Setor do vestuário

Igreja asiática deve colocar-se ao lado dos trabalhadores pobres

| 13 Ago 21

Fábrica têxtil com boas condições no Bangladesh, que contrasta com situações laborais iníquas vividas por muitos trabalhadores no país e no continente asiático. Fahad Faisal, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons.

 

A Igreja na Ásia deve unir-se às lutas das pessoas pobres que foram abandonadas pelos governos e pelas grandes empresas internacionais de vestuário, antecipa um articulista de uma agência noticiosa católica asiática, a UCA News.

Num artigo que reflete sobre a crise que a pandemia trouxe ao setor em muitos países do continente, sublinha-se que “a indústria de vestuário com mão-de-obra intensiva na Ásia passou por tempos difíceis, depois de ter sido deixada por marcas e retalhistas internacionais”, proporcionando agora uma oportunidade à Igreja Católica para se colocar ao lado “de mais de 65 milhões de trabalhadores pobres”.

Notando que o Papa Francisco tem tentado desenvolver uma “igreja dos pobres para os pobres” durante seu pontificado, que começou há sete anos, o jornalista Bem Joseph defende que a Igreja asiática deve apontar à “inclusão” e “compaixão” destes “trabalhadores pobres”.

 

“Roma, temos um problema” – e este livro ajuda a entendê-lo

Abusos sexuais na Igreja

“Roma, temos um problema” – e este livro ajuda a entendê-lo novidade

Roma, Temos um Problema pode ser apresentado em quatro partes, assumidas aliás pela organização que o autor lhe dá: um primeiro levantamento histórico; uma segunda parte sobre casos marcantes a nível internacional, incluindo alguns pouco conhecidos; e uma terceira parte sobre os casos portugueses até agora vindos a público. Em síntese, faz-se uma descrição e análise de causas e consequências sobre o que aconteceu em 20 séculos de história do cristianismo (sobretudo ocidental).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma Teofania nos corações humanos

Uma Teofania nos corações humanos novidade

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This