractas. Para a autora de Beast and Men,[1]o jargão filosófico constitui as mais das vezes um disfarce para a ausência de ideias ou para a apresentação confusa das mesmas.

Midgley parte do princípio de que filosofar é uma actividade que a todos interessa. E chama a nossa atenção para um dos temas mais pregnantes da ética contemporânea – a relação entre homens e animais. Considerando que depois de Darwin a aproximação entre animais e homens é inevitável, a filósofa defende uma continuidade na Natureza, o que não a impede de aceitar a existência de especificidades próprias.Há que detectar as semelhanças sem no entanto omitir as diferenças. No seu entender, a racionalidade identifica-se com uma adequação de preferências. Esta não é exclusiva dos homens, embora neles se apresente com características próprias. A racionalidade define-se pela inteligência mas também pela integração. Os animais dão respostas integradas, daí podermos dizer que são inteligentes. Tem de haver um centro que comande uma orientação firme, uma continuidade de interesses que dê consistência a um comportamento. Este, para ser apelidado de racional deverá ser orientado por princípios e por constantes.

No homem, essas respostas são dirigidas por um centro sofisticado que é a consciência. A consciência é a nossa própria natureza que vai conhecendo o modo como actua e as constantes a que obedece. Mas os animais também têm padrões de referência, também são integrados. Tal como os homens, não dispõem apenas de comportamentos mecânicos. Contudo, as suas necessidades são menos complexas. Os seres humanos são ambivalentes, desejam coisas incompatíveis, têm a possibilidade reflexiva de tomar consciência dos conflitos e, como tal, de os regular.

A cultura é como que um completamento da Natureza. Os animais também têm cultura, embora neles esta não se revista do simbolismo abstracto, próprio dos homens. Inegavelmente que há excepções mas elas não autorizam generalizações abusivas. Em todas as culturas encontramos padrões comuns, gestos expressivos universais como por exemplo agarrar, abraçar, saudar, proteger. Não é  lícito considerar as outras espécies como homens imperfeitos ou como indivíduos colocados ao serviço dos homens. Seres como os animais, as plantas, os montes e os vales têm em si mesmos uma razão de ser. Daí o respeito que lhes é devido. Midgley critica o modo desnecessariamente cruel como a nossa sociedade trata os animais. Mas também critica o radicalismo das teses de Singer e de Regan, os defensores mais conhecidos de uma “animal liberation” que pugna pelos direitos dos animais.[2]

Ao longo de séculos temos fruído de relações inter-específicas, vivendo em “comunidades mistas”, formadas por homens e  animais. Alguns animais aprenderam a obedecer a sinais sociais humanos, viveram com os homens e deixaram-se domesticar. O que não significa que tenham sido considerados como máquinas ou como coisas. A “comunidade mista” é natural e gratificante. Nela, as diferenças são reconhecidas,  havendo uma hierarquia de interesses e de direitos. Midgley constata que não tratamos os nossos vizinhos nem gostamos deles do mesmo modo que tratamos e amamos os nossos familiares. No entanto, temos obrigações para com esses vizinhos que não temos para com pessoas que desconhecemos. O mesmo se passa com as nossas obrigações relativamente aos animais. Os animais de estimação exigem de nós maior atenção do que os animais em geral. Mas não hesitamos na escolha entre salvar um animal ou uma criança recém-nascida.

A valorização dos que nos são mais próximos, tal como a valorização dos humanos sobre os animais é algo que não conseguimos (nem devemos) descartar facilmente. O que de modo algum justifica um tratamento cruel relativamente aos animais ou a sua utilização arbitrária em função dos nossos interesses. Somos parte da bio-esfera e tudo quanto nela existe nos interessa e afecta. A compaixão para com os animais é algo que devemos cultivar e que se vai enraizando em nós pela aquisição de hábitos. Estes são tão mais facilmente adquiridos quanto correspondem a sentimentos que nos são próprios enquanto membros da espécie humana. Uma compaixão que também marca a diferença pois raramente a encontramos nos animais.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (http://luisarife.wix.com/site; luisarife@sapo.pt)

 

Notas

[1]Mary Midgley, Beast and Man. The Roots of Human Nature, London, Routledge,1996.

[2]Tom Regan/Peter Singer, Animal Rights and Human Obligations, New Jersey, Prentice Hall, 1989; Peter Singer, Animal Liberation, New York, Random House, 1975; Tom Regan, The Case for AnimalRights, London, Routledge, 1984.

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco