D. José Ornelas

Igreja estará sempre “ao lado das vítimas”

| 17 Dez 2021

José Ornelas. Foto © CEP

 

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, José Ornelas, deixou — numa entrevista à Rádio Renascença — a garantia que a Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais, anunciada pelos bispos, já estava pensada muito antes do abaixo-assinado que, em novembro, foi enviado aos bispos, considerando no entanto que este documento foi uma interpelação “positiva”. 

D. José Ornelas assegurou que o objetivo da comissão é “clarificar” tudo e que a Igreja estará sempre “ao lado das vítimas”. “O pior é caminhar sobre um terreno minado, não sabendo onde estão as minas”, apontou.

Na mesma entrevista, o também bispo de Setúbal reconheceu que a demora nas nomeações prejudica as dioceses, e que fazer recair a escolha entre os que já são bispos resolve uns problemas, mas cria outros. 

Sobre outro tema abordado na entrevista, José Ornelas defendeu que o processo sinodal em curso deve levar a uma reflexão mais alargada no tempo. Afirmando que não há necessidade de o padre continuar a ser “o chefe de tudo”, o bispo sublinhou a necessidade de dar mais responsabilidade aos leigos e às mulheres na Igreja

Na referida entrevista à Renascença, D. José Ornelas considerou que não há necessidade em reforçar as medidas para as celebrações religiosas de Natal, porque na Igreja já todos sabem como agir.

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This