Myanmar

Igreja centenária de lusodescendentes destruída pelo exército

| 18 Jan 2023

destruicao da Igreja de Nossa Senhora da Assunção no vilarejo de Chan-tha-ywa, foto direitos reservados

Antes de atearam fogo à Igreja de Nossa Senhora da Assunção, no vilarejo de Chan-tha-ywa, “os soldados ultrajaram o local, bebendo e fumando lá dentro”. Foto: Direitos reservados.

 

A histórica Igreja de Nossa Senhora da Assunção, erguida em 1894 no vilarejo de Chan-tha-ywa, onde vive uma comunidade católica descendente de portugueses, os bayingyis, “foi totalmente incendiada e destruída no dia 14 de janeiro, por soldados da junta militar que governa Myanmar”, noticiou esta quarta-feira, 18, a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS).

Antes de atearam fogo, “os soldados ultrajaram o local, bebendo e fumando lá dentro” refere o Vatican News, que acrescenta: “Na região, convivem há séculos, em harmonia, os católicos e budistas. No ano passado, a aldeia foi atacada quatro vezes pelas milícias, sem nenhum anterior confronto ou provocação” que justificasse tais ataques. Como o 7MARGENS noticiou, parte do armamento das tropas da junta militar é produzido com componentes fornecidas por países europeus.

Joaquim Magalhães de Castro, diretor-geral para a região Ásia Pacífico da Associação Internacional de Lusodescendentes, lamentou, em conversa telefónica com a Fundação AIS, o “ato bábaro” bem como “o silêncio” das autoridades portuguesas: “Aqui, em Portugal, continua o silêncio, apesar de todos os ataques, das destruições das colheitas e das casas. Portugal continua a ignorar e, mais grave ainda, continua a não reconhecer a existência desta comunidade, apesar de historicamente isso estar mais do que comprovado.”

Face à gravidade da situação, Joaquim Castro garantiu que a associação iria fazer todos os possíveis para “levar o assunto ao Parlamento” e avaliar como proteger os católicos bayingyis, os quais são descendentes de combatentes portugueses que entre os séculos XVI e XVII estiveram ao serviço dos monarcas birmaneses.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This