Abusos sexuais no Canadá

Igreja gasta com advogados dinheiros das indemnizações

| 2 Ago 2021

O colégio interno de Kamloops foi onde descobriram valas com centenas de corpos de crianças indígenas, no Canadá

 

O escândalo à volta dos internatos geridos pela Igreja no Canadá conhece a cada dia novos episódios. A cadeia de TV CBC teve acesso a documentos que revelam que a Igreja Católica gastou em advogados milhões de dólares destinados às vítimas de internatos de indígenas canadienses.

Segundo aquele orgão de comunicação social, as dioceses mais implicadas, juntamente com outras igrejas cristãs (anglicana, Unida do Canadá e presbiteriana) que geriam internatos terão negociado em 2005 pagar aos sobreviventes 23,2 milhões de dólares em dinheiro e 20 milhões em serviços em espécie.  Contudo, os documentos revelados sugerem que 2,2 milhões serviram para pagar a advogados e 1,8 milhões para despesas administrativas.

Entretanto, uma tribo de Bloodvein (nação original do Canadá situada na margem leste do lago Winnipeg, em Manitoba) declarou que não permitirá que o padre Rheal Forest regresse àquele território, de pois de ter declarado, numa homilia, que os sobreviventes dos internatos católicos estão a fabricar relatos de abusos sexuais e físicos para colherem benefícios económicos (ver 7MARGENS).

Apesar de o clérigo já não trabalhar junto das comunidades autóctones há anos, continua a visitar de vez em quando famílias da região. A decisão da liderança da tribo foi tomada, mas ainda não formalizada.

Recorde-se que o bispo local viu-se forçado a proibir temporariamente o padre Forest de intervir em público.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This