Olhar o espólio do museu

Iconografias [s]em reserva[s] no Machado de Castro

| 1 Abr 2022

museu nacional de machado de castro foto mnmc facebook

A exposição no Museu Nacional de Machado de Castro estará aberta ao público de terça-feira a domingo, entre as 10h00 e as 17h30. Foto © MNMC. 

 

“Resgatar a compreensão do universo complexo das ordens religiosas” é um dos objectivos da exposição “Resgatar a Ordem. Iconografias [s]em reserva[s]”, patente no Museu Nacional de Machado de Castro (MNMC), em Coimbra, desde 1 de Abril até 19 de Junho, um primeiro olhar de conjunto sobre as reservas do MNMC. A mostra, segundo um comunicado de imprensa, resgata ainda “a clareza possível das peças submetidas a um processo de conservação preventiva” e “a leitura dos objetos que permaneciam inertes e descontextualizados nas reservas do MNMC e que ganham agora os contornos de inteligibilidade que lhes assiste”.

Os organizadores referem que, “na relação entre a Igreja, os seus equipamentos e os museus, a exposição apresenta um acervo constituído por peças de escultura e pintura e dá corpo à ideia de resgate de uma ordem perdida, tanto no capítulo do religioso (fragmentado e disperso), como no labirinto das reservas museológicas e na perturbação da sua incapacidade para organizar a leitura”.

Com a recuperação deste acervo, concretiza-se, “não apenas a viabilidade de compreensão de um legado cada vez mais distante da perceção contemporânea, como legitima, acima de tudo, a sua capacidade para estimular uma fruição informada e dirigida a diferentes públicos”.

A exposição, comissariada cientificamente por Sandra Costa Saldanha, que é professora na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e foi directora do Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja, da Conferência Episcopal Portuguesa, estará aberta ao público de terça-feira a domingo, entre as 10h00 e as 17h30.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This