Ídolo

| 29 Nov 20

Igreja de São Martinho, em Biberach an der Riß. Foto © Helena Araújo

 

“Portanto, não construireis #ídolos, não levantareis imagem nem erguereis colunas ou pedras com imagens gravadas para adorar, pois Eu Sou Yahweh, vosso Deus.”

Não sei quem escreveu o livro do Levítico, e gostava de saber, para lhe deitar as culpas retroactivas do fundamentalismo que se abateu sobre vastas áreas da Europa no século XVI, e que levou simpáticos cristãos a destruir inúmeros objectos de arte sacra porque viam neles uma blasfémia. A culpa será do autor do Levítico (e outros textos que tais), e do Martinho Lutero que traduziu a Bíblia para alemão sem cuidar de que quem lesse pudesse também entender, e do Guttenberg que inventou a máquina diabólica que permitiu divulgar sabe-se lá que textos para as multidões (os Zuckerbergs da época eram os donos das máquinas de impressão), e – concedo – antes de mais da Igreja de Roma que não soube entender os sinais dos tempos e ganhar juízo antes de ser demasiado tarde. De modo que num dia estava o Martinho Lutero a pregar as suas teses na porta da igreja de Wittenberg, e logo a seguir os povos estavam a aderir em massa de forma mais ou menos voluntária ao que ele dizia, liam aquela treta dos ídolos e – zimbas! – invadiam igrejas para destruir esculturas e pinturas e tudo o que lhes aparecesse à frente.
Foi o que aconteceu em Biberach an der Riß, uma cidade da Suábia: no dia 29 de Junho de 1531, a riquíssima igreja de São Martinho, que em duzentos anos de existência já acumulara um belo espólio daquilo a que se viria a chamar arte sacra medieval, foi invadida por uma populaça inteiramente convencida da sua razão, que agarrou nas esculturas de Niklaus Weckmann e nas pinturas de Martin Schongauer e as lançou para uma fogueira que ardia em frente à porta. Alguns católicos ainda perguntaram se podiam levar para casa aquela tralha sem préstimo, mas a turba, implacável: que não, que era pecado. Fogo.
(Embrulhem esta, talibãs! Pensavam que eram originais quando destruíram os budas afegãos? Ora, ora, tinham de se levantar bem mais cedo… Muito antes de vocês já os papas tinham destruído estátuas e bronzes dos ídolos da antiguidade para aproveitar o material, já os protestantes tinham andado a limpar as igrejas de ídolos dos católicos, já espanhóis e portugueses se preparavam para converter os povos “descobertos” destruindo os ídolos das suas culturas de modo a fazer-lhes espaço no coração para a verdadeira fé.)
Até aqui, Verão de 1531, a história da igreja de São Martinho em Biberach é tragicamente igual à de muitas outras. Em breve, contudo, tudo iria seguir um caminho muito sui generis. É que os protestantes, que constituíam a esmagadora maioria da população da cidade, não se lembraram que os católicos eram os donos das terras à volta. E quem diz terra, diz direitos de passagem. De modo que estes começaram a fazer finca-pé: “se não temos igreja, vocês não têm estradas. É triste, mas é a vida.”
Acabaram por fazer a reconciliação possível, e começaram a usar a igreja a meias. A uma hora era o serviço religioso protestante, a outra hora era o católico. Como quem escolhe ir à missa das nove ou à missa das onze, porque gosta mais do coro que canta numa ou – sabe-se lá – tem um projecto de namorico que frequenta a outra. De facto, já antes faziam o mesmo, porque a população não mudou, apenas se dividiu em duas interpretações diferentes do Levítico. E assim ficaram – até hoje. Em meados do século XVIII decidiram que a igreja gótica precisava de se modernizar ao gosto do tempo, e deram-lhe uma valente demão de barroco no interior. O tecto da nave principal, que é usada por ambas as confissões, tem motivos aceites pelos dois grupos. Já o tecto do coro, reservado apenas aos católicos, exibe uma alegoria da igreja a ser coroada pelo papa.
Ainda hoje a igreja é usada por protestantes e católicos: o púlpito do pastor de um lado, os confessionários do outro, duas sacristias, espaços comuns e espaços reservados a cada confissão, direitos e deveres perfeitamente definidos. Dizem que é uma igreja “simultânea”, um caso único no mundo.
Quando a visitei, mostraram-me o lado protestante e o católico, riram-se do pormenor de a própria troca das lâmpadas ser da responsabilidade do respectivo proprietário, e asseguraram – com religioso bairrismo – que o lado católico está sempre mais asseado que o protestante.
Seguindo este link, é possível ver imagens das magníficas pinturas barrocas, e também de uma escultura medieval que foi poupada à destruição de 1531. Na própria igreja há um carrinho com um espelho deitado, que as pessoas podem levar ao longo da nave principal para irem vendo as pinturas do tecto sem terem de dobrar o pescoço para trás. O vidro estava limpíssimo: calculo que pertença ao lado católico, cujos verdadeiros ídolos intemporais são – como é do conhecimento de todos os que já foram vítimas da Kehrwoche suábia – a vassoura, o balde e a esfregona…
Igreja de São Martinho, Biberach an der Riß

Igreja de São Martinho, Biberach an der Riß. Foto © Helena Araújo

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares novidade

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Semana pela Unidade dos Cristãos: Aplicação disponibiliza orações em árabe novidade

Pela primeira vez, os cristãos de língua árabe podem acompanhar as orações e meditações bíblicas da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (que se assinala entre 18 e 25 de janeiro) no seu próprio idioma, graças à tradução assegurada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em parceria com o Conselho de Igrejas do Médio Oriente (MECC) e a aplicação bíblica You Version – The Bible App.

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres novidade

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Bispo Manuel Martins evocado nos 94 anos do seu nascimento novidade

Naquele que seria o dia do 94º aniversário do primeiro bispo de Setúbal, D. Manuel Martins, um grupo coordenado por Eugénio Fonseca promove uma sessão de evocação e homenagem, durante a qual intervém Manuel Malheiros, da Liga Portuguesa dos Direitos Humanos/Civitas.  

Indonésia: Paróquias acolhem 15 mil desalojados após terramoto

Na sequência do violento terramoto que atingiu a Ilha de Sulawesi, na Indonésia, na noite de quinta para sexta-feira, dia 15, a Cáritas local criou um centro de emergência para apoio à população afetada, tendo acolhido em duas paróquias um total de 15 mil pessoas que ficaram sem casa. A Conferência Episcopal Italiana (católica) doou, por seu lado, 500 mil euros para ajudar as famílias mais atingidas.

“Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, apela o arcebispo de Manaus

Com o aumento vertiginoso de casos de covid-19 no Estado do Amazonas (Brasil), particularmente na capital Manaus, e com as principais unidades de saúde já sem oxigénio disponível, o arcebispo da diocese, Leonardo Ulrich Steiner, gravou um vídeo apelando à solidariedade de todos. “Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, pediu na mensagem divulgada esta sexta-feira, 15 de janeiro, pelo Vatican News, sublinhando que a região se encontra “num momento de pandemia, quase sem saída”, em que as pessoas estão a morrer “por falta de oxigénio, por falta de camas” nas unidades de cuidados intensivos.

Bangladesh: Incêndio em campo de refugiados rohingya deixa 3.500 sem casa

Um incêndio devastou esta quinta-feira, 14 de janeiro, o campo de refugiados da cidade portuária de Cox’s Bazar, no sul do Bangladesh, tendo destruído mais de 550 casas que abrigavam cerca de 3.500 pessoas da minoria rohingya. Não são conhecidas até ao momento quaisquer vítimas mortais ou feridos graves, mas este incidente “terá roubado a muitas famílias o abrigo e dignidade que lhes restava”, afirmou o diretor da ONG Save the Children no país, Onn van Manen.

Entre margens

Euforia, esperança ou amnésia coletiva novidade

2020 foi um ano em que, em boa parte, nos perdemos. Alguns arriscaram, mas, perante as consequências do destemor inicial, recuaram e reposicionaram a sua forma de vida. Outros não aprenderam nada e exibiram-se heróis, como se os riscos comprovados não existissem, como se as ameaças fossem coisa de fracos e de gente fora de moda. Pois é mesmo disso que tenho medo – de uma amnésia coletiva.

Educados por fantasmas

Aliás, se as crianças e os jovens são hoje educados por fantasmas, os adultos estão longe de ser imunes ao seu fascínio. É como se a envolvência de tal mundo, que afecta ambos, não permitisse um pensamento a frio sobre ele. Ainda que o, por assim dizer, crime de pensar, seja precisamente a única forma possível de nos colocarmos ainda diante desse mundo. À distância que nos permite o pensamento crítico verificamos que estes fantasmas falam. São veículos de ideologia.

E se confinássemos?

Inclinado, como é meu hábito, a confiar nas explicações científicas, e até mesmo na humilde incerteza que toda a séria certeza tem, aceito, evidentemente, que estamos a percorrer o caminho mais seguro para limitar a tragédia e assegurar, tanto quanto possível é prever, uma evolução favorável. Igualmente convicto da boa-fé, rectidão de motivos e sentido do serviço público de quem, em tempos tão difíceis, tem conduzido o país, não me resta qualquer paciência para opiniões avulsas ou teorias da conspiração.

Cultura e artes

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Palavra e Palavras

Durante as semanas de Advento li o novo livro de Valter Hugo Mãe (VHM), Contra Mim. Trata-se de um livro que revela quem é Valter Hugo Mãe. A sua leitura literalmente me encantou e fez emergir múltiplas epifanias.  Um grande livro, um grande escritor. Uma prosa lindíssima e original. Uma profunda busca de Deus.

Auscultar a expressão de um Povo

A chamada Caixa de Correio de Nossa Senhora constitui um arquivo do santuário de Fátima no qual se conservam as mensagens ali enviadas de todo o mundo, a partir da década de 40 do século passado, dirigidas à Mãe de Jesus. Trata-se de cartas, bilhetes, postais, ex-votos, num número que atinge os milhões e que constituem uma expressão de devoção íntima e pessoal de inúmeros católicos de todas as origens sociais, económicas e familiares.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This