Hong Kong é o novo manual de protesto para o século XXI

| 9 Nov 19 | Direitos Humanos, Estado, Política e Religiões, Sociedade - homepage, Últimas

Manifestação de apoio a Hong Kong em Brisbane, na Austrália. Foto © Andrew Mercer/Wikimedia Commons

 

“A principal característica do movimento pró-democracia de Hong Kong é que não tem líderes, é horizontal. É o oposto do que aconteceu em 2014 com o movimento dos guarda-chuvas, que terminou com vários de seus líderes na prisão, e isso impede que nos parem.” É desta forma que Woody Tam, uma estudante de 24 anos, descreve o modelo seguido nos protestos de Hong Kong e demonstra o que o distingue dos que o precederam.

Tam enfrenta há quatro meses a polícia no campo de batalha da ex-colónia britânica, abalada desde 9 de junho por protestos que nasceram contra a proposta de lei de extradição – retirada formalmente no último dia 23 de outubro – e exigindo eleições com sufrágio universal. “O envolvimento de pessoas de todas as esferas da sociedade, que oferecem o seu talento de graça, e o uso de novas tecnologias, é o que nos permite ter muito êxito e manter a luta por tanto tempo”, afirma Tam.

Kenny Tai, um outro manifestante, com 25 anos, descreve que cada pessoa contribui de uma forma diferente para a continuação dos protestos. “Todas as ações surgem de forma orgânica. As pessoas fazem propostas no fórum LIHKG”, uma plataforma digital de notícias e informações “que alguns parlamentares pró-chineses querem bloquear – e depois as pessoas organizam-se em grupos”, afirma ao jornal El Diario, citado na página da Unisinos.

“Estudantes jornalistas” e meios de comunicação digitais transmitem os protestos a partir dos seus smartphones, registando qualquer incidente de brutalidade policial e apontando os nomes dos detidos, que costumam gritar para que o seu caso possa ser seguido e assim evitar o seu desaparecimento. Ao mesmo tempo, grupos de advogados oferecem serviços jurídicos gratuitos através de mensagens de telemóvel.

 

Novos meios e novas tecnologias para a mobilização

Um dos outros meios utilizados pelos manifestantes é a página digital HKMap.live, originalmente banida pela Apple. A aplicação indica os locais onde se encontra a Polícia e onde ocorrem os distúrbios. É uma ferramenta indispensável, desenvolvida por um programador anónimo com o objetivo de auxiliar a população a evitar zonas de conflito. Contudo, o Governo considera que esta é uma ameaça, ao oferecer informação aos manifestantes mais violentos da localização da Polícia de Choque.

Com toda esta sofisticação e os meios utilizados pelas alas mais radicais do conflito, que estão equipados com capacetes, máscaras antigás, ponteiros laser para cegar as forças policiais, escudos caseiros feitos de sinais de trânsito e até serras para forçar a entrada em edifícios do Governo, muitas pessoas têm pensado se há interferência estrangeira com o propósito de destabilizar a China. Porém, “a realidade é muito mais simples: os habitantes estão a doar dinheiro através de campanhas de crowdfunding”, diz Jessica Chen, membro do Conselho Estudantil da Universidade Batista de Hong Kong.

Chen confirmou que o facto de a maioria destas campanhas ultrapassar os objetivos estabelecidos se relaciona com um objetivo: “A maioria dos cidadãos de Hong Kong aderiou ao movimento, porque sabe que, se fracassar, as liberdades de que gozamos hoje podem desaparecer quando a China controlar por completo a cidade, em 2047”. A jornalista também acrescenta que aqueles que não participam ativamente nos protestos doam capacetes e máscaras antigás aos manifestantes.

 

Uma nova geração de protestos

As manifestações de protesto também se estenderam além de fundos, aplicações e proteções para os manifestantes. Exemplos disso são a composição de um hino oficial para os protestos, intitulado “Glória a Hong Kong”, que teve tanto sucesso que muitas pessoas pediram para adotá-lo como o novo hino oficial. Um outro exemplo é um videojogo “Libertar Hong Kong”, que pretende simular o movimento democrático em progresso e ajudar outras pessoas a entender melhor o que se está a passar nas ruas.

Para muitos, Hong Kong é um novo manual de protesto da sociedade civil no século XXI. “Os habitantes de Hong Kong estão lutando contra a maior e a mais poderosa ditadura no mundo. O seu exemplo, inspira muitos outros movimentos em todo o mundo”, afirma Badiucao, um artista dissidente e proeminente que não hesita em usar o seu talento como cartoonista para criticar o Governo e ajudar a espalhar as cinco exigências dos manifestantes. “A arte está a desempenhar um papel essencial em manter os protestos vivos”, acrescenta.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

A mulher que pode ter autoridade sobre os bispos

Francesca di Giovanni, nomeada pelo Papa para o cargo de subsecretária da Secção para as Relações com os Estados, considerou a sua escolha como “uma decisão inovadora [que] representa um sinal de atenção para com as mulheres.

Papa considera “superado” episódio do livro sobre celibato

O Papa Francisco terá considerado ultrapassado o episódio do início desta semana, a propósito do livro sobre o celibato, escrito pelo cardeal Robert Sarah, da Guiné-Conacri, e o Papa emérito Bento XVI (ou que o cardeal escreveu sozinho, usando também um texto de Ratzinger).

Henrique Joaquim: “Assistencialismo não tira da rua as pessoas sem-abrigo”

“O assistencialismo não tira a pessoa da rua, não resolve o problema; ainda que naquela noite tenha matado a fome a uma pessoa, não a tira dessa condição”, diz o gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, Henrique Joaquim, que esta quinta-feira, 2 de Janeiro, iniciou as suas funções.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Beleza e ecumenismo

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Cultura: novas histórias e paradigmas…

“Torna-se necessária uma evangelização que ilumine os novos modos de se relacionar com Deus, com os outros e com o ambiente, e que suscite os valores fundamentais” – afirma a exortação pastoral Evangelii Gaudium. Na mesma linha em que o Papa João XXIII apelava ao reconhecimento da importância dos “sinais dos tempos”, o Papa Francisco afirmou que: “É necessário chegar aonde são concebidas as novas histórias e paradigmas, alcançar com a Palavra de Jesus os núcleos mais profundos da alma das cidades.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade novidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
21
Ter
Viagem pela Espiritualidade – Conversa com Luís Portela @ Fund. Engº António de Almeida
Jan 21@18:15_19:15

Conversa em torno do livro Da Ciência ao Amor – pelo esclarecimento espiritual, de Luís Portela, com apresentação de Guilherme d’Oliveira Martins e a participação de Isabel Ponce de Leão, Luís Carlos Amaral, Luís Miguel Bernardo, Luís Neiva Santos,
Manuel Novaes Cabral e Manuel Sobrinho Simões

Jan
23
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 23@21:30_23:00

Conferência sobre “Periferias”, com Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco