Igreja promove formação sobre abusos, mas não tem números nacionais sobre o tema

| 12 Mai 21

Não há números nacionais relativos aos casos de abusos sexuais sobre menores por parte de clérigos, admitiu na tarde desta quarta-feira, 12 de maio, em Fátima, o padre Manuel Barbosa, porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), no final da reunião do conselho permanente do organismo colectivo dos bispos. “Cada diocese deverá dar essa resposta, não temos dados nesta altura. Não vos posso dar números, se é que há números”, afirmou o secretário da CEP aos jornalistas.

Apesar disso, Manuel Barbosa referiu que, no final do mês, o padre jesuíta alemão Hans Zollner, presidente do Centro de Protecção de Menores do Vaticano, estará em Lisboa para dirigir três acções de formação com agentes da pastoral católica: responsáveis das comissões diocesanas, congregações religiosas e uma acção em Braga.

Na conferência de imprensa, o porta-voz referiu-se ainda às directrizes da CEP divulgadas em Janeiro, que “vêm na linha das de 2012: acentuação de que haja sempre cuidado com menores e adultos vulneráveis, que haja prevenção e formação para que não aconteçam esses casos, e actuar de maneira apropriada perante os casos que porventura apareçam.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This