Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

| 10 Set 2021

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS.

De acordo com esta organização católica, calcula-se que mais de uma centena de pessoas foram mortas, milhares ficaram feridas, dezenas de mulheres foram violadas e quase 400  igrejas ou capelas acabaram destruídas, para além de 6500 casas, escolas e outras estruturas na região. 

Segundo a AIS, o balanço desta onda de violência contra os cristãos de Kandhamal, em 2008 — naquele que terá sido o ataque mais cruel contra esta comunidade religiosa nos últimos 300 anos na Índia — está ainda por concluir. 

A descrição da violência que teve início no dia 23 de agosto, após o assassinato de um líder hindu, não deixa ninguém indiferente, aponta a organização, com assassinatos, violações, roubos, destruição de casas e de igrejas, no que é descrito como “um verdadeiro massacre”. A violência prolongou-se durante várias semanas até ao mês de outubro. 

Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This