Na África Austral

Igreja avançou com ação coletiva para proteger direitos dos mineiros

| 20 Ago 2023

Nas minas em África, todos trabalham, de todas as idades. Foto © Ninno JackJr / Unsplash

Nas minas em África, todos trabalham, de todas as idades. Foto © Ninno JackJr / Unsplash

 

Devido a graves deficiências na prestação de condições de trabalho nas minas, a Conferência dos Bispos Católicos da África Austral desencadeou uma ação coletiva contra uma empresa mineira global em nome de atuais e antigos mineiros que recorreram à Igreja para obter ajuda, depois de terem contraído doenças pulmonares incuráveis.

A razão pela qual os bispos decidiram envolver-se neste assunto foi explicada pelo cardeal eleito Stephen Brislin, arcebispo da Cidade do Cabo. Segundo explicou, a iniciativa de ajudar os mineiros ficou a dever-se ao facto de os ex-trabalhadores não receberem assistência jurídica dos sindicatos a que pertenciam quando trabalhavam.

Segundo notícia divulgada pela Catholic News Agency (CNA), a ação coletiva foi aberta pela Comissão de Justiça e Paz da Conferência episcopal, que nela acusa a empresa mineira South32 de não ter fornecido aos trabalhadores formação adequada, equipamento e um ambiente de trabalho seguro, procedimentos e proteções exigidos por lei. Pede, por isso, ao tribunal que ordene o pagamento de uma indemnização a esses trabalhadores.

“Os ex-trabalhadores das minas já não estão filiados em sindicatos, o que os torna sem voz e incapazes de exigir justiça social pela doença que contraíram enquanto trabalhavam nas minas”, afirmou o arcebispo.

“Muitas vezes, os trabalhadores não têm meios para recorrer à justiça contra grandes empresas que dispõem de enormes recursos”, acrescentou Brislin. “A Igreja está sempre preocupada com o bem-estar das pessoas com quem trabalhamos e vivemos”.

Assim, diz o eleito cardeal, cabe à Igreja “dar assistência onde pode, para que os direitos dos vulneráveis sejam respeitados e para que possam ter acesso a indemnização que lhes é legalmente devida. Muitas empresas estão disponíveis para resolver estas situações, mas em alguns casos é necessária uma ação judicial”.

De acordo com o pedido, os mineiros de carvão que contraíram doenças depois de trabalharem numa das minas da South32 receberiam pagamentos. Os dependentes dos mineiros de carvão que morreram de doenças originadas pelas poeiras das minas receberão igualmente uma indemnização. O pedido abrange ações desde 12 de março de 1965 até ao presente.

Segundo refere a CNA, a South32 é uma empresa multibilionária de extração de metal, com sede em Perth, Austrália, que opera em seis países. Opera em três locais na África do Sul. A indústria mineira emprega cerca de meio milhão de pessoas na África do Sul e representa cerca de 8 por cento do produto interno bruto do país.

Contactada para comentar a situação, a South32 confirmou à CNA que foi notificada sobre a ação coletiva em nome dos trabalhadores, acrescentando que o assunto “está atualmente a ser analisado pela empresa”.

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba” novidade

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This