Igreja, escândalos e má comunicação

| 20 Nov 21

Investigação

“Era evidente que os jornalistas iriam questionar a CEP sobre esta matéria. Não teria sido avisado preparar respostas às perguntas que, logicamente, iriam ser feitas?” Foto © Markus Winkler / Unsplash

 

Sou católica, devo à Igreja muito do que sou como pessoa. Faço esta profissão de fé como ponto prévio a uma leitura comprometida sobre a comunicação da Igreja Católica Portuguesa com os média, tomando como exemplo o “caso” dos abusos sexuais pela sua pertinente actualidade.

Sabemos que o tempo mediático não é igual ao tempo da Igreja. A Igreja deve saber ler os tempos da sociedade em rede do século XXI, dispondo de ferramentas e técnicas que pode usar adequadamente no âmbito da sua missão, sem esquecer a estética própria da comunicação eclesial, no respeito pela sua natureza específica, evitando copiar erros e padrões inadequados de estética comunicacional de outras áreas.

Existir é o primeiro acto de comunicação!

Comunicar pressupõe acção, verdade, assertividade!

A Igreja não pode ver os jornalistas como “inimigos”, gerindo a “ameaça” com o silêncio porque se vê acima deste “mundo”.

A propósito, faz sentido lembrar o que disse o Papa Francisco no passado dia 13 de Novembro, aquando da entrega da Grã-Cruz da Ordem Pia a dois jornalistas: “A missão do jornalista é explicar o mundo…escutar, aprofundar e contar “.

Na gestão do tema dos abusos sexuais, a Igreja tem revelado grande inabilidade, criando uma teia de equívocos na qual se vai enrolando e donde tem dificuldade em sair.

“Vergonha, minha vergonha, nossa vergonha”, afirmou o Papa Francisco aquando do conhecimento do que se passou em França.

De resto, na mesma sessão do dia 13, o Papa agradeceu aos jornalistas: “pelo que nos dizem sobre o que está errado na Igreja, por nos ajudar a não esconder debaixo do tapete e pela voz que vocês deram às vítimas de abusos”.

Em Portugal arrasta-se a questão até ao limite do aceitável, ou mesmo, até ao momento em que a pressão da sociedade civil, incluindo dos próprios católicos, se torna insuportável.

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) é o órgão representativo da Igreja em Portugal. Contudo, cada bispo tem autonomia para se pronunciar individualmente e tem jurisdição sobre o “seu” território, dificultando uma estratégia global e coerente de informação. Este pressuposto tem provocado os comentários mais bizarros feitos, sobre esta matéria, por alguns bispos, acrescentando entropias à percepção e entendimento de assunto tão delicado.

Era evidente que os jornalistas iriam questionar a CEP sobre esta matéria. Não teria sido avisado preparar respostas às perguntas que, logicamente, iriam ser feitas?

O que foi comunicado aos jornalistas?

Decisões claras, inequívocas e assertivas? Não, os jornalistas perceberam coisas diferentes, nada de concreto, assertivo e determinado!

O assunto é melindroso, difícil, muito difícil de gerir. Não pode, não deve, transformar-se numa “caça às bruxas”, mas tudo deve ser feito para punir os criminosos e, sobretudo, compensar as vítimas!

Depois da determinação do Papa Francisco, por que espera a Igreja portuguesa?

 

 

Jacinta Oliveira é consultora de comunicação

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida novidade

Ainda antes de acabar o curso fui à minha primeira entrevista de trabalho “a sério”, numa produtora de filmes num bairro trendy de Lisboa. Roubei um dia à escrita da tese de mestrado, apanhei o comboio e lá fui eu, tão nervosa quanto entusiasmada. O dono começou por me perguntar se fazer cinema era o meu sonho. Fiquei logo sem chão. Sofri, desde muito cedo, de um mal que me acompanha até hoje: sonhava demais e muitos sonhos diferentes.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This