Sínodo na Costa do Marfim

Igreja precisa de discutir “racismo, questões de género e clericalismo”

| 31 Jul 2022

Os bispos da Costa do Marfim apresentaram a sua síntese nacional para o Sínodo sobre a sinodalidade. Foto © Eva Blue | Unsplash

Mercado de rua na Costa do Marfim: Os bispos da Costa do Marfim apresentaram a sua síntese nacional para o Sínodo sobre a sinodalidade e apelaram a que o racismo seja discutido dentro da Igreja. Foto © Eva Blue | Unsplash

 

Os católicos da Costa do Marfim pedem à Igreja em geral que se empenhe em mais “discernimento” em várias questões dolorosas – como racismo, questões de género e clericalismo – na próxima etapa do processo sinodal. Os líderes da Igreja na nação da África Ocidental fazem o apelo na síntese nacional recentemente publicada sobre as consultas sinodais que foram realizadas nas suas 15 dioceses católicas, noticia o La Croix (notícia apenas disponível para assinantes).

Eles dizem que é necessário questionar o significado da sinodalidade numa Igreja afligida pelo etnocentrismo, tribalismo, racismo, questões de género e casamento e clericalismo. “Como é que a Igreja reage concretamente diante de tais flagelos que correm o risco de fazer da sinodalidade uma utopia ou uma ilusão?”, questionam os participantes nos momentos de escuta sinodal conduzidos no país, ou “como podemos lançar um processo sinodal se ‘a questão do género’, que preocupa o mundo, não é resolvida pela Igreja e uma mulher seja ouvida por todos?” foram outras das questões levantadas nas sínteses.

O resumo das consultas foi apresentado nos dias 21 e 22 de julho, mas não fornece dados estatísticos sobre quantos ou qual percentagem dos católicos do país realmente participaram do processo sinodal, embora a equipa nacional para o sínodo sobre sinodalidade tenha afirmado que a participação foi significativa. “A nível das dioceses e no âmbito das consultas de base, movimentos, congregações religiosas, instituições e paróquias foram mobilizados para responder ao questionário contextualizado”, disse.

D. Bruno Essoh Yedoh de Bondoukou , bispo da diocese de Bondoukou, leu a síntese de 20 páginas da consulta durante a Missa de ação de graças concelebrada no dia 21 de julho com todos os membros da Conferência Episcopal da Costa do Marfim (CECCI), e voltou a fazê-lo no dia seguinte, em conferência de imprensa onde, falando em nome da equipa nacional de contactos, disse que o resumo “pretendia captar o mais possível os pontos de vista críticos e apreciativos de todas as respostas”.

Bruno Yedoh disse que, em todas as dioceses, “a corresponsabilidade pastoral, que implica uma participação indispensável dos leigos na missão da Igreja, foi um dos pontos fortemente debatido” durante as consultas.

A colaboração entre sacerdotes e leigos na vida da Igreja na Costa do Marfim é promovida principalmente por meio de estruturas de governo ao nível paroquial, como os conselhos pastorais e os conselhos financeiros. Estes são co-presididos pelo pároco e por um leigo, geralmente eleito pelos responsáveis ​​dos movimentos e associações da paróquia.

Mas o relatório apresentado observa que, na prática real, é o sacerdote que detém a autoridade máxima. “Alguns exercem o serviço na escuta de todos, com disponibilidade e humildade”, diz o texto, mas “por outro lado, outros não levam em conta esses quadros de colaboração com os leigos, agindo sozinhos e impondo suas decisões, a ponto de confinar os seus parceiros leigos aos papéis de figurantes ou executores”, aponta.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This