Hostilidade contra cultos de origem africana está a crescer no Brasil

| 11 Jul 19 | Crenças e rituais, Direitos Humanos, Estado, Política e Religiões, Liberdade religiosa, Newsletter, Outras Religiões - homepage, Sociedade, Últimas

Ossain, Orixa das folhas, sacerdote de candomblé na Bahia (Brasil). Foto © Toluaye/Wikimedia Commons

 

Os casos registados de ataques a cultos afro-brasileiros têm vindo a aumentar consideravelmente nos últimos anos no Brasil. Os cultos umbanda e candomblé são as principais comunidades vítimas destes actos de intolerância.

Se as denúncias de intolerância religiosa terão descido em 2018 – após um grande aumento entre 2011 (onze casos) e 2016 (759) –, segundo estatísticas do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos divulgados pela edição brasileira do El País e pelo jornal O Globo, os relatos de discriminação contra religiões de matriz africana aumentaram de menos de 100 para mais de 200 em 2018 (com números contabilizados só até Novembro). A maioria das agressões de cariz religioso são contra templos desses cultos, quando há alguns anos representavam apenas 15 a 30 por cento.

Segundo dados de 2017 do Ministério dos Direitos Humanos do Brasil, citados por media locais, a cada 15 horas um templo afro-religioso sofria algum tipo de ataque no Brasil.

O Rio de Janeiro é o estado brasileiro com maior incidência deste tipo de crime, de acordo com o relatório Intolerância Religiosa no Brasil, produzido pelo Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP), com dados de 2011 a 2015, citado pelo sítio digital Eu Rio.

Já este mês soube-se que a incidência de situações no Rio de Janeiro, entre Janeiro e Abril, cresceu 56 cento, em comparação com os quatro primeiros meses de 2018. Mais de 70 por cento dos casos no Rio são contra praticantes de religiões de matriz africana, acrescenta o site.

Sônia Giacomini, professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e uma das autoras da pesquisa que resultou no livro Presença do axé: mapeando terreiros no Rio de Janeiro, fala dum “clima de muita disputa, muita agressão e muito medo”, que se agravou desde a campanha eleitoral presidencial do ano passado.

A intolerância religiosa manifesta-se através de ofensas, humilhações, constrangimentos, interrupção de culto, discriminação no espaço escolar e no trabalho.

“Os fiéis das denominadas religiões minoritárias enfrentam diariamente o discurso do ódio religioso propagado pelos meios de comunicação social e estão sujeitos a agressões verbais, físicas e inclusive depredações em templos, especialmente nos templos afro-religiosos”, considera advogado Hédio Silva Júnior, mestre em Direito Processual Penal e doutor em Direito Constitucional pela PUC-São Paulo e coordenador executivo do Instituto de Defesa dos Direitos das Religiões Afro-brasileiras (Idafro), em declarações à mesma publicação.

O especialista jurídico afirma que por serem a minoria no país, os fiéis das religiões afro-brasileiras constituem o alvo predilecto da intolerância religiosa. Segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a religião umbanda e o candomblé representam apenas 0,3% da população no país.

A violência expressa-se até em alguns casos de assassínios: foram identificados no relatório oito homicídios por motivos religiosos, segundo investigações da polícia civil ou do Ministério Público, relata a versão brasileira do El País.

Quatro mortes envolveram lideranças de candomblé, em Londrina (estado do Paraná) e em Manaus (Amazónia) e as outras quatro assolaram uma mesma família de evangélicos numa localidade do estado de São Paulo. Todos os assassinatos foram realizados através de facas e os agressores e vítimas eram próximos.

Cada religião sofre um tipo de discriminação. Grupos de convicção filosófica (ateus, agnósticos, etc.) sofrem discriminação por serem vistos como hereges; os Adventistas do Sétimo Dia sofrem de preconceito porque guardam o sábado e não o domingo; Testemunhas de Jeová, judeus e muçulmanos também são marginalizados.

O Brasil é um estado laico desde a constituição de 1891, na qual ficou definida a separação oficial entre religião e Estado.

No final de 2007, foi inclusivamente instituído pelo então Presidente Lula da Silva o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, que se assinala a 21 de Janeiro.

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020 novidade

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Manuela Silva e Sophia novidade

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

“Unicamente o vento…”

Teimosamente. A obra de Sophia ecoa. Como o vento. Como o mar. Porque “o poeta escreve para salvar a vida”. Aquela que foi. Que é. A vida num ápice. Luminosa e frágil. Do nascente ao ocaso. Para lá do poente. Celeste. Na “respiração das coisas”. No imprevisível ou na impermanência. A saborear o que tem. A usufruir do que teve. Na dor e na alegria.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco