Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

| 10 Set 2021

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS.

De acordo com esta organização católica, calcula-se que mais de uma centena de pessoas foram mortas, milhares ficaram feridas, dezenas de mulheres foram violadas e quase 400  igrejas ou capelas acabaram destruídas, para além de 6500 casas, escolas e outras estruturas na região. 

Segundo a AIS, o balanço desta onda de violência contra os cristãos de Kandhamal, em 2008 — naquele que terá sido o ataque mais cruel contra esta comunidade religiosa nos últimos 300 anos na Índia — está ainda por concluir. 

A descrição da violência que teve início no dia 23 de agosto, após o assassinato de um líder hindu, não deixa ninguém indiferente, aponta a organização, com assassinatos, violações, roubos, destruição de casas e de igrejas, no que é descrito como “um verdadeiro massacre”. A violência prolongou-se durante várias semanas até ao mês de outubro. 

Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This