Igreja Católica à escuta da Amazónia, “terra que sangra”

| 6 Out 19 | Destaques, Últimas

Amazónia. Foto Tomás Sopas Bandeira e Maria Mouzinho

 

Uma escuta que implica reconhecer a Amazónia como “novo sujeito”, que deve escutar os povos indígenas e o grito dos povos indígenas em favor da “Mãe Terra”, que “tem sangue e está sangrando”, vítima de multinacionais e visões políticas que “cortaram as veias” da região amazónica.

Esta é a visão do documento de trabalho do Sínodo dos Bispos católicos sobre a Amazónia, convocado há dois anos pelo Papa Francisco, que hoje se inicia com uma missa solene, no Vaticano. Um acontecimento que é uma oportunidade histórica de a Igreja Católica se confrontar com sombras do seu passado, diagnosticar muito do seu presente e perspectivar caminhos de futuro. E fazer tudo isto em relação à sua configuração e acção, no diálogo com os povos indígenas, e na defesa económica, social e cultural das mesmas comunidades, ameaçadas por poderes políticos, financeiros e industriais poderosíssimos.

A capacidade de intervenção do catolicismo no mundo contemporâneo joga-se também em vários fios de navalha que o Sínodo traduz e que irá debater a partir de amanhã, depois da abertura solene com a missa desta manhã de domingo, em São Pedro do Vaticano.

 

Um “ecologismo pagão e panteísta”?

No documento que os 185 bispos participantes debaterão nos primeiros dias, escreve-se que o sínodo é “uma grande oportunidade” para a Igreja descobrir “a presença encarnada e activa de Deus” nas manifestações da criação, na espiritualidade indígena, nas organizações populares e na proposta de uma economia produtiva, sustentável e solidária que respeite a natureza.

Este parágrafo (33) do Instrumentum laboris – a designação latina do documento – resume bem algumas das grandes questões com que o catolicismo se vê confrontado: a Igreja tem de assumir um rosto indígena, como se insiste em diversas ocasiões ao longo do texto. Quer dizer, o protagonismo da sua missão deve ser dado em primeiro lugar aos autóctones, sem desfigurar a mensagem, mas convertendo estruturas, mentalidades e modos de agir da instituição, aproximando-os das populações locais. O anúncio do evangelho deve ser feito pelos povos amazónicos, a partir de dentro, e não apenas por missionários que chegam de fora, insiste também o texto.

Não por acaso, o Papa presidiu sexta-feira a uma pequena cerimónia nos jardins do Vaticano, de plantação de uma árvore que, vinda de Assis, assinalou o dia de São Francisco e como que pré-inaugurou a assembleia sinodal e na qual os indígenas presentes cantaram e rezaram nas suas línguas. Logo várias publicações conhecidas pela sua oposição ao pontificado de Francisco denunciaram o que consideram uma confusão entre o “amor da criação” e o “ecologismo pagão e panteísta”.

Não é esta uma questão de somenos: há sectores católicos que continuam a considerar qualquer aproximação nas linguagens ou modos de fazer como uma abdicação de princípios “inegociáveis”.

 

Mulheres e ordenação de homens casados

Neste campo, entram as duas questões mais mediáticas do Instrumentum laboris: a eventual ordenação de homens casados e a atribuição de maiores responsabilidades às mulheres no interior da estrutura eclesial – ambas integram um vasto conjunto de propostas no parágrafo 129.

A possibilidade de ordenar homens casados, oriundos das próprias comunidades, é uma medida defendida por muitos grupos católicos; mas também tem havido quem chama a atenção para o facto de, em muitas comunidades, não haver um sentido de casamento como o que a Igreja defende – o que tornaria a medida não muito eficaz.

Já quanto ao papel das mulheres, o documento diz que “elas pedem para recuperar o espaço que Jesus reservou às mulheres”. Uma ideia que segue a estratégia de Francisco: habituar as pessoas a ver mulheres em lugares de responsabilidade de modo a que se seja natural que, um dia, a comunidade católica aceite como natural o alargamento do ministério de presbítero (sacerdotal) às mulheres.

 

A Mãe Terra que sangra

A Amazónia é, neste momento (e desde há muito, como denunciam grupos cristãos e civis) uma terra

que sangra. O documento (147 parágrafos em meia centena de páginas, que pode ser lido no sítio do Vaticano na internet) é prolixo a denunciar crimes humanos, ambientais, ecológicos, económicos e políticos de que a Amazónia está a ser vítima – sempre sustentado em números e factos.

Surgem assim como naturais as propostas do Instrumentum laboris: reconhecimento de um passado eclesiástico muitas vezes conivente com estruturas opressoras, e assunção da ideia de que o território e as pessoas da Amazónia são um “lugar teológico” –traduzido da linguagem católica, são os primeiros protagonistas da salvação que o cristianismo propõe.

Ser uma voz profética, de contra-poder contra as injustiças e a dinâmica destruidora, em defesa de uma ecologia integral, que implica as pessoas e o ecossistema e apresentando uma proposta de esperança – numa curtíssima síntese, esta é a visão do documento. Dia 27, no final do Sínodo, se verá como assumirá a Igreja este rosto amazónico.

(Este texto foi também publicado na edição deste domingo no jornal Público)

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco