Ignorância útil

| 21 Nov 20

Alunos. Racismo. Escola

Alunos da Escola Eça de Queirós (Lisboa) depois de taparem inscrições racistas que apareceram na escola: a disciplina de Cidadania inclui a área de Direitos Humanos. Foto Agrupamento de Escolas Eça de Queirós.

 

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento está nas escolas portuguesas desde 2018. No entanto, foi há cerca de dois meses que se levantou uma grande polémica em relação à obrigatoriedade da mesma, colocando em causa o papel do Estado na educação de matérias da responsabilidade educativa das famílias, tais como a Educação para os Direitos Humanos, a Educação Rodoviária, a Educação para a Igualdade de Género, a Educação Financeira, entre outras.

Analisando a polémica que envolveu a referida disciplina, não consegui detetar nenhum tipo de análise onde a preocupação central fosse o efeito real da introdução da mesma. Pelo contrário, tal como tem sido apanágio da sociedade atual, viu-se sim uma preocupação meramente ideológica, desprovida de factos e repleta de ideias identitárias. Todavia, colocando ideologias de parte e esquecendo dicotomias vazias, deveríamos questionar o real impacto destas disciplinas no sistema de educação português, assim como o seu reflexo na evolução da nossa sociedade a longo prazo. E por fim, questionar também a competência – exclusiva ou não, neste caso – das famílias para educar os jovens portugueses sobre estes temas.

Em 1862, foi publicado na revista Atlantic Monthly o ensaio do escritor Henry David Thoreau, com o título “Caminhada”. Numa das suas passagens, o autor escreve: “aquilo a que chamamos de conhecimento é muitas vezes a nossa real ignorância; e a ignorância, o nosso duvidoso conhecimento”. Apesar de ter sido escrito no século XIX, não posso deixar de contemplar a sua inegável atualidade. Neste ensaio, o escritor americano questionava a nossa falta de pensamento crítico como ferramenta para a evolução do próprio indivíduo, chamando a atenção para a excessiva preocupação com o conhecimento inútil, ou seja, aquele que pode produzir ou gerar lucro, sendo esta noção de conhecimento o ponto de partida para a análise que se segue.

Embora não concorde com a redutora visão de Thoreau face ao conjunto de conhecimentos que ele considera inútil, olhando com uma certa distância para as bases da sociedade contemporânea, podemos observar a disseminação do tal conhecimento “inútil”, como conhecimento único e essencial, contemplando uma total negligência face à “compreensão pela inteligência”. Penso que aqui é possível estabelecer uma analogia entre a noção de conhecimento de Henry David Thoreau e a nossa noção de conhecimento contemporâneo.

Tal como uma fábrica, somos compartimentados em secções de conhecimento ao longo das nossas formações académicas, tornando-nos especialistas de uma área ou de outra, por norma algo com que nem nos identificamos muito, nem sabemos bem porque escolhemos, mas certamente dará emprego. O sistema de educação atual retirou-nos a capacidade de olhar o mundo de uma perspetiva holística, formando cada vez mais jovens com um código de barras estampado no diploma, cheios de perspetivas de nada. Assim, somos apenas seres em modo automático, prontos a entrar na linha de produção. Sem questionar o caminho que escolhemos e que percorremos. Afinal de contas, foi isto que nos ensinaram.

Nesse mesmo ensaio, o autor apela à difusão da “ignorância útil”, referindo-se à abertura de espaço para a contemplação da vida por parte do ser humano. A capacidade de divagar entre pensamentos, o desenvolvimento do seu autoconhecimento, abrindo caminho para a elaboração do seu espírito crítico, que tanta falta tem feito à evolução das massas sociais. E assim, a consequente evolução da nossa sociedade, abrindo espaço para crescermos coletivamente.

Ora, voltando a centrar a nossa atenção em Portugal e nas questões que me trouxeram até aqui, podemos observar que há um claro progresso do ensino superior em Portugal, com cada vez mais jovens a seguir esta via. Esta evolução é, obviamente, positiva para o desenvolvimento do nosso país; no entanto, tal facto tem-se refletido apenas nos conhecimentos técnicos, ou seja, no conhecimento que visa o lucro.

Por outro lado, temos vindo a observar a decadência do pensamento político dos jovens portugueses e uma falta de participação cada vez mais evidente nos diversos movimentos cívicos; ou ainda a decadência das artes, nomeadamente, na área da literatura: de acordo com um estudo do Plano Nacional de Leitura e do ISCTE, em 2019, a maioria dos 7 469 inquiridos, dizia ler menos de 3 livros – por lazer – nos 12 meses anteriores ao inquérito. Concluiu-se nesse mesmo estudo que, quanto mais forte é a relação da família com a leitura, maior é a relação desses mesmos jovens com a mesma. Utilizando o exemplo dos hábitos de leitura dos jovens em Portugal, estarão assim as famílias aptas a usufruir de uma responsabilidade exclusiva, sobre matérias tão fundamentais, na construção dos valores de um jovem? Após a análise destes números, parece-me que essa exclusividade é, no mínimo, duvidosa. E apesar de toda a subjetividade inerente à diversidade das composições familiares por este país fora, parece-me injusto que os jovens que não têm um apoio familiar adequado nestas matérias sejam deixados à sorte de um sistema educativo insuficiente.

Observamos ainda o aumento da desinformação, da competitividade e da ansiedade. Resumindo, um aumento do vazio nos jovens portugueses e um futuro que cada vez lhes diz menos.

Podemos para já concluir que é necessário repensar o nosso sistema educativo, e consequentemente, repensar o nosso futuro. Assim, a introdução da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento deveria ser vista não como uma apropriação indevida de responsabilidades por parte do Estado, mas sim como um instrumento fundamental para a formação de cidadãos capazes de se desenvolver fora das suas competências técnicas, contribuindo com soluções eficazes para todos os problemas sociais e económicos do nosso país, seja com um voto informado, seja com a participação ativa na defesa dos direitos fundamentais mais básicos, seja na compreensão da finalidade e da importância do nosso sistema tributário.

O sistema de educação deve criar mecanismos adequados à formação de cidadãos capazes de pensar o mundo que os rodeia. E, para isso, é preciso que o compreendam. A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento apresenta-se como um bom ponto de partida.

 

Ricardo Guimarães é natural de Braga, onde se formou em Direito, e exerce a sua atividade profissional no Porto.

 

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba novidade

“As lideranças [das aldeias] relatam que, pelos caminhos, estão encontrando muitos corpos já em decomposição e que aconteceram massacres. As acções dos terroristas são violentas, muitas pessoas foram decapitadas, casas queimadas e derrubadas. Esta (…) é a dor de um povo. Gente que continua sem localizar seus familiares. Pessoas que tiveram suas casas queimadas. Muitas pessoas assassinadas. Fala-se de massacres e de 500 mil deslocados. Vidas e vilas destruídas.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Um consistório virtual para os novos cardeais novidade

O Vaticano confirmou nesta terça-feira, 24, que haverá uma plataforma em vídeo para a cerimónia de criação dos novos cardeais, no próximo sábado, para os que não possam estar em Roma fisicamente, garantindo assim as medidas de segurança devido à pandemia. Haverá no máximo 100 pessoas a participar e as visitas de cortesia e abraço da paz entre os novos cardeais ficam cancelados.

Espanha: Milhares protestam contra nova lei da educação “laicista”

Milhares de carros encheram as ruas de diversas cidades espanholas este domingo, 22 de novembro, para protestar contra a nova lei da educação, que passou na passada quinta-feira no Congresso espanhol por apenas um voto. A manifestação foi organizada pela plataforma Más Plurales, que considera que a lei aprovada “desvaloriza o ensino da disciplina de Religião na escola” e constitui uma “agressão à liberdade de consciência, a favor da imposição de uma ideologia laicista imprópria de um Estado não confessional”, conforme pode ler-se no seu manifesto.

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Estado de Nova Iorque processa diocese de Buffalo por encobrimento de abusos sexuais

A procuradora-geral do estado de Nova Iorque, Letitia James, processou esta segunda-feira a diocese de Buffalo e dois dos seus antigos bispos, por terem encoberto mais de 20 padres acusados de cometer abusos sexuais e permitido que os mesmos se reformassem ou fossem transferidos, em vez de terem seguido os procedimentos definidos pela Igreja Católica para estes casos, que os teriam levado a um possível abandono do sacerdócio.

Papa e presidente do Conselho Europeu unidos contra o extremismo religioso

O Papa Francisco e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, falaram ao telefone esta segunda-feira, 23 de novembro, sobre a necessidade de uma “luta contínua contra o ódio religioso e a radicalização”, tendo assinalado como prioridade o “diálogo interconfessional e intercultural”. Discutiram ainda “sobre como abordar a covid-19 de uma perspetiva multilateral, sublinhando as necessidades dos mais vulneráveis”, divulgou Charles Michel na sua conta de Twitter.

Nicarágua: Católicos ajudam vítimas dos furacões “em segredo”, para evitar represálias

A Igreja Católica na Nicarágua organizou no passado domingo, 22 de novembro, uma  recolha de donativos para ajudar as vítimas dos furacões Iota e Eta, que assolaram o país nas últimas semanas. As ajudas foram entregues “em segredo”, por recomendação do cardeal Leopoldo Brenes, arcebispo de Manágua, depois de terem sido conhecidos relatos de ameaças feitas pela Polícia da Nicarágua a alguns fiéis que reuniam apoios para as populações afetadas.

Entre margens

52 ed Orbmevon novidade

Assistimos hoje a uma versão açoriana de uma espécie de 25 de Novembro ao contrário (como no título). Se em 1975 a esquerda antidemocrática tentou tomar o poder pela força, agora é a direita antidemocrática a tentar fazê-lo encavalitada num PSD onde Sá Carneiro já teria muita dificuldade em rever-se.

Um justo chamado Angelo Roncalli

Angelo Roncalli teve um pontificado curto, menos de cinco anos, de 1958 a 1963. Devido à sua idade já avançada e estado de saúde frágil, no momento da sua eleição foi encarado como um Papa de transição. Foi, por isso, com grande surpresa que foi acolhida a notícia da convocação de um concílio ecuménico, o Concílio do Vaticano II, que viria a mudar a vida da Igreja, aproximando-a dos fiéis e reforçando a sua participação litúrgica.

Uma oportunidade para a renovação democrática

Se é importante sublinhar que as identidades pessoais e coletivas configuram convenções socialmente necessárias à convivência, elas constituem, antes de tudo, um desafio e uma tarefa quando reclamam por reconhecimento e justiça no espaço público. No entanto, se exploradas politicamente, dão lugar a expressões de fundamentalismos de vária ordem: muros que separam os “bons” dos “maus”, postos de trabalho para os de “dentro” e não para os de “fora”, entre outros fenómenos conhecidos.

Cultura e artes

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia

O livro bíblico do Apocalipse (ou da Revelação) é uma profecia para tempos de crise e por isso é importante abrir agora as suas “páginas seladas”. Com esse mote, a comunidade católica da Capela do Rato propõe três sessões sobre o último dos livros da Bíblia cristã. Uma conferência de João Duarte Lourenço, uma leitura de Luís Miguel Cintra e um percurso proposto por Emília Nadal através da arte inspirada naquele texto serão as três etapas propostas para este itinerário.

Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro

Os retábulos de Nossa Senhora das Dores e de Santo António (bem como as respectivas esculturas) na nave da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) estão a ser sujeitos a uma operação de conservação e restauro, com o objectivo de melhorar a estabilidade estrutural, valorizar a vertente conservativa e restituir, tanto quanto possível, uma leitura integrada do conjunto.

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco