Bispo revela

Igreja da Nigéria gasta milhares para resgatar padres e seminaristas raptados

| 6 Nov 2023

Bispo Matthew Hassa Kukah, Nigéria. Foto TWITTERFoursquare Gospel Church @Bola Oguntade

O bispo Matthew Hassa Kukah, 71 anos, lamentou a falta de apoio para lidar com a situação na região em apuros. Foto © Foursquare Gospel Church/@Bola Oguntade.

 

O aumento da violência na Nigéria, com cada vez mais gangues a realizar sequestros, muitas vezes visando padres, seminaristas e leigos com funções pastorais, está a “empobrecer” ainda mais a Igreja no país, que só na zona norte gastou recentemente mais de 30 milhões de nairas (cerca de 35 mil euros) em resgates.

A revelação foi feita pelo bispo Matthew Hassan Kukah, numa entrevista dada na semana passada à ACI África. “Muitas coisas aconteceram conosco em Sokoto [estado do noroeste do país]. Tivemos as nossas igrejas incendiadas, o assassinato de Deborah Emmanuel [uma estudante cristã nigeriana que foi assassinada por “blasfémia” por uma multidão muçulmana ], a nossa catedral quase foi incendiada e os meus padres [sequestrados] quase foram mortos”, disse o bispo Kukah. “Perdi um seminarista, perdi um padre; gastámos mais de 30 milhões de nairas, que não temos, para resgatar os nossos agentes pastorais dos sequestradores.”

Matthew Hassa Kukah, 71 anos, lamentou a falta de apoio para lidar com a situação na região em apuros, dizendo: “Não me lembro de ninguém de alguma parte da Nigéria me ter telefonado para dizer ‘Bispo, soubemos do que aconteceu. O que podemos fazer, há alguma maneira de ajudarmos, você está seguro?'”. E acrescentou: “Somos todos parte de um corpo, quando uma parte dói, o resto do corpo dói, mas nós, no norte da Nigéria, temos a sensação de que estamos a sofrer sozinhos”.

A nação da África Ocidental tem vivido, desde 2009, uma insurgência de ataques do Boko Haram, um grupo que alegadamente pretende transformá-la num país islâmico. Um relatório do observatório nigeriano Intersociety, divulgado em abril deste ano, dava conta de que mais de cinco mil cidadãos foram mortos em 2022 na Nigéria por serem cristãos e estes massacres prosseguiam este ano, tendo provocado 1.041 vítimas só nos 100 primeiros dias de 2023. [ver 7MARGENS]

 

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperam os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This