Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

| 10 Set 21

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS.

De acordo com esta organização católica, calcula-se que mais de uma centena de pessoas foram mortas, milhares ficaram feridas, dezenas de mulheres foram violadas e quase 400  igrejas ou capelas acabaram destruídas, para além de 6500 casas, escolas e outras estruturas na região. 

Segundo a AIS, o balanço desta onda de violência contra os cristãos de Kandhamal, em 2008 — naquele que terá sido o ataque mais cruel contra esta comunidade religiosa nos últimos 300 anos na Índia — está ainda por concluir. 

A descrição da violência que teve início no dia 23 de agosto, após o assassinato de um líder hindu, não deixa ninguém indiferente, aponta a organização, com assassinatos, violações, roubos, destruição de casas e de igrejas, no que é descrito como “um verdadeiro massacre”. A violência prolongou-se durante várias semanas até ao mês de outubro. 

Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Jornada Nacional Memória & Esperança 2021 já tem site

Homenagem às vítimas da pandemia

Jornada Nacional Memória & Esperança 2021 já tem site novidade

O site oficial da Jornada Nacional Memória & Esperança 2021, iniciativa que visa homenagear as vítimas da pandemia com ações em todo o país entre 22 e 24 de outubro, ficou disponível online esta sexta-feira, 17. Nele, é possível subscrever o manifesto redigido pela comissão promotora da iniciativa e será também neste espaço que irão sendo anunciadas as diferentes iniciativas a nível nacional e local para assinalar a jornada.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Novo ano letivo: regressar ao normal?

Novo ano letivo: regressar ao normal? novidade

Após dois conturbados anos letivos, devido à pandemia, as escolas preparam-se para um terceiro ano ainda bastante incerto, mas que desejam que seja o mais normal possível. O regresso à normalidade domina as declarações públicas de diretores escolares e de pais, alunos e professores. Este desejo de regresso à normalidade, sendo lógico e compreensível, após dois anos de imensa instabilidade, incerteza e experimentação, constitui ao mesmo tempo um sério problema.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This