Bispos reestruturam conferência episcopal

Igreja Católica de França terá assembleia sinodal cada três anos

| 31 Mar 2023

Conferência dos Bispos de França,

Conferência de imprensa final da assembleia: os bispos abriram as portas à mudança. Foto: Direitos reservados

 

Os bispos franceses anunciaram esta sexta-feira um vasto conjunto de iniciativas e linhas de ação com vista a combater os abusos sexuais na Igreja. Ano e meio depois da apresentação do relatório da Comissão Independente sobre abusos sexuais (CIASE), os bispos quiseram fazer isso em conjunto com todos os setores da Igreja Católica do país e abriram a assembleia da Conferência Episcopal (CEF) à participação de representantes dos fieis, incluindo no seu conselho permanente. Uma assembleia sinodal realizar-se-á de três em três anos, em torno de matérias relevantes para a vida da Igreja e da sociedade.

Para dar desde já o exemplo, os bispos convidaram para esta assembleia plenária de primavera os nove grupos de trabalho que se debruçaram sobre áreas críticas para a construção de uma cultura de transparência, segurança e participação na Igreja. Esses grupos eram presididos por leigos e incluíam todos eles pelo menos um bispo e uma pessoa vítima de abusos. As mesas redondas organizadas em três momentos da semana permitiram ao conjunto dos bispos escutarem e debaterem perto de 60 propostas que lhes foram apresentadas.

Na conferência de imprensa realizada no final dos quatro dias de trabalho, o presidente da CEF, o bispo Eric de Moulins-Beaufort, aludiu à “serenidade discreta”, mas “real e percetível” que caraterizou os trabalhos. Assumiu que esses tempos foram fundamentais, já que permitiram esclarecer mal-entendidos, avaliar as forças necessárias à sua concretização, constatar divergências, fundamentar melhor alguns pontos, sempre com o objetivo de que o serviço da Igreja “seja libertado do peso da violência e da agressão sexual e mais capaz de proclamar a incrível e avassaladora notícia da Ressurreição”.

 

Em busca de uma “mudança de cultura”

Éric de Moulins-Beaufort em conferencia de imprensa durante assempbleia da CBF, a 7 nov 2022, print de video

Éric de Moulins-Beaufort: “Vale sempre a pena arranjar tempo para nos esclarecermos uns aos outros.” Foto: Direitos reservados.

 

“Vale sempre a pena arranjar tempo para nos esclarecermos uns aos outros. (…) As preocupações de uns, as dúvidas de outros, os entusiasmos de terceiros, compõem e alimentam a reflexão de cada um”, congratulou-se o bispo Moulins-Beaufort.

O episcopado francês entendeu que várias das propostas recebidas já tinham começado a ser executadas e várias outras relativas a mais de metade dos grupos de trabalho ganhariam em ser concretizadas pelas estruturas e conselhos especializados da CEF, uma vez assumidas pelos bispos. Assim, as relativas à formação dos futuros presbíteros serão trabalhadas nos seminários; as que dizem respeito à vida e exercício do ministério dos padres serão apresentadas aos conselhos presbiterais; outras que dizem respeito ao apoio e acompanhamento das vítimas serão trabalhadas nos grupos de contacto das dioceses.

Para os bispos é fundamental alargar o leque dos agentes de pastoral envolvidos no processo de refazer aquilo que designam por uma “mudança de cultura”, que é muito mais do que mera “mudança de procedimentos”, afirmam.

Os próprios prelados foram objeto de um grupo de trabalho, presidido por uma mulher leiga, que estudou a melhoria das condições do exercício do ministério episcopal. Entre as medidas que, a este nível, foram aceites, encontra-se a “visita fraterna” e regular que cada bispo receberá e que será realizada por um outro bispo e um leigo. Por outro lado, cada bispo estudará com o seu conselho presbiteral o melhor modo de garantir que cada um dos presbíteros que tem incardinados na sua diocese possa ter um encontro pessoal regular consigo. Foi também reforçada a atenção à formação dos bispos, quer a inicial, nos primeiros cinco anos, quer a formação contínua.

De igual modo, os bispos abriram-se à inclusão de fiéis leigos nos conselhos episcopais. Estes órgãos que, segundo foi referido na conferência de imprensa, não são de existência obrigatória à luz do atual Código de Direito Canónico, serão postos em funcionamento em todas as dioceses, nos novos moldes agora aprovados.

 

O que os bispos recusaram

Bispos franceses reunidos numa celebração. Foto retirada do site oficial da Conferência Episcopal Francesa.

Bispos franceses reunidos numa celebração: houve propostas que o episcopado recusou. Foto reproduzida da página oficial da Conferência Episcopal Francesa.

 

Houve propostas que os bispos não aprovaram. A que instituía a criação de um secretário-geral diocesano, homem ou mulher, cargo dotado de uma mais ampla delegação de competências não foi aceite quer porque há dioceses que já a estão a praticar ou a planear quer porque as dioceses não se encontram em situações comparáveis. O avançar de algumas experiências permitirá, por outro lado, avaliar os benefícios e ajustamentos necessários.

Uma outra proposta recusada sugeria aos bispos que diligenciassem junto da Nunciatura Apostólica para que fosse respeitado um prazo de 48 horas entre o pedido de nomeação de um padre para o episcopado e a sua aceitação, a fim de permitir um espaço para discernimento; na mesma linha, que a nomeação de um novo bispo estivesse publicada durante 48 horas para se tornar efetiva, de modo a permitir que quem tivesse algum motivo de grave impedimento o apresentasse. No primeiro caso, os bispos franceses não quiseram condicionar o núncio; no segundo temeram que um tal prazo suscitasse a delação e comprometesse a dignidade pessoal do indigitado. É a cultura da responsabilidade que deve ser seguida, disse a assembleia episcopal.

A Conferência dos Bispos de França decidiu, nesta assembleia plenária, consagrar algumas alterações significativas ao seu funcionamento – por um lado, para a tornar mais flexível na capacidade de resposta; por outro, para enfrentar as implicações orçamentais do novo modelo. Algumas delas já vinham a ser pontualmente concretizadas, como seja a participação sistemática de fiéis leigos na CEF, incluindo no seu conselho permanente.

Estruturalmente, a reforma aprovada passa por pôr fim às tradicionais comissões, as quais serão substituídas por uma organização em três polos missionários (Anúncio da Fé; Diálogo, Solidariedade e Bem Comum; e Atores da Igreja) e três polos de apoio (Assuntos Temporais; Comunicação; e Assuntos Institucionais e Internacionais). Cada polo será animado por uma instância de orientação e acompanhamento, composta por um bispo eleito pela assembleia, um secretário-geral adjunto coordenador, cinco bispos incluindo um ou dois membros do conselho permanente e cinco pessoas de diferentes estados de vida.

 

Estilo sinodal e inovações

Presépio em Marcel Callo (Flers, França) alusivo ao Sínodo: uma assembleia de estilo sinodal”, de três em três anos, é uma das inovações agora decididas. Foto: Direitos reservados.

 

O que talvez seja mais inovador é o modo de funcionamento multiforme destes polos: poderão funcionar com base em equipas nacionais que lideram uma rede, observatórios internos à Conferência ou confiados a uma instituição académica, grupos de trabalho.

Aquela que é talvez uma das mais significativas das medidas adotadas é a proposta de “uma assembleia plenária de estilo sinodal”, a realizar de três em três anos. Os bispos não só acolheram a ideia como a enriqueceram, especificando como será escolhido o tema e como será preparada cada uma das assembleias sinodais. Não será propriamente um sínodo, no sentido rigoroso e canónico do conceito, mas um processo mais em sintonia com a sinodalidade preconizada por Francisco.

Esta assembleia trienal terá um comité de preparação formado por bispos e outros fiéis e as votações, a existirem, terão caráter consultivo, podendo ocorrer no plano geral (todos os participantes) ou por colégios (diferentes qualidades dos membros). Porém, os bispos entenderam recusar a sugestão, vinda do grupo de trabalho, de os leigos, religiosos/as, padres ou diáconos terem um mandato com caráter estável. Mas não fecharam completamente a porta à ideia, admitindo reexaminar o assunto mais tarde.

Uma consequência destas mudanças vai refletir-se na composição do conselho permanente dos bispos. A lógica deixa de assentar na dimensão das dioceses e na idade dos prelados, para passar a basear-se na representação das 16 províncias eclesiásticas e nos responsáveis dos polos.

Estas medidas, relativas à reestruturação da Conferência Episcopal, terão agora de ser submetidas à Santa Sé e só poderão entrar em funcionamento depois de obtido o recognitio (aprovação), passo que o presidente da CEF calcula poder prolongar-se por todo o ano de 2024.

Resta saber a avaliação que farão os leigos dos resultados a que a assembleia plenária do episcopado chegou e que se traduziram em medidas sobre o ministério dos bispos e sobre a reestruturação da CEF, e, em grande parte dos casos,  no passar a aplicação das medidas para outras instâncias, nacionais ou diocesanas.

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This