Homens e as suas circunstâncias

| 22 Dez 2020

“É evidente que é indispensável ao funcionamento da vida em sociedade estabelecer juízos e condenações”. O Pensador da Porta do Inferno (Museu Rodin, Paris). Foto: Jean-Pierre Dalbéra / Wikimedia Commons

 

“O Homem é o Homem e as suas circunstâncias”, dizia Ortega e Gasset. O que é o Homem? Quais as circunstâncias em que se encontra? De que forma é que estas o moldam ou condicionam?

Antes de mais, podemos começar por concluir que há uma relação fundamental na definição de cada ser humano: o modo como se relaciona com as circunstâncias que o rodeiam, e que circunstâncias são essas. Ninguém se define sem uma história e um contexto. Uma das formas mais banais de matar é através de um juízo apressado que ignore, propositadamente ou não, as circunstâncias do outro. Olhar apenas para um acontecimento descontextualizado é a forma de juízo mais cómoda, por ser a menos exigente. É comum dizer que, contra factos, não há argumentos, esquecemo-nos é de que há sempre circunstâncias.

Dizer que o Homem é formado pela relação que criou com as circunstâncias em que vive é, antes de mais, optar por uma visão integral que nos responsabiliza e justifica. Assumir que, queiramos ou não, somos influenciados por um conjunto de variáveis, é um importante passo no sentido da compreensão e responsabilização pelos nossos atos e decisões. Não somos aquilo que idealizamos, nem somos autossuficientes. Todos carregamos connosco um contexto de vida que nos molda. Reconhecê-lo é crescer em sentido de responsabilidade. Quanto maior a nossa consciência, maior a responsabilidade. Um primeiro passo para sermos senhores de nós mesmos é conhecer as nossas circunstâncias e procurar conhecer as daqueles com quem lidamos. Se olharmos para a reação de uma pessoa procurando perceber o contexto em que agiu e as circunstâncias que a formam, o nosso juízo será muito diferente.

É evidente que é indispensável ao funcionamento da vida em sociedade estabelecer juízos e condenações. Sem isso a convivência humana seria impossível. Mas um dos principais ensinamentos que poderemos retirar desta frase, é a necessidade de sermos muito atentos a condenar e cautelosos a julgar, reconhecendo que todos temos juízos apriorísticos e condenações pré-fabricadas. Quem não olha com desprezo e censura a alta criminalidade financeira? A crueldade cometida contra crianças ou pessoas vulneráveis? Quantas vezes censuramos determinadas tendências políticas, julgando-as inadmissíveis? E, contudo, não seria pensável exigir que não o fizéssemos. É um excelente sinal da nossa sensibilidade e atenção ao mundo.

Porém, ao mesmo tempo, importa questionar quantos milimétricos atos de pequena crueldade ou indiferença praticamos? Quantas vezes deixámos de renunciar a certos benefícios em nome de um bem maior? Quantos de nós, apregoando-nos democratas e pluralistas já decidimos banir da réstia da nossa consideração certas ideologias?  Quantas pessoas a nossa maledicência já condenou? Quantas vezes permanecemos calados?

O Homem é o Homem, e as suas circunstâncias. Estamos repletos de contradições e fragilidades. Essa é uma postura de humildade que importa reconhecer, não para nos calarmos e tornarmos seres formatados e desprovidos de sentido crítico. Antes, para assumir com franqueza as nossas posições e defendê-las. Silenciar é negar a singularidade humana. Negar humanidade e vivências com as quais todos poderão ter algo a aprender. Fugir ao contraditório destrói mais convicções do que as que protege. É o encontro com a alteridade que nos ajuda a definir. Importa por isso partir para esse encontro de coração aberto e seguro. Diante de mim está sempre um mestre, mas também um aprendiz a quem posso enriquecer o caminho.

Numa primeira leitura, assumir que cada pessoa é definida pelas próprias circunstâncias, pode fazer-nos cair na tentação de um total relativismo, que nos pouparia à árdua tarefa de perceber o outro, olhar sua história, sabendo que esse olhar é condicionado pela nossa, e por isso, não alcançaremos uma verdade absoluta.

A busca de uma verdade transcendental, ou a tentativa de demonstrar a sua inexistência, desvia-nos das nossas humanas possibilidades. Aquilo que, considerando-nos seres humanos, feitos de uma história, podemos almejar alcançar é a verdade de coração, uma postura de honestidade e integridade. Essa, sim, é possível e um imperativo para a nossa consciência.

 

Sofia Távora é jurista e voluntária no Serviço de Assistência Espiritual e Religiosa do Hospital Dona Estefânia.

 

“Trabalho digno” é o “caminho para a paz e justiça social”, defende MMTC

Mensagem e conferência online

“Trabalho digno” é o “caminho para a paz e justiça social”, defende MMTC novidade

“Num mundo em conflito, com profundas desigualdades e ambientalmente insustentável, o trabalho digno representa o caminho para a paz e a justiça social”, defende o Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos, na véspera do Dia Internacional pelo Trabalho Digno, que se assinala  a 7 de outubro. A mensagem foi divulgada em Portugal pela Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos, nesta quinta-feira, 6, data em que dinamiza, pelas 21 horas, uma videoconferência subordinada ao tema “Trabalho digno para todos”.

Responsáveis religiosos contra desalojamento de comunidade mapuche

Argentina

Responsáveis religiosos contra desalojamento de comunidade mapuche novidade

Os líderes de diferentes Igrejas cristãs de Bariloche (cidade na região da Patagónia Argentina) apelaram esta quarta-feira, 5, à busca de vias de diálogo e de paz, depois de no dia anterior as forças policiais federais terem iniciado uma operação de desalojamento de uma comunidade indígena mapuche, recorrendo ao uso de gás lacrimogéneo e balas de borracha, e que resultou na detenção de pelo menos dez pessoas, entre elas uma mulher grávida e cinco menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Dia 4 de outubro

Filme “A Carta” exibido em Campo de Ourique

O documentário “A Carta” que relata a história da Encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco vai ser exibido no auditório da Escola de Hotelaria e Turismo na terça-feira, dia 4 de outubro, às 21h15.

Bispo Bätzing “impede” visita do cardeal Koch à Alemanha

Em causa disputa sobre o Caminho Sinodal alemão

Bispo Bätzing “impede” visita do cardeal Koch à Alemanha novidade

O cardeal Kurt Koch, prefeito do Dicastério para a Unidade dos Cristãos, cancelou a sua visita à Alemanha, depois do bispo Georg Bätzing, presidente da Conferência Episcopal daquele país, ter dito que ele não seria bem-vindo enquanto não tornasse público um pedido de desculpas pelas afirmações feitas no final de setembro contra o Caminho Sinodal alemão, noticia o jornal católico The Pillar na sua edição de 3 de outubro.

Silêncio: devolver à vida a sua beleza

Livro de oração

Silêncio: devolver à vida a sua beleza novidade

Será um passo paradoxal falar do silêncio: afinal, ele será rompido para que dele se fale. Mas sabemos, na nossa experiência quotidiana, como a ausência de reflexão pode ser sinónimo, não de silêncio, mas de um adormecimento nos ruídos, distrações e imagens que constantemente nos interpelam.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This