Três prisões envolvidas

7M revela os confessionários da JMJ que os reclusos vão construir como uma “casa aberta”

| 15 Fev 2023

Confissão, JMJ

O modelo de confessionário da JMJ que foi apresentado no encontro do COL no dia 4: uma opção para traduzir a ideia de uma casa aberta. Foto: Direitos reservados.

 

Será uma “estrutura simples e de pequenas dimensões”, com uma silhueta a remeter para o desenho de uma casa aquela que está proposta para os confessionários que serão utilizados no “Parque do Perdão” da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023, que decorrerá entre 1 e 6 de Agosto na capital portuguesa. E que pretende traduzir sobretudo a ideia de uma confissão menos impessoal, já sugerida pelo Papa Francisco.

O desenho, soube o 7MARGENS que aqui o revela em primeira mão, foi mostrado no segundo encontro do Comité Organizador Local (COL), que decorreu no sábado, 4 de Fevereiro, na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa. Entre os elementos gráficos do modelo escolhido distinguem-se os símbolos (caminho e terço) e as cores (amarelo e vermelho) oficiais da JMJ de Lisboa, que aparecem na parte exterior da estrutura como um movimento para invocar a experiência de peregrinação.

Tal como aconteceu no Panamá, na última JMJ (Janeiro 2019), também os 150 confessionários da Jornada de Lisboa serão construídos por reclusos dos estabelecimentos prisionais de Coimbra, Paços de Ferreira e Porto. Para o efeito, confirma o gabinete de comunicação do Comité Organizador Local (COL) ao 7MARGENS, foi estabelecido um protocolo de colaboração com a Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.

“Com esta colaboração pretende-se contribuir para a promoção da reinserção social destes reclusos aquando do seu retorno à vida activa, através da sua capacitação profissional, do trabalho e da interacção com a comunidade”, diz o COL. Os reclusos que trabalham em regime aberto na paróquia de Priscos (Braga) não serão, assim, incluídos no grupo dos que construirão os confessionários.

Esta colaboração de reclusos na construção dos confessionários concretiza a ideia lançada pelo então coordenador da Pastoral Penitenciária, padre João Gonçalves, em entrevista à agência Ecclesia, em Fevereiro de 2020, meses antes de morrer, em Dezembro seguinte.

 

20 ainda mantêm divisória

jmj lisboa bandeiras gabinete coordenador geral foto antonio marujo 7M

No “Parque do Perdão” haverá padres de todo o mundo a confessar os jovens que os procurem. Foto © António Marujo/7Margens.

 

A maior parte dos confessionários, que ficarão instalados no Jardim Vasco da Gama, em Belém, não terão nem genuflexório nem grade ou divisória fixa entre penitentes e confessores (este último elemento estará presente em 20 dos 150 confessionários). O que traduz uma nova abordagem na idealização da estrutura, tornando-a menos impessoal, em sintonia com o novo olhar sobre a confissão proposto pelo Papa Francisco, por exemplo num dos seus discursos na viagem à Eslováquia, em Setembro de 2021.

Isso é visível se se comparar o desenho previsto para Lisboa com os que foram utilizados nas JMJ de Madrid (2011) e Rio de Janeiro (2013). No caso da capital portuguesa, os confessionários foram desenhados pela equipa de voluntários que está responsável pelo “Parque do Perdão”, uma das partes em que se divide a “Cidade da Alegria”. O desenho gráfico foi feito pela equipa de voluntários da direcção de comunicação do Comité Organizador Local (COL).

Esta opção pela ausência da divisória “está relacionada com a imagem do sacramento da confissão que a própria estrutura do confessionário traduz de uma casa aberta que acolhe de uma forma muito pessoal e personalizada”, justifica o COL na resposta ao 7MARGENS. Embora não esteja relacionado com a questão – muito menos numa JMJ, em que o espaço da confissão estará ao ar livre –, o desenho foge do confessionário fechado tradicional que, como se soube segunda-feira, foi local de abusos sexuais em 14,3% dos casos registados pela Comissão Independente em Portugal, e apresentados segunda-feira passada, em Lisboa.

“A não existência de divisões, para além de conferir à celebração um carácter mais pessoal e familiar, facilita também a sua utilização, especialmente por pessoas com mobilidade reduzida”, acrescenta o COL.

Haverá, no entanto, 20 dos 150 confessionários que manterão as divisórias. Uma opção decidida entre o COL e o Vaticano, que “pretende garantir o cumprimento do cânone 964 do Código de Direito Canónico que, no parágrafo 2, estabelece que “existam sempre em lugar patente confessionários, munidos de uma grade fixa entre o penitente e o confessor, e que possam utilizar livremente os fiéis que assim o desejem”.

Nesta linha, diz o COL, pretende-se “sobretudo assegurar uma celebração acolhedora para todos, mantendo a possibilidade da celebração com divisória para os jovens que assim o desejem”.

O “Parque do Perdão” funcionará entre os dias 1 a 4 de Agosto, entre as 10h e as 18h, de acordo com a informação dada na reunião do COL, com padres que estarão inscritos para participar na JMJ, disponíveis em diferentes idiomas para acolher os jovens que pretendam fazer a experiência da reconciliação das “feridas” de cada pessoa e do “reencontro com Deus, com o próprio e com os outros”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This