Protestos multiplicam-se na Ásia

Igreja Católica contra descargas de água radioativa de Fukushima

| 28 Ago 2023

Tanque de água tratada na Central Nuclear de Fukushima. Foto 資源エネルギー庁, via Wikimedia Commons.

Tanque de água tratada na Central Nuclear de Fukushima. Foto © 資源エネルギー庁, via Wikimedia Commons.

 

A Comissão para o Meio Ambiente e Ecologia e a Comissão de Justiça e Paz da Conferência Episcopal Católica da Coreia do Sul, juntamente com 42 outras organizações diocesanas de todo o país, reafirmaram a sua “firme oposição” à escolha do governo japonês de despejar mais de um milhão de toneladas de água radioativa no Oceano Pacífico – processo iniciado na passada quinta-feira, 24 de agosto.

Já em 2021, os bispos coreanos e japoneses haviam publicado uma declaração conjunta na qual se manifestavam contra as descargas de água da central de Fukushima no mar.

Com base nas convicções de alguns cientistas e académicos, os grupos católicos rejeitam a afirmação do governo japonês segundo a qual “a contaminação causada pelo despejo radioativo é segura”, refere o Vatican News.

O novo comunicado das organizações católicas cita um documento intitulado “Relatório de Análise sobre a Contaminação Radioativa de Produtos Agrícolas e Pecuários Japoneses”, divulgado pelo Centro de Monitorização de Radiação Cidadã e pela Federação Coreana para Movimentos Ambientais em abril de 2023. De acordo com esse relatório, foi encontrada uma ampla gama de contaminações radioativas em produtos alimentares: 5,3% de produtos marinhos, 21,1% de produtos agrícolas e 2,6% de produtos de origem animal. Estes dados, afirma o comunicado, levam à adoção de um princípio de prudência e cautela para com a saúde humana e para com o ecossistema.

Também a Cáritas Filipinas condenou a decisão do governo japonês, considerando que os despejos prejudicarão a natureza e a população. “A decisão é uma aposta imprudente em relação à saúde e bem-estar das pessoas e do meio ambiente”, afirmou o bispo José Colin Bagaforo, presidente daquela instituição. “Apelamos ao governo japonês para que reconsidere a sua decisão e encontre uma forma segura e responsável de eliminar a água contaminada”, acrescentou o responsável, citado pelo jornal Manila Times.

Na capital sul-coreana, Seul – cidade que acolherá a Jornada Mundial da Juventude em 2027 -, dezenas de milhares de pessoas têm protestado contra as descargas de água no Pacífico. Só na tarde de sábado, 26, foram cerca de 50 mil pessoas nas ruas, mostra a agência Reuters. Os manifestantes condenam a atitude “irresponsável” do Governo sul-coreano, que deixou o Japão “fazer o que quisesse”, falam de um crime contra a humanidade e defendem que o Japão deve ser processado perante o Tribunal Internacional para o Direito do Mar.

O Japão assegurou este domingo, 27, que a radioatividade detectada em testes à água do mar em redor da central nuclear de Fukushima está abaixo dos limites permitidos pela Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), que aprovou e tem estado a supervisionar todo o processo.

 

Judeus da Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo

Estudo revela

Judeus da Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo novidade

O mais recente relatório da Agência da União Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA) não deixa margem para dúvidas: o antissemitismo cresceu nos últimos cinco anos e disparou para níveis sem precedentes desde o passado mês de outubro, o que faz com que os judeus a residir na Europa temam pela sua segurança e se sintam muitas vezes obrigados a esconder a sua identidade judaica.

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras

Contra a obrigação de repetir denúncias

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras novidade

Vários sobreviventes de abusos sexuais no seio da Igreja Católica expressaram, junto da presidência da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), o seu descontentamento quanto ao “método a utilizar para realizar as compensações financeiras”, dado que este obriga todas as vítimas que pretendam obtê-las a repetirem a denúncia que já haviam feito anteriormente.

Cuidar do outro com humanidade

Cuidar do outro com humanidade novidade

A geração nascida em meados do século passado foi ensinada a respeitar os mais velhos, a escutá-los e seguir os seus ensinamentos, dada a sua condição de anciãos e, por tal, sabedores daquilo que é melhor para a família, para cada comunidade e para a sociedade em geral. Era assim que se preparavam as novas gerações para aprenderem a respeitar o outro, os seus pais, irmãos e avós, cuidando deles e uns dos outros, desde a nascença até à morte. [Texto de Caseiro Marques]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This