Igreja Católica: e agora?

| 20 Fev 2023

apresentacao relatorio final comissao abuso sexuais de crianças na igreja foto clara raimundo

Apresentação do relatório na Fundação Gulbenkian: “A Comissão vai mais longe: “a uma cultura de reconhecimento inequívoco da existência de abusos sexuais de crianças no interior da Igreja Católica portuguesa, só pode corresponder uma atitude e uma prática que recusem a ocultação ou o encobrimento dos factos. Foto © Clara Raimundo

 

“E agora?”, esta é a grande pergunta desde que foi apresentado o Relatório Final (RF) da Comissão Independente (CI) para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa.

No Relatório são feitas várias recomendações (cfr. RF, p. 447-460): a Igreja dirigir às vítimas um “pedido de perdão” e assegurar-lhes apoio psicológico ou psiquiátrico; criar uma nova comissão pluridisciplinar, com maioria de membros externos à Igreja, para continuar a receber as denúncias de abusos; garantir o seguimento em psiquiatria dos alegados abusadores; e alargar o prazo de prescrição destes crimes, até a alegada vítima ter 30 anos de idade. O Relatório também afirma que, dada a natureza pública dos crimes sexuais contra crianças, impende sobre a Igreja o dever moral e cívico de os participar ao Ministério Público, independentemente dos seus procedimentos internos (cfr. RF, p. 450).

A Comissão vai mais longe: “a uma cultura de reconhecimento inequívoco da existência de abusos sexuais de crianças no interior da Igreja Católica portuguesa, só pode corresponder uma atitude e uma prática que recusem a ocultação ou o encobrimento dos factos (…). Do mesmo modo, não pode deixar de ser recomendada a recusa definitiva de um movimento de negação da ocultação anterior que, a subsistir, transformaria, a partir daqui, os «problemas» detetados «no» seio da Igreja em problemas estruturais, afinal, próprios «da» Igreja” (cfr. RF, p. 454-455).

Faltam as palavras para agradecer a coragem das pessoas que se disponibilizaram a expor-se perante a Comissão, dando testemunho como vítimas de abuso sexual em criança na Igreja Católica portuguesa. Uma mensagem de apreço aos membros da Comissão pelo seu trabalho extraordinário e pelo precioso contributo que deram ao revelar “a ponta de vários icebergs” (cfr. RF, p. 447). Uma última palavra para a Conferência Episcopal Portuguesa, por finalmente ter acedido a criar esta Comissão Independente.

Os abusos testemunhados à Comissão referem-se ao período 1950-2022 e a Igreja não pode ignorar que, em 77% dos casos, os alegados agressores eram padres no momento em que ocorreram os abusos. Se a estes adicionarmos religiosos(as) e seminaristas, o valor sobe para 85,8% (cfr. RF, p. 203-204).

Outros dados, menos sublinhados, indicam que do total de casos registados de “primeiro abuso” sexual a criança, 11,6% tiveram lugar já neste século XXI (2001-2022). Na verdade, mais de 56 testemunhos respeitam aos últimos 22 anos e 25 referem-se a crianças que já nasceram entre 2001 e 2016 (cfr. RF, p. 9-12). Pior, estes números estão longe de retratar a realidade atual, visto que a Comissão estima que a esmagadora maioria das crianças só revela o abuso, em média, mais de 10 anos depois dos factos (cfr. RF, p. 175). Em suma, a dura realidade é que o abuso sexual a crianças na Igreja Católica portuguesa não é apenas uma mácula do passado, é também uma realidade negra do presente. Acresce que, segundo a Comissão, “muitas” das pessoas referenciadas como abusadoras estão ainda hoje em atividade eclesiástica na Igreja Católica portuguesa (cfr. RF, p. 447).

 

Voltemos, então, à pergunta: e agora?

 abusos, foto c doidam10 (1)“Chegou finalmente a hora de “tirar a cabeça da areia”, parar e fazer silêncio interior para que o Espírito Santo tenha a oportunidade de fazer o seu papel de iluminar o caminho.” Foto © DR 

 

Se a opção for manter ou simplesmente maquilhar os procedimentos do passado, a realidade não se alterará. Sem dúvida, é indispensável implementar as recomendações da Comissão para atender ao sofrimento das vítimas e sancionar abusos passados, mas isso não será suficiente para atacar as causas do problema, que estão para lá das competências da Comissão. É importante começar por reconhecer que a situação a que chegámos tem raízes profundas na vida e na estrutura da Igreja Católica, está cristalizada pelo tempo e não se circunscreve às fronteiras nacionais. Estes problemas perduram na Igreja independentemente das geografias e dos contextos socio-económicos, políticos, culturais, familiares e religiosos. E é insustentável!

É necessária uma verdadeira “pedrada no charco”!

Chegou finalmente a hora de “tirar a cabeça da areia”, parar e fazer silêncio interior para que o Espírito Santo tenha a oportunidade de fazer o seu papel de iluminar o caminho. Aproveitar para ver a realidade (esta e todas as outras) de forma objectiva, com humildade e verdade, recusando os filtros de leitura que têm contribuído para a desfocar e distorcer.

Depois, importa julgar a Igreja que somos, sem pré-conceitos, num exercício que dê verdadeiramente voz ao povo de Deus – e não sempre aos mesmos. No seguimento do Concílio Vaticano II, o Papa Francisco tem dado um novo impulso a uma ampla dinâmica de participação, aberta a todos, propondo um caminho sinodal. Esta participação alargada e diversificada devia marcar o dia a dia da vida da Igreja, e ainda mais em momentos como este. Uma participação que deve ser verdadeiramente comunitária, aberta e inclusiva das periferias, de fora para dentro.

Este caminho participado só será frutuoso e revitalizador se feito com o coração aberto para compreender os outros e estar disponível para acolher leituras e sugestões distintas, ouvir críticas e até opiniões controversas. Passa, ainda, por a Igreja criar mecanismos concretos para o exercício, há muito adiado, de uma verdadeira e total corresponsabilidade, através da participação efetiva dos leigos nas tomadas de decisão sobre a vida e o governo da Igreja, bem como sobre as suas opções pastorais.

Só um movimento de abertura à participação e uma atitude de disponibilidade para a acolher permitirá que a Igreja Católica, em comunidade, e à luz do Evangelho e da mensagem original de Jesus Cristo, proceda ao discernimento que conduza, finalmente, à reforma profunda de que tanto precisa para tocar o coração das pessoas.

Aproveitemos a extraordinária oportunidade do caminho que estamos a percorrer com o Papa Francisco, no âmbito do Sínodo “Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”, para dar passos concretos, visíveis aos olhos de todos, que façam a diferença na vida das pessoas e nos seus diversificados caminhos com Cristo.

A Igreja Católica portuguesa tem, e agora ainda mais, o dever de dar um contributo para a reforma necessária, levando ao Sínodo, com clareza e verdade, as principais preocupações dos católicos portugueses que a própria Conferência Episcopal Portuguesa resumiu no Relatório de Portugal ao Sínodo 2021-2023 (cfr. Relatório de Portugal ao Sínodo 2021-2023).

Agora, é tempo de agir, assim a Igreja se queira renovar.

 

Ana Bessa é católica e foi directora do Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil do Patriarcado de Lisboa (1983-1986).

 

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira novidade

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Estudo apresentado dia 27

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This