Igreja, escândalos e má comunicação

| 20 Nov 2021

Investigação

“Era evidente que os jornalistas iriam questionar a CEP sobre esta matéria. Não teria sido avisado preparar respostas às perguntas que, logicamente, iriam ser feitas?” Foto © Markus Winkler / Unsplash

 

Sou católica, devo à Igreja muito do que sou como pessoa. Faço esta profissão de fé como ponto prévio a uma leitura comprometida sobre a comunicação da Igreja Católica Portuguesa com os média, tomando como exemplo o “caso” dos abusos sexuais pela sua pertinente actualidade.

Sabemos que o tempo mediático não é igual ao tempo da Igreja. A Igreja deve saber ler os tempos da sociedade em rede do século XXI, dispondo de ferramentas e técnicas que pode usar adequadamente no âmbito da sua missão, sem esquecer a estética própria da comunicação eclesial, no respeito pela sua natureza específica, evitando copiar erros e padrões inadequados de estética comunicacional de outras áreas.

Existir é o primeiro acto de comunicação!

Comunicar pressupõe acção, verdade, assertividade!

A Igreja não pode ver os jornalistas como “inimigos”, gerindo a “ameaça” com o silêncio porque se vê acima deste “mundo”.

A propósito, faz sentido lembrar o que disse o Papa Francisco no passado dia 13 de Novembro, aquando da entrega da Grã-Cruz da Ordem Pia a dois jornalistas: “A missão do jornalista é explicar o mundo…escutar, aprofundar e contar “.

Na gestão do tema dos abusos sexuais, a Igreja tem revelado grande inabilidade, criando uma teia de equívocos na qual se vai enrolando e donde tem dificuldade em sair.

“Vergonha, minha vergonha, nossa vergonha”, afirmou o Papa Francisco aquando do conhecimento do que se passou em França.

De resto, na mesma sessão do dia 13, o Papa agradeceu aos jornalistas: “pelo que nos dizem sobre o que está errado na Igreja, por nos ajudar a não esconder debaixo do tapete e pela voz que vocês deram às vítimas de abusos”.

Em Portugal arrasta-se a questão até ao limite do aceitável, ou mesmo, até ao momento em que a pressão da sociedade civil, incluindo dos próprios católicos, se torna insuportável.

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) é o órgão representativo da Igreja em Portugal. Contudo, cada bispo tem autonomia para se pronunciar individualmente e tem jurisdição sobre o “seu” território, dificultando uma estratégia global e coerente de informação. Este pressuposto tem provocado os comentários mais bizarros feitos, sobre esta matéria, por alguns bispos, acrescentando entropias à percepção e entendimento de assunto tão delicado.

Era evidente que os jornalistas iriam questionar a CEP sobre esta matéria. Não teria sido avisado preparar respostas às perguntas que, logicamente, iriam ser feitas?

O que foi comunicado aos jornalistas?

Decisões claras, inequívocas e assertivas? Não, os jornalistas perceberam coisas diferentes, nada de concreto, assertivo e determinado!

O assunto é melindroso, difícil, muito difícil de gerir. Não pode, não deve, transformar-se numa “caça às bruxas”, mas tudo deve ser feito para punir os criminosos e, sobretudo, compensar as vítimas!

Depois da determinação do Papa Francisco, por que espera a Igreja portuguesa?

 

 

Jacinta Oliveira é consultora de comunicação

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas

Uma forma de "construir pontes"

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas novidade

Amir tem cinco anos e, até agora, não podia correr nem brincar como a maioria das crianças da sua idade. Quando tinha apenas 24 meses, apanhou um vírus que resultou no bloqueio de uma das suas artérias coronárias, pelo que qualquer esforço físico passou a ser potencialmente fatal. Mas, muito em breve, este menino palestiniano poderá recuperar o tempo perdido. Com o apoio da organização humanitária israelita Save a Child’s Heart, Amir acaba de ser operado num hospital em Tel Aviv e está fora de perigo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres

Entrevista à revista America

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres novidade

“O divisionismo não é católico. Um católico não pode pensar ‘ou, ou’ e reduzir tudo a posições irreconciliáveis. A essência do católico é “e, e”. O católico une o bem e o não tão bom. O povo de Deus é um” – afirmou o Papa Francisco, a propósito das divisões na Igreja americana, na entrevista concedida no dia 22 de novembro a um conjunto de editores jesuítas e publicada na edição da revista America – The Jesuit Review desta segunda-feira, 28 de novembro.

Terra de pobreza e de milagres

[Crónicas da Guiné – 1]

Terra de pobreza e de milagres novidade

A Guiné-Bissau, como país, é um bom exportador de más notícias. E quando se chega ao território, o que imediato se faz notar é a pobreza e o lixo. Mas quando nos dizem “Tenho orgulho em Bissau ser uma cidade limpa… em comparação com outras capitais desta região de África”, percebemos que tudo é relativo – relativo aos padrões que adoptamos. Ou às notícias que procuramos. Porque há notícias que vêm ter connosco, pois sabem que serão bem acolhidas, e outras que se deixam ficar no seu cantinho, silenciosas, porque se reconhecem sem interesse.

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum

América Latina

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum novidade

Depois da Rede Eclesial Pan-Amazónica (REPAM) e da Rede Eclesial Ecológica Mesoamericana (REGCHAG), nasce agora a Rede Eclesial Gran Chaco e Aquífero Guarani (REGCHAG), com o objetivo de proteger os territórios que lhe dão nome e as respetivas comunidades, face a ameaças como o desmatamento, a contaminação e o desrespeito pelos modos de vida.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This