Alemanha

Igreja Católica participa pela primeira vez no festival do orgulho gay de Colónia

| 5 Jul 2024

A equipa do decanato da cidade de Colónia que irá participar na ColognePride. Foto Thomas Gruner

O deão da Catedral de Colónia, Robert Kleine, acompanhado das drag queens Cassy Carrington e Ken Reise e da psicóloga do centro de escuta da diocese, Annelie Brack, que irão participar na ColognePride deste ano. Foto © Thomas Gruner

A Igreja Católica estará oficialmente representada, pela primeira vez, no conhecido festival do orgulho gay ColognePride, que arranca este sábado, 6 de julho, e decorre até dia 21 na cidade alemã de Colónia. O anúncio foi feito pelo deão da Catedral de Colónia, Robert Kleine, que será orador numa das palestras que integram o programa do festival, com o sugestivo título “Deus vai ao encontro dos gays”.

“Como Igreja Católica em Colónia, queremos contribuir para uma Igreja acolhedora, aberta e diversificada. É por isso que participamos ativamente no ColognePride pela primeira vez este ano”, pode ler-se no sítio oficial do decanato da Cidade Católica de Colónia.

O festival, que começou a ser celebrado na década de 1980, reúne anualmente em Colónia mais de um milhão de pessoas, que ali se deslocam para participar naquela que é “a maior parada de orgulho gay da Europa”, bem como nas centenas de atividades de defesa dos direitos das pessoas LGBTQI+ espalhadas por diversos pontos da cidade.

A edição deste ano tem como lema “Pelos direitos humanos. Muitos. Juntos. Fortes!”. Lema esse que Robert Kleine considera dever ser partilhado por todos os cristãos. “Cada pessoa deveria ser capaz de viver com a sua própria identidade e experimentar a felicidade que Deus deseja para nós como humanos. Estou firmemente convencido disso”, afirma o prelado, citado no portal católico. “É por isso que a Igreja deve estar aberta a pessoas de todas as orientações sexuais e identidades de género. Deus ama cada pessoa incondicionalmente porque ele mesmo é amor”, insiste.

A participação da Igreja no Cologne Pride acontecerá em dois momentos distintos: o primeiro, no dia 17 de julho, incluirá a exibição do filme The Prodigal Son (Boy Erased) – que conta a a história autobiográfica do autor e ativista LGBTQI+ norte-americano Garrard Conley, filho de um pastor batista de uma pequena cidade nos EUA e de uma dona de casa, que foi persuadido pelos seus pais a participar num programa de “conversão” dirigido pela organização cristã Love in Action – à qual se seguirá a palestra “Deus vai ao encontro dos gays”, onde o deão da Catedral de Colónia será um dos oradores, assim como a psicóloga do centro de escuta da diocese, Annelie Bracke. A moderação ficará a cargo de Cassy Carrington, uma drag queen que se assume como católica.

O segundo momento será no dia 19 de julho e será protagonizado pelo Coro Juvenil St. Stephan, que além de interpretar música sacra, também inclui no seu repertório canções dos Queen ou de John Miles. Neste concerto, os jovens cantores far-se-ão acompanhar de outra drag queen, Julie Voyage (Ken Reise), que pisou o palco pela primeira vez quando ainda era criança, precisamente com este coro.

“Católico e queer – isso não é possível!?”, questiona o deão da Catedral de Colónia. A resposta pretende dá-la com a sua participação, em representação da Igreja, neste festival.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica?

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica? novidade

Na música, um dos ministérios mais estruturantes da liturgia católica, este paradigma mantém-se, embora com nuances particulares: salvo algumas (felizmente, cada vez mais) exceções, o ministério do canto, domingo a domingo, é, em Portugal, sustentado maioritariamente por mulheres e a regência dos coros é, preferencialmente, entregue a homens

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This