Humanizar a Educação (em todos os sentidos)

| 1 Out 2023

Crianças na sala de aula de uma escola. Foto © Arthur Krijgsman Pexels

“Ser professor em Portugal, particularmente no ensino público, é hoje infelizmente uma aventura que não conduz à ventura, mas ao desalento, ao cansaço sem nome, à infelicidade.”  Foto © Arthur Krijgsman / Pexels

 

“Todo o professor, seja qual for a sua especialidade, é acima de tudo um mestre de humanidade”. Esta frase de Georges Gusdorf, professor e filósofo francês, autor de um livro extraordinário que todos os professores deviam ler (Professores para quê?, Livraria Morais Editora, Lisboa, 1967), diz bem acerca do ideal a que qualquer professor deve aspirar, ao serviço da educação integral do ser humano, e não apenas do ensino em sentido estrito. Educar, do latim educcere, significa “extrair”, “tirar para fora”. Não se trata apenas de atafulhar o aluno com conteúdos, mas de o desafiar a ser ele mesmo, a partir de si próprio, para que aprenda a tirar de si o melhor, o mais belo e mais verdadeiro. No fundo, a ser senhor de si, das suas capacidades e das suas emoções, para que se cumpra na e pela liberdade autêntica. Educar é uma tarefa tão difícil, que Kant, o filósofo alemão, a reputou como a mais difícil das tarefas humanas, e Freud dizia mesmo ser impossível.

Hoje, está bom de ver que a nossa conceção de educação, ou dito com mais rigor, de ensino, está bastante longe do ideal de uma educação à altura humana. Em vez de humanização, o que temos é desumanização ou, noutra palavra, alienação. E esta não está apenas no peso excessivo que se dá à “cabeça cheia” em detrimento da “cabeça bem feita”, para usar a famosa dicotomia criada por Montaigne e desenvolvida por Edgar Morin. Está também na funcionalização-proletização da profissão do professor que, no nosso país, significa três coisas: burocracia em excesso, incerteza (por vezes angustiante) e pagar para trabalhar (nomadismo crónico).

Ser professor em Portugal, particularmente no ensino público, é hoje infelizmente uma aventura que não conduz à ventura, mas ao desalento, ao cansaço sem nome, à infelicidade. Como se não bastasse o excesso de burocracia, os salários desadequados (sobretudo para os professores deslocados), as turmas enormes e cheias de alunos contrariados, quando não mesmo mal-educados, ou tão-só cronicamente incapazes de atenção, o professor tem ainda de lidar com a instabilidade económica, familiar, etc. O caso gritante do professor de Ponte de Lima que, colocado a 400 km de casa após 20 anos de profissão, tem de morar numa carrinha porque não ganha o suficiente para pagar uma renda em Setúbal, é tão-só mais um exemplo extremo do estado a que chegamos. Não admira, portanto, que a grande maioria dos jovens não queira seguir a carreira de professor, para mais tendo crescido numa sociedade que a desvaloriza sistematicamente, a desautoriza, funcionaliza e proletariza. E temos hoje uma situação cada vez mais insustentável em que o crescimento do número de alunos de ano para ano é inversamente proporcional ao do número de professores, o que se traduzirá mais ainda em perda de qualidade educativa. Desde logo porque se está a abrir as portas da carreira docente a quem não tem profissionalização, e até mesmo a quem não tem licenciatura, como acontecia no pós-25 de abril.

Ora, é sabido que as necessidades de um sistema público são grandes e sempre crescentes, e não somos um país de vastos recursos, mas se não investirmos na educação, se não a reformarmos, se nos resignarmos ao declínio e só pensarmos em administrar o status quo imediato, é próprio futuro do país que hipotecamos. Ainda que o maior crime, é preciso dizê-lo, seja o de hipotecar as próprias vidas. É que, sem educação no sentido mais amplo, sem humanização, o ser humano instrumentaliza-se, esvazia-se espiritualmente, torna-se massa, técnica sem rosto, ciência sem consciência, indivíduo e não inteiramente pessoa. E ela é tão mais urgente e necessária quanto o nosso mundo hoje enfrenta riscos e incertezas nunca antes vistos. É o risco da corrupção das democracias, e mesmo da sua perversão, que medra no caldo da ignorância e da falta de sentido crítico; é o risco de um ideal neopositivista de progresso, para o qual progresso tecnológico é sinónimo de progresso humano e moral, sem se ter em conta o princípio indeclinável da responsabilidade (penso, por exemplo, no desenvolvimento estonteante e em larga medida imponderado da inteligência artificial); é o risco dos tribalismos/chauvinismos/nacionalismos em expansão que segue em contracorrente com um mundo que, dado o crescimento demográfico exponencial, deveria caminhar para a unidade na fraternidade e na cooperação, acima dos particularismos.

Enfim, exorto o governo e os partidos a abandonarem a lógica viciosa da competição política a qualquer custo, essencialmente inimiga da verdade e amiga do poder pelo poder, ou do poder pela influência, e a produzirem em conjunto, em boa fé, uma reforma da educação para os próximos vinte e cinco, trinta anos. Uma reforma que abranja todos os domínios, das carreiras profissionais aos programas curriculares, tendo em conta os desafios do presente e do futuro, e o melhor que sabemos acerca das dimensões psicológica, antropológica, filosófica e espiritual do ser humano. Uma reforma que promova a autoridade e a dignidade do professor como “mestre de humanidade”, reconhecendo que este precisa de paz, estabilidade e tempo para desempenhar bem o seu papel intransferível, de forma necessariamente reflexiva e ética. Uma reforma que reconheça, por outro lado, que o aluno é uma pessoa a haver, quer dizer, um indivíduo multidimensional que aspira a desenvolver a sua personalidade de forma plena e equilibrada; o mesmo é dizer que é um ser incomensurável, cuja sede de sentido e realização extravasam sempre este ou aquele papel específico que, social, cultural ou profissionalmente, a sociedade o força a desempenhar, cada vez mais como instrumento da máquina social e/ou económica, e menos como fim em si mesmo, kantianamente falando.

Ruben Azevedo é professor e membro do Ginásio de Educação Da Vinci – Campo de Ourique (Lisboa).

 

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This