Igreja Católica publica “manual de instruções” para acompanhar denúncias de pedofilia

| 17 Jul 20

Cópia de Secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, o arcebispo Giacomo Morandi, Foto Vatican News

O arcebispo Giacomo Morandi, secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, considera que este é mais um passo para estagnar o fenómeno da pedofilia na Igreja. Foto © Vatican News

 

A Congregação para a Doutrina da Fé publicou um “manual de instruções” dirigido aos responsáveis por acompanhar os casos de acusação de abuso sexual de menores por membros do clero. O texto, divulgado esta quinta-feira, 16 de julho, é apresentado como um vademecum e não traz nenhuma novidade em relação às normas que já se encontravam vigentes.

“Não é um texto normativo, mas um instrumento à disposição dos bispos, dos superiores religiosos, dos tribunais eclesiásticos, dos profissionais do direito e também dos responsáveis pelos centros de escuta criados pelas conferências episcopais. Na complexidade das normas e práticas, este guia gostaria de indicar um caminho e ajudar a não que não se percam”, explica o secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, o arcebispo Giacomo Morandi, entrevistado pelo Vatican News.

Ao longo deste manual de 30 páginas, o procedimento a seguir é descrito pela primeira vez “de modo organizado, desde [que surge] a primeira notícia de um possível crime até a conclusão definitiva do caso, unindo as normas existentes e a prática da Congregação”, refere Morandi.

O que configura um crime, como se dá a investigação preliminar, quais os possíveis procedimentos penais, são algumas das perguntas às quais o documento dá resposta de modo preciso, com referências aos códigos vigentes, ao motu proprio Sacramentorum Sanctitatis Tutela de João Paulo II, de 2001, atualizado por Bento XVI em 2010, e ao mais recente motu proprio Vos estis lux mundipublicado em 2019 pelo Papa Francisco.

O documento foca-se em particular nas vítimas e na importância da sua proteção e na exigência de verificar “toda e qualquer informação recebida sobre um presumível caso de abuso”, mesmo que a fonte seja anónima ou que não tenha havido uma denúncia formal.

Durante a investigação, recomenda-se que seja evitada a transferência do religioso envolvido, e “mesmo na ausência de uma obrigação normativa explícita”, as autoridades eclesiásticas são aconselhadas a apresentar queixa às autoridades civis competentes “sempre que considerarem que isso seja indispensável para proteger a pessoa ofendida ou outros menores do perigo de novos atos criminosos”.

Para o arcebispo Morandi, este é mais um passo no “caminho da verdade e da justiça”. “Estou convencido (e todos nós esperamos que sim) de que o fenómeno que vemos hoje [de pedofilia na Igreja] pode estagnar-se”, afirma. Mas, para isso, será necessária uma “formação adequada, um discernimento cuidadoso, uma prevenção serena, mas decisiva”, conclui.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Antigo engenheiro militar sucede a Barbarin como arcebispo de Lyon

O Papa nomeou esta quinta-feira, 22 de outubro, Olivier de Germay, até agora bispo de Ajaccio (na Córsega), como novo arcebispo de Lyon. Está assim encontrado o sucessor do cardeal Philippe Barbarin, cuja renúncia tinha sido aceite por Francisco em março deste ano. 

Declarações do Papa sobre homossexuais “não afetam a doutrina da Igreja”, dizem bispos portugueses

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) considera que as declarações do Papa sobre a proteção legal a uniões de pessoas do mesmo sexo “não afetam a doutrina da Igreja” sobre o matrimónio. Em nota enviada à agência Ecclesia esta quarta-feira, 22, os bispos portugueses sublinham que as afirmações de Francisco contidas no novo documentário “Francesco” já eram conhecidas anteriormente e “revelam a atenção constante do Papa às necessidades reais da vida concreta das pessoas”.

Índia: Bispos fazem greve de fome em defesa das escolas cristãs

Três bispos católicos fizeram greve de fome na passada terça-feira, 20 de outubro, diante da Secretaria de Estado de Kerala (um dos 28 estados indianos), para reivindicar o cumprimento dos direitos constitucionais das escolas cristãs no país, divulgou a UCA News.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Entre margens

… E as Cuidadoras? novidade

Durante o confinamento reli um livro de que muito gosto, “Passagens” de Teolinda Gersão, que ganhou o Prémio Fernando Namora em 2015. Trata-se de uma obra escrita a várias vozes, tomando como ponto de partida uma senhora idosa (Srª D. Ana, ex-farmacêutica) que morre durante o sono no lar onde residia. Ao longo do livro várias “falas” se fazem ouvir à sua volta, enquanto repousa no caixão na capela do lar.

A pena de morte na visão de Francisco: clareza e inspiração

Em boa hora este documento. Custa acreditar que a Igreja Católica, na sua representação máxima, tenha demorado 20 séculos após o nascimento do fundador do cristianismo – que foi vítima de pena de morte – a tomar posição inequívoca e final sobre o tema. Outros antecessores falaram sobre este assunto, Francisco encerra-o.

Ter ou ‘Bem Viver’?

“Todos nós, seres humanos, nascemos nesta terra com a mesma dignidade (…). Se alguém não tem o necessário para viver com dignidade, é porque outrem se está a apropriar do que lhe é devido.” Na encíclica Fratelli Tutti (“Todos irmãos”), caída ao húmus do mundo no início do outono, o papa Francisco desfaz o estuque do grande pilar do capitalismo e da grande ilusão do ocidente: a propriedade privada. E propõe: e se à ideia de propriedade sobrepuséssemos a de solidariedade?

Cultura e artes

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Não ter medo da covid

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco