Maioria dos fiéis apoia decisão

Igreja Greco-católica Ucraniana adota calendário gregoriano

| 7 Fev 2023

“Hoje”, afirmou o arcebispo Shevchuk, chefe da Igreja Greco-católica Ucraniana, “a maioria dos nossos fiéis deseja esta reforma. Noventa por cento dos fiéis apoiam-na”. Foto © Diocese de Kiev.

 

A partir do dia 1 de setembro deste ano, data que marca o início do novo ano litúrgico na tradição bizantina, a Igreja Greco-católica Ucraniana passará a utilizar o calendário gregoriano (seguido pela Igreja Católica) para a celebração de festas fixas, nomeadamente o Natal, Epifania e as memórias dos santos. No caso da Páscoa e das festas a ela associadas, continuará a ser seguido o calendário juliano (seguido pela Igreja Ortodoxa). O anúncio foi feito esta segunda-feira, 6 de fevereiro, pelo arcebispo Sviatoslav Shevchuk, chefe da Igreja Greco-católica Ucraniana, noticia o Vatican News.

Explicando as razões da decisão, tomada durante o Sínodo dos Bispos greco-católicos na Ucrânia (que se realizou nos dias 1 e 2 de fevereiro), o primaz disse que a questão do calendário tem vindo a causar divisões e que, no ano passado, vivido em contexto de guerra com a Rússia, a opinião amadureceu gradualmente entre os ucranianos. “Hoje”, afirmou o arcebispo Shevchuk, “a maioria dos nossos fiéis deseja esta reforma. Noventa por cento dos fiéis apoiam-na”.

O Natal passará assim a ser celebrado a 25 de dezembro (e não a 7 de janeiro), por exemplo. Mas a Páscoa continuará a ser celebrada juntamente com os ortodoxos, na esperança de um resultado positivo nas conversações, por ocasião do 1700º aniversário do Concílio de Nicéia, que acontece em 2025, no sentido de encontrar uma data comum na qual todos os cristãos possam celebrar juntos a solenidade mais importante do ano litúrgico.

As comunidades e paróquias que não se sintam ainda prontas para implementar as alterações definidas podem, com a permissão do bispo da eparquia, adiar a mudança até ao ano de 2025.

 

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo novidade

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This