Homens e Animais – uma apologia filosófica do bom senso

| 12 Abr 19

Nas margens da filosofia (III)

“O bom senso é a coisa do mundo melhor partilhada, pois cada um pensa estar tão bem provido dele que mesmo aqueles que são mais difíceis de contentar noutras coisas não têm o costume de desejar mais bom senso do que aquele que possuem.” 

(René Descartes)

É com este apelo irónico à distribuição equitativa de bom senso que Descartes inicia o seu Discurso do Método. Note-se que o bom senso tem sido muitas vezes encarado como inimigo dos filósofos. Não nos lembraríamos de fazer filosofia a partir de opiniões consensuais, nem consideraríamos filosófico um discurso linear que se impusesse a todos numa primeira leitura. O que não impede a filósofa britânica Mary Midgley (1919-2018) de apelar ao bom senso no tratamento das questões filosóficas. Seguindo-a, apresentamos a controversa questão das relações entre homens e animais. Midgley desconstrói uma visão preconceituosa do que é ser filósofo e de como se faz filosofia, apresentando-nos um pensamento simultaneamente claro e rigoroso, arguto e susceptível de interessar quer especialistas quer leitores habitualmente pouco dados a especulações abstractas. Para a autora de Beast and Men,[1]o jargão filosófico constitui as mais das vezes um disfarce para a ausência de ideias ou para a apresentação confusa das mesmas.

Midgley parte do princípio de que filosofar é uma actividade que a todos interessa. E chama a nossa atenção para um dos temas mais pregnantes da ética contemporânea – a relação entre homens e animais. Considerando que depois de Darwin a aproximação entre animais e homens é inevitável, a filósofa defende uma continuidade na Natureza, o que não a impede de aceitar a existência de especificidades próprias.Há que detectar as semelhanças sem no entanto omitir as diferenças. No seu entender, a racionalidade identifica-se com uma adequação de preferências. Esta não é exclusiva dos homens, embora neles se apresente com características próprias. A racionalidade define-se pela inteligência mas também pela integração. Os animais dão respostas integradas, daí podermos dizer que são inteligentes. Tem de haver um centro que comande uma orientação firme, uma continuidade de interesses que dê consistência a um comportamento. Este, para ser apelidado de racional deverá ser orientado por princípios e por constantes.

No homem, essas respostas são dirigidas por um centro sofisticado que é a consciência. A consciência é a nossa própria natureza que vai conhecendo o modo como actua e as constantes a que obedece. Mas os animais também têm padrões de referência, também são integrados. Tal como os homens, não dispõem apenas de comportamentos mecânicos. Contudo, as suas necessidades são menos complexas. Os seres humanos são ambivalentes, desejam coisas incompatíveis, têm a possibilidade reflexiva de tomar consciência dos conflitos e, como tal, de os regular.

A cultura é como que um completamento da Natureza. Os animais também têm cultura, embora neles esta não se revista do simbolismo abstracto, próprio dos homens. Inegavelmente que há excepções mas elas não autorizam generalizações abusivas. Em todas as culturas encontramos padrões comuns, gestos expressivos universais como por exemplo agarrar, abraçar, saudar, proteger. Não é  lícito considerar as outras espécies como homens imperfeitos ou como indivíduos colocados ao serviço dos homens. Seres como os animais, as plantas, os montes e os vales têm em si mesmos uma razão de ser. Daí o respeito que lhes é devido. Midgley critica o modo desnecessariamente cruel como a nossa sociedade trata os animais. Mas também critica o radicalismo das teses de Singer e de Regan, os defensores mais conhecidos de uma “animal liberation” que pugna pelos direitos dos animais.[2]

Ao longo de séculos temos fruído de relações inter-específicas, vivendo em “comunidades mistas”, formadas por homens e  animais. Alguns animais aprenderam a obedecer a sinais sociais humanos, viveram com os homens e deixaram-se domesticar. O que não significa que tenham sido considerados como máquinas ou como coisas. A “comunidade mista” é natural e gratificante. Nela, as diferenças são reconhecidas,  havendo uma hierarquia de interesses e de direitos. Midgley constata que não tratamos os nossos vizinhos nem gostamos deles do mesmo modo que tratamos e amamos os nossos familiares. No entanto, temos obrigações para com esses vizinhos que não temos para com pessoas que desconhecemos. O mesmo se passa com as nossas obrigações relativamente aos animais. Os animais de estimação exigem de nós maior atenção do que os animais em geral. Mas não hesitamos na escolha entre salvar um animal ou uma criança recém-nascida.

A valorização dos que nos são mais próximos, tal como a valorização dos humanos sobre os animais é algo que não conseguimos (nem devemos) descartar facilmente. O que de modo algum justifica um tratamento cruel relativamente aos animais ou a sua utilização arbitrária em função dos nossos interesses. Somos parte da bio-esfera e tudo quanto nela existe nos interessa e afecta. A compaixão para com os animais é algo que devemos cultivar e que se vai enraizando em nós pela aquisição de hábitos. Estes são tão mais facilmente adquiridos quanto correspondem a sentimentos que nos são próprios enquanto membros da espécie humana. Uma compaixão que também marca a diferença pois raramente a encontramos nos animais.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (http://luisarife.wix.com/site; luisarife@sapo.pt)

 

Notas

[1]Mary Midgley, Beast and Man. The Roots of Human Nature, London, Routledge,1996.

[2]Tom Regan/Peter Singer, Animal Rights and Human Obligations, New Jersey, Prentice Hall, 1989; Peter Singer, Animal Liberation, New York, Random House, 1975; Tom Regan, The Case for AnimalRights, London, Routledge, 1984.

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Alemanha: número de crimes contra judeus é o mais elevado desde 2001

A Alemanha registou no ano passado o número mais elevado de crimes motivados pelo antissemitismo desde que os mesmos começaram a ser contabilizados, em 2001. Os líderes da comunidade judaica daquele país prevêem que a situação continue a piorar com o surgimento de uma nova vaga de “teorias da conspiração” associadas aos judeus, na sequência da pandemia de covid-19.

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Peste Malina novidade

Não, não é O Ano da Morte de Ricardo Reis, mas é o ano d’A Peste. As Ondas de pequenos monstros transformaram a terra num Vasto Mar de Sargaços. Qualquer Coisa Como um Lugar de Massacre. Nada vai voltar a ser como O Mundo em que Vivi. Sim, Os Dias Tranquilos acabaram, Os Anjos desfizeram As Estrelas Propícias (se é que, na verdade, alguma vez existiram). Agora, a vida está Em Frente da Porta, do Lado de Fora e toda a gente está confinada aos Pequenos Delírios Domésticos.

Afinal, quem são os evangélicos?

A maior parte dos que falam de minorias religiosas como os evangélicos nada sabem sobre eles, incluindo políticos e jornalistas. Em Portugal constituem a maior minoria religiosa, e a Aliança Evangélica Mundial conta com mais de 600 milhões de fiéis em todo o mundo.

Um planeta é como um bolo

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco