Denúncias a “A Prova dos Factos”

Igreja Maná acusada de violação de direitos humanos

| 10 Jun 2023

O dono e pastor Jorge Tadeu não esconde a vida de luxo da igreja que fundou. Imagem retirada do site da organização, de uma das suas assembleias com Jorge Tadeu.

O dono e pastor Jorge Tadeu não esconde a vida de luxo da igreja que fundou. Imagem retirada do site da organização, de uma das suas assembleias com Jorge Tadeu.

 

Uma quase escravatura, com controlo da vida privada e exploração económica de centenas de “missionários” da Igreja Maná, em contraste com o luxo do Iate e dos jatos privados do dono e pastor Jorge Tadeu. É esta a denúncia de ex-colaboradores a que esta sexta-feira o programa da RTP1 A Prova dos Factos deu voz.

Quatro ex-trabalhadores que conseguiram libertar-se dessa vida denunciaram o regime que consideram ofensivo da dignidade humana, que alegadamente vigora há anos naquele que é o centro internacional daquela Igreja, no complexo que ocupará 100 mil metros quadrados, situado em S. Julião do Tojal, município de Loures. 

Os missionários eram recrutados por pastores em centros da Igreja Maná em diferentes partes do país para trabalharem no Tojal. Muitos interrompiam os estudos, convencidos de que iam ganhar a vida numa entrega à causa da religião. Alguns seriam ainda menores, na altura do recrutamento. Uma vez aceites, assinavam um “contrato” de trabalho como voluntários, em que não havia a noção de direitos (não faziam descontos para a segurança social, nem eram incentivados a estudar) e passavam a um regime que se converteu, segundo os denunciantes, em verdadeiro pesadelo, com horários das 9h00 às 24h00, salário de 300 euros por mês, dos quais ainda devolviam parte em dízimos e a título de ofertas, e disponibilidade de 24 sobre 24 horas. 

O controlo da vida privada iria a um ponto tal que as chamadas telefónicas e o acesso à internet eram vigiados e namorar estava proibido aos missionários antes dos 21 anos e casar só com a idade mínima de 23, desde que tivesse havido um tempo mínimo de namoro de um ano.

Os jornalistas do programa do serviço público tentaram por vários meios ouvir o que tinha o dono da instituição a dizer sobre a matéria denunciada, mas não só não o conseguiram como a RTP foi mesmo ameaçada por uma advogada, caso emitisse e não destruísse imagens das instalações colhidas aquando da deslocação a S. João do Tojal.

A Igreja Maná é uma igreja cristã protestante evangélica, fundada em meados dos anos 80 do século passado pelo engenheiro civil Jorge Tadeu, que recebeu a inspiração na África do Sul. Hoje, segundo o site da organização, está implantada em várias dezenas de países, tendo emissões por satélite e canais de televisão próprios. Possui em Portugal uma gráfica e recursos sofisticados de produção audiovisual emissão de televisão. 

 

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé

Proposta pelo Conselho Pastoral Diocesano

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé novidade

“Organizar uma `Aldeia da Esperança´, dirigida aos jovens, em formato de acampamento, seguindo o modelo de Taizé, a decorrer no verão, de preferência na ilha de São Jorge, no Santuário do Senhor Santo Cristo da Caldeira”: esta é uma das várias propostas feitas pelo Conselho Pastoral Diocesano de Angra – reunido em Ponta Delgada entre os dias 8 e 10 de junho – que irá passar do papel à prática.

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas”

Comissão Justiça e Paz de Braga

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas” novidade

A Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Braga associa-se à comemoração do Dia da Consciência – que se celebra anualmente a 17 de junho em homenagem a Aristides de Sousa Mendes – através de uma mensagem que assinala a importância de, tal como fez o cônsul de Portugal em Bordéus no século passado, “seguir a voz da consciência” e assim contribuir, no tempo presente, para “salvar vidas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas

Após quatro anos de detenção

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas novidade

Após quatro anos de detenção, a jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas. Numa mensagem divulgada esta terça-feira, 11 de junho, a Amnistia Internacional apela às autoridades chinesas que garantam que Zhang Zhan seja autorizada a circular livremente e a comunicar com pessoas dentro e fora da China, e ainda que ela e a sua família não fiquem sujeitas a vigilância ou assédio, devendo ter pleno acesso a tratamento médico após a sua experiência traumática.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This