Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

| 20 Mai 2024

Bispos portugueses em encontro com secretaria do Sínodo durante a visita ad ,imina, 20 maio 2024. Foto ECCLESIAPR

Os bispos portugueses  no encontro com a secretaria geral do Sínodo, esta segunda-feira. Foto  © Ecclesia/PR

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

O encontro aconteceu naquele que foi o primeiro dia da visita ad limina apostolorum dos bispos portugueses ao Vaticano. “Foi muito bom este diálogo com a Secretaria Geral do Sínodo, porque nos veio confirmar naquilo que estamos a fazer e também fizemos eco daquilo que tem estado a ser a realidade em Portugal”, afirmou o vice-presidente da CEP.

Virgílio Antunes destacou a participação das comunidades em Portugal na preparação das assembleias sinodais, lembrando que “nenhum sínodo” teve este processo a anteceder a reunião dos bispo, e valorizou a possibilidade dos relatórios diocesanos ou da Conferência Episcopal não serem “um juízo crítico nem um juízo teológico ou doutrinal sobre aquilo que se reportava, mas fazer eco daquilo que era o sentir e o pensar das pessoas”. “É uma novidade absoluta para a maior parte das pessoas que participaram nestes diferentes momentos do processo sinodal. E isso é muito bom e muito belo”, afirmou.

Em declarações à agência Ecclesia e à Renascença após a reunião desta manhã, o bispo de Coimbra destacou que “há uma forma de estarmos como Igreja nas nossas comunidades que já está a sentir os efeitos de uma nova mentalidade, de uma nova forma de ser e de uma nova forma de estar, mesmo sem irmos para aquelas questões que precisam de uma decisão a partir da Igreja Universal”.

E reiterou: no que diz respeito ao Sínodo dos Bispos, “a Igreja em Portugal está envolvida, está de coração aberto, está disponível para fazer caminho com o Santo Padre, o Papa Francisco, para fazer caminho com todos os que são participantes ativos na própria Assembleia Sinodal, e nós temos o nosso contributo, talvez humilde e simples, a dar, sobretudo a disponibilidade para a renovação”. Um caminho que tem de ser feito “a partir da centralidade da comunhão, da participação, da missão”, concluiu.

 

“Estão a surgir novas configurações ao nível das comunidades”

O início da visita ad limina ficou ainda marcado pelo encontro com o Dicastério para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades Apostólicas.

Questionado pela Renascença sobre o envelhecimento e diminuição das comunidades religiosas em Portugal, o patriarca de Lisboa, Rui Valério, delegado da Conferência Episcopal para a Vida Consagrada, admitiu que a Igreja está “num processo de amadurecimento” desta realidade “com o fim de alcançar uma configuração consagrada, seja ao nível carismático, seja ao nível estrutural”.

“Estão a surgir novas configurações ao nível das comunidades, no seu concreto, mas também ao nível da efetivação da missão. Estamos a contemplar o surgimento de novas realidades que existem paredes-meias com a realidade laical – pais de família, mães de família, trabalhadores. Tudo isto esta a ser abraçado por processos ou formas novas que o Espírito Santo está a suscitar na Igreja”, acrescentou o patriarca de Lisboa.

A visita ad limina dos bispos de Portugal decorre no Vaticano até sexta-feira, 24 de maio, dia em que serão recebidos pelo Papa Francisco.

Bispos portugueses em encontro com secretaria do Sínodo durante a visita ad ,imina, 20 maio 2024. Foto ECCLESIAPR

A foto de grupo, no final do encontro com a secretaria geral do Sínodo. Foto  © ECCLESIA/PR

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo” novidade

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This