Ídolo

| 29 Nov 20

Igreja de São Martinho, em Biberach an der Riß. Foto © Helena Araújo

 

“Portanto, não construireis #ídolos, não levantareis imagem nem erguereis colunas ou pedras com imagens gravadas para adorar, pois Eu Sou Yahweh, vosso Deus.”

Não sei quem escreveu o livro do Levítico, e gostava de saber, para lhe deitar as culpas retroactivas do fundamentalismo que se abateu sobre vastas áreas da Europa no século XVI, e que levou simpáticos cristãos a destruir inúmeros objectos de arte sacra porque viam neles uma blasfémia. A culpa será do autor do Levítico (e outros textos que tais), e do Martinho Lutero que traduziu a Bíblia para alemão sem cuidar de que quem lesse pudesse também entender, e do Guttenberg que inventou a máquina diabólica que permitiu divulgar sabe-se lá que textos para as multidões (os Zuckerbergs da época eram os donos das máquinas de impressão), e – concedo – antes de mais da Igreja de Roma que não soube entender os sinais dos tempos e ganhar juízo antes de ser demasiado tarde. De modo que num dia estava o Martinho Lutero a pregar as suas teses na porta da igreja de Wittenberg, e logo a seguir os povos estavam a aderir em massa de forma mais ou menos voluntária ao que ele dizia, liam aquela treta dos ídolos e – zimbas! – invadiam igrejas para destruir esculturas e pinturas e tudo o que lhes aparecesse à frente.
Foi o que aconteceu em Biberach an der Riß, uma cidade da Suábia: no dia 29 de Junho de 1531, a riquíssima igreja de São Martinho, que em duzentos anos de existência já acumulara um belo espólio daquilo a que se viria a chamar arte sacra medieval, foi invadida por uma populaça inteiramente convencida da sua razão, que agarrou nas esculturas de Niklaus Weckmann e nas pinturas de Martin Schongauer e as lançou para uma fogueira que ardia em frente à porta. Alguns católicos ainda perguntaram se podiam levar para casa aquela tralha sem préstimo, mas a turba, implacável: que não, que era pecado. Fogo.
(Embrulhem esta, talibãs! Pensavam que eram originais quando destruíram os budas afegãos? Ora, ora, tinham de se levantar bem mais cedo… Muito antes de vocês já os papas tinham destruído estátuas e bronzes dos ídolos da antiguidade para aproveitar o material, já os protestantes tinham andado a limpar as igrejas de ídolos dos católicos, já espanhóis e portugueses se preparavam para converter os povos “descobertos” destruindo os ídolos das suas culturas de modo a fazer-lhes espaço no coração para a verdadeira fé.)
Até aqui, Verão de 1531, a história da igreja de São Martinho em Biberach é tragicamente igual à de muitas outras. Em breve, contudo, tudo iria seguir um caminho muito sui generis. É que os protestantes, que constituíam a esmagadora maioria da população da cidade, não se lembraram que os católicos eram os donos das terras à volta. E quem diz terra, diz direitos de passagem. De modo que estes começaram a fazer finca-pé: “se não temos igreja, vocês não têm estradas. É triste, mas é a vida.”
Acabaram por fazer a reconciliação possível, e começaram a usar a igreja a meias. A uma hora era o serviço religioso protestante, a outra hora era o católico. Como quem escolhe ir à missa das nove ou à missa das onze, porque gosta mais do coro que canta numa ou – sabe-se lá – tem um projecto de namorico que frequenta a outra. De facto, já antes faziam o mesmo, porque a população não mudou, apenas se dividiu em duas interpretações diferentes do Levítico. E assim ficaram – até hoje. Em meados do século XVIII decidiram que a igreja gótica precisava de se modernizar ao gosto do tempo, e deram-lhe uma valente demão de barroco no interior. O tecto da nave principal, que é usada por ambas as confissões, tem motivos aceites pelos dois grupos. Já o tecto do coro, reservado apenas aos católicos, exibe uma alegoria da igreja a ser coroada pelo papa.
Ainda hoje a igreja é usada por protestantes e católicos: o púlpito do pastor de um lado, os confessionários do outro, duas sacristias, espaços comuns e espaços reservados a cada confissão, direitos e deveres perfeitamente definidos. Dizem que é uma igreja “simultânea”, um caso único no mundo.
Quando a visitei, mostraram-me o lado protestante e o católico, riram-se do pormenor de a própria troca das lâmpadas ser da responsabilidade do respectivo proprietário, e asseguraram – com religioso bairrismo – que o lado católico está sempre mais asseado que o protestante.
Seguindo este link, é possível ver imagens das magníficas pinturas barrocas, e também de uma escultura medieval que foi poupada à destruição de 1531. Na própria igreja há um carrinho com um espelho deitado, que as pessoas podem levar ao longo da nave principal para irem vendo as pinturas do tecto sem terem de dobrar o pescoço para trás. O vidro estava limpíssimo: calculo que pertença ao lado católico, cujos verdadeiros ídolos intemporais são – como é do conhecimento de todos os que já foram vítimas da Kehrwoche suábia – a vassoura, o balde e a esfregona…
Igreja de São Martinho, Biberach an der Riß

Igreja de São Martinho, Biberach an der Riß. Foto © Helena Araújo

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This