Guerra dura há sete anos

Iémen: trégua de dois meses no início do Ramadão

| 5 Abr 2022

Uma família no campo de Al Dhale'e para pessoas deslocadas pelo conflito no Iémen. Foto © YPN/UNOCHA

Uma família no campo de Al Dhale’e para pessoas deslocadas pelo conflito no Iémen. Foto © YPN/UNOCHA

 

Com o início do Ramadão, no sábado, 2 de abril, começou também um período de tréguas de dois meses no Iémen, uma centelha de esperança numa guerra que se arrasta há sete anos. Os negociadores têm a expectativa de que este cessar-fogo se possa prolongar para lá destes dois meses.

Para já, foi acordada a suspensão de todos os tipos de ofensivas, para fornecer assistência humanitária num país devastado por sete anos de conflito, na esperança de negociações entre as autoridades e os rebeldes huthis, segundo descreveu o jornal francês Le Monde.

De acordo com o diário francês, a paz dificilmente está a ganhar terreno no Iémen, mas as duas partes beligerantes – de um lado, as forças pró-governamentais contra rebeldes huthis, do outro, que se guerreiam desde 2014 – concordaram  com uma trégua de dois meses que se iniciou no sábado, anunciou a Organização das Nações Unidas (ONU).

“Os beligerantes responderam positivamente à proposta das Nações Unidas de uma trégua de dois meses que entrará em vigor [sábado] 2 de abril às 19h00” [17h00 em Lisboa], disse Hans Grundberg, enviado da ONU, num comunicado. O cessar-fogo pode ser “renovado com o consentimento das partes”.

Estas tréguas ocorrem depois de consultas realizadas na quarta-feira passada em Riade, na Arábia Saudita, sem a presença dos representantes dos rebeldes huthis, que recusam qualquer diálogo em território “inimigo”. As forças pró-governamentais iemenitas são apoiadas há sete anos por uma coligação militar liderada pela Arábia Saudita (já os huthis são apoiados pelo Irão). “As partes concordaram em interromper todas as ofensivas militares aéreas, terrestres e marítimas no Iémen e além de suas fronteiras”, explicou Grundberg.

Já depois do início das tréguas, e perante as reações positivas a esta notícia, o enviado da ONU sublinhou que “o sucesso desta iniciativa dependerá do compromisso contínuo das partes beligerantes em implementar o acordo de trégua com as medidas humanitárias que o acompanham”.

Ramadão sem restrições em Meca e Medina

O primeiro dia da trégua coincidiu com o primeiro dia do mês sagrado do Ramadão, que volta a ser comemorado nas duas mesquitas sagradas de Meca e Medina sem constrangimentos maiores, depois de dois anos de pandemia.

Segundo o jornal The Muslim News, os rituais comuns do Ramadão, incluindo itikaf ou devoção isolada e ceias iftar, voltam a ser permitidos, num regresso à normalidade bem recebido por cidadãos e residentes.

A decisão foi anunciada em 22 de março pelo xeque Abdulrahman Al-Sudais, responsável da Presidência Geral para os Assuntos das Duas Mesquitas Sagradas, na sua conta do Twitter @ReasahAlharmain.

O itikaf acontece nos últimos dez dias do Ramadão, quando os fiéis entram em reclusão e dedicam o seu tempo à oração e à leitura do Alcorão. Começa ao pôr do sol do vigésimo dia do Ramadão e termina quando a lua do Eid é avistada. No itikaf, os fiéis vivem e dormem nas mesquitas e só saem para as abluções.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This