George Floyd morto há um ano

Igreja tem de dizer e fazer mais contra o racismo, dizem bispos dos EUA

| 25 Mai 2021

manifestacoes George Floyd, Foto ONU _ Daniel Dickinson

Manifestações por George Floyd: Igreja americana admite que precisa de fazer mais pelo racismo, um ano depois da morte de Floyd.  Foto ONU _ Daniel Dickinson.

“Uma vez nascidos, se não somos tratados com a mesma dignidade que queremos para aqueles que não nasceram, não estamos a fazer o que precisamos de fazer e a Igreja tem de ser líder nisso”, diz o bispo Roy Campbell Jr., que preside à Conferência Nacional Negra Católica, um ano depois da morte de George Floyd. “É a nossa responsabilidade moral. A vida humana tem valor ilimitado aos olhos de Deus, da concepção à morte natural”, acrescenta.

No Crux, o bispo, um dos auxiliares da diocese de Washington, diz que o que se passa agora deve fazer recordar o que se passou na década de 1960, quando muitos católicos marcharam com Martin Luther King nas manifestações pelos direitos civis.

“Dizer que algo é um incidente isolado, não tenho nada a ver com isso, sou uma boa pessoa, é muito diferente de haver racismo sistémico. E se eu não me tornar uma pessoa antirracista para trabalhar contra esse racismo sistémico, estou a perpetuar o sistema”, diz o bispo, citado também na página do secretariado católico da Pastoral da Cultura.

Por isso, Campbell defende a importância da liderança dos bispos e da Igreja Católica neste processo, e da necessidade de todas as pessoas avançarem com processos de diálogo e de fazer coisas tão simples como “tratar os outros com a dignidade com que queremos ser tratados”.

Frank Dewane, bispo de Venice, membro da comissão ad hoc contra o racismo da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla inglesa), defende que a mudança duradoura na mentalidade de segregação tem de começar no interior de cada pessoa.

Mel Tardy, diácono de uma paróquia de Chicago que organizou uma vigília ecuménica em em memória de Floyd, diz esperar que a Igreja saia da “tendência para ficar em silêncio: somos a religião mais diversa que existe, mas ainda assim tendemos a ser aqueles que constroem paredes em vez de tentar usar os dons do Espírito Santo para nos unirmos a todos”.

O desempenho das forças de segurança, o seu financiamento e a necessidade de avaliar até que ponto o racismo é estruturante na sociedade são outras questões que este diácono considera pertinentes para os cristãos aprofundarem.

Gloria Purvis, activista católica e comunicadora, acrescenta que a Igreja “precisa de trabalhar” a questão do racismo, por causa da retórica “chocante” de alguns leigos e do silêncio de alguns líderes católicos: “Precisamos do mesmo tipo de pronunciamentos ásperos que o nosso clero profere em relação ao direito de defender a vida no útero.”

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This