Hong Kong é o novo manual de protesto para o século XXI

| 9 Nov 19

Manifestação de apoio a Hong Kong em Brisbane, na Austrália. Foto © Andrew Mercer/Wikimedia Commons

 

“A principal característica do movimento pró-democracia de Hong Kong é que não tem líderes, é horizontal. É o oposto do que aconteceu em 2014 com o movimento dos guarda-chuvas, que terminou com vários de seus líderes na prisão, e isso impede que nos parem.” É desta forma que Woody Tam, uma estudante de 24 anos, descreve o modelo seguido nos protestos de Hong Kong e demonstra o que o distingue dos que o precederam.

Tam enfrenta há quatro meses a polícia no campo de batalha da ex-colónia britânica, abalada desde 9 de junho por protestos que nasceram contra a proposta de lei de extradição – retirada formalmente no último dia 23 de outubro – e exigindo eleições com sufrágio universal. “O envolvimento de pessoas de todas as esferas da sociedade, que oferecem o seu talento de graça, e o uso de novas tecnologias, é o que nos permite ter muito êxito e manter a luta por tanto tempo”, afirma Tam.

Kenny Tai, um outro manifestante, com 25 anos, descreve que cada pessoa contribui de uma forma diferente para a continuação dos protestos. “Todas as ações surgem de forma orgânica. As pessoas fazem propostas no fórum LIHKG”, uma plataforma digital de notícias e informações “que alguns parlamentares pró-chineses querem bloquear – e depois as pessoas organizam-se em grupos”, afirma ao jornal El Diario, citado na página da Unisinos.

“Estudantes jornalistas” e meios de comunicação digitais transmitem os protestos a partir dos seus smartphones, registando qualquer incidente de brutalidade policial e apontando os nomes dos detidos, que costumam gritar para que o seu caso possa ser seguido e assim evitar o seu desaparecimento. Ao mesmo tempo, grupos de advogados oferecem serviços jurídicos gratuitos através de mensagens de telemóvel.

 

Novos meios e novas tecnologias para a mobilização

Um dos outros meios utilizados pelos manifestantes é a página digital HKMap.live, originalmente banida pela Apple. A aplicação indica os locais onde se encontra a Polícia e onde ocorrem os distúrbios. É uma ferramenta indispensável, desenvolvida por um programador anónimo com o objetivo de auxiliar a população a evitar zonas de conflito. Contudo, o Governo considera que esta é uma ameaça, ao oferecer informação aos manifestantes mais violentos da localização da Polícia de Choque.

Com toda esta sofisticação e os meios utilizados pelas alas mais radicais do conflito, que estão equipados com capacetes, máscaras antigás, ponteiros laser para cegar as forças policiais, escudos caseiros feitos de sinais de trânsito e até serras para forçar a entrada em edifícios do Governo, muitas pessoas têm pensado se há interferência estrangeira com o propósito de destabilizar a China. Porém, “a realidade é muito mais simples: os habitantes estão a doar dinheiro através de campanhas de crowdfunding”, diz Jessica Chen, membro do Conselho Estudantil da Universidade Batista de Hong Kong.

Chen confirmou que o facto de a maioria destas campanhas ultrapassar os objetivos estabelecidos se relaciona com um objetivo: “A maioria dos cidadãos de Hong Kong aderiou ao movimento, porque sabe que, se fracassar, as liberdades de que gozamos hoje podem desaparecer quando a China controlar por completo a cidade, em 2047”. A jornalista também acrescenta que aqueles que não participam ativamente nos protestos doam capacetes e máscaras antigás aos manifestantes.

 

Uma nova geração de protestos

As manifestações de protesto também se estenderam além de fundos, aplicações e proteções para os manifestantes. Exemplos disso são a composição de um hino oficial para os protestos, intitulado “Glória a Hong Kong”, que teve tanto sucesso que muitas pessoas pediram para adotá-lo como o novo hino oficial. Um outro exemplo é um videojogo “Libertar Hong Kong”, que pretende simular o movimento democrático em progresso e ajudar outras pessoas a entender melhor o que se está a passar nas ruas.

Para muitos, Hong Kong é um novo manual de protesto da sociedade civil no século XXI. “Os habitantes de Hong Kong estão lutando contra a maior e a mais poderosa ditadura no mundo. O seu exemplo, inspira muitos outros movimentos em todo o mundo”, afirma Badiucao, um artista dissidente e proeminente que não hesita em usar o seu talento como cartoonista para criticar o Governo e ajudar a espalhar as cinco exigências dos manifestantes. “A arte está a desempenhar um papel essencial em manter os protestos vivos”, acrescenta.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais novidade

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Esse Deus não é o meu!

Os fundamentalismos alimentam-se do medo, do drama e da desgraça. Muitos deles sobrevivem ainda do Antigo Testamento, a fase infantil da revelação divina na perspectiva cristã.

As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco