Decisão inédita

Igreja Ucraniana autoriza celebrar Natal a 25 de dezembro, distanciando-se de Moscovo

| 9 Nov 2022

kiev (ucrania) iluminada no natal, foto Київська міська рада, via Wikimedia Commons

A praça de Santa Sofia, no centro de Kiev, iluminada no Natal de 2021. Foto © Київська міська рада, via Wikimedia Commons.

 

A Igreja Ortodoxa da Ucrânia vai autorizar, pela primeira vez na História, que as suas diferentes congregações e paróquias celebrem o Natal a 25 de dezembro e não a 7 de janeiro, data em que Jesus terá nascido de acordo com o calendário juliano, o qual é tradicionalmente seguido pelas Igrejas Ortodoxas no leste da Europa e no Médio Oriente, nomeadamente pela Igreja Ortodoxa Russa.

A notícia foi avançada esta semana pelo The Guardian e é vista como uma tentativa de distanciamento do Patriarcado de Moscovo, na sequência das manifestações de apoio a Vladimir Putin por parte do seu líder máximo, o Patriarca Cirilo.

Desde 2017 que o dia 25 de dezembro já é considerado feriado na Ucrânia, no entanto as celebrações religiosas do Natal continuavam a ser feitas a 7 de janeiro.

Em entrevista ao jornal britânico, o porta-voz da Igreja Ortodoxa Ucraniana, Yevstratiy Zoria,  explicou que, este ano, a celebração numa ou noutra data será opcional para cada comunidade, e que depois os números serão analisados. A decisão afeta sete mil igrejas em todo o país.

O responsável religioso afirmou que, antes da invasão por parte da Rússia, um terço dos fiéis já haviam manifestado intenção de celebrar o Natal de acordo com o calendário gregoriano. Neste momento, esse número é certamente superior, reconheceu.

“Mas não queremos forçar ninguém. Entendemos que isso não resolve nada”, salvaguardou. “Eu pessoalmente decidirei o que fazer depois de conversar com os meus paroquianos. É melhor promover este processo lentamente e com sucesso.”

 

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This