Irlanda celebra 50 anos do Domingo Sangrento

Igrejas juntas, políticos de costas voltadas

| 29 Jan 2022

Memorial do Domingo Sangrento, em Derry (Irlanda do Norte): “A instabilidade causada pelo Brexit espalha-se em muitas outras áreas, incluindo aniversários como o do Domingo Sangrento e em outros problemas que ainda estão por vir”, escreveu The Guardian. Foto ©  AlanMc | Wikimedia Commons

 

O bispo católico de Derry, Donal McKeown, e o bispo anglicano Andrew Forster presidiram no sábado, 29 de janeiro, a uma celebração conjunta na Igreja de Santa Maria, em Creggan (Derry, Irlanda do Norte) em memória das 14 vítimas do Domingo Sangrento (30 de janeiro de 1972), mortas pelo exército britânico quando realizavam uma marcha pacífica.

Em entrevista ao Vatican News, o bispo Donal McKeown disse estarem previstas para este domingo, 30 de janeiro, várias “manifestações, apresentações teatrais e até uma celebração no monumento dedicado às vítimas, na presença de políticos e representantes das Igrejas Católica e protestantes”.

Quanto ao conflito que opõe protestantes (unionistas) e católicos (nacionalistas) McKeown afirmou-se convicto de que “a guerra acabou”, mas “o conflito permanece no sentido de que não é um conflito dentro da Irlanda do Norte, mas diz respeito à questão de saber se a Irlanda do Norte deve pertencer à Grã-Bretanha ou à República da Irlanda”. Esse “conflito continua, mas politicamente e de forma pacífica” e, assim, de acordo com o bispo de Derry, é possível “olhar para o futuro com esperança e alegria”.

A parte norte da Irlanda integra o Reino Unido, embora a população católica (minoritária, mais pobre e mais marginalizada) defenda o fim dessa união e a integração na República da Irlanda (Estado do restante território da ilha).

 

Brexit complicou tudo

Menos esperançoso está o jornal The Guardian que, em editorial da sua edição de dia 28 de janeiro, escrevia: “O primeiro-ministro do DUP [o maior dos partidos unionistas] Paul Givan, recusou-se a participar em qualquer um dos eventos deste fim de semana (em vez disso, na quinta-feira, os seus aliados comemoraram o assassinato de dois polícias nos dias anteriores ao Domingo Sangrento). O líder do SDLP [o terceiro maior partido da Irlanda do Norte], Colum Eastwood, cujo eleitorado inclui Derry, disse que o regimento de paraquedistas foi ‘enviado à minha cidade para assassinar’ e exigiu desculpas oficiais por parte do exército britânico. Em Derry no domingo, o primeiro-ministro irlandês provavelmente estará presente, mas, ao que parece, o primeiro-ministro britânico estará ausente.”

Os editorialistas do jornal britânico recordam que “o Reino Unido e a República da Irlanda comemoraram juntos alguns importantes centenários históricos irlandeses de maneiras criativas e cooperativas que ajudaram a fortalecer o processo de paz e as boas relações entre as nossas ilhas, em vez de enfraquecê-las. Parece que agora estamos deixando para trás essa previdente abordagem”.

Mais do que o avanço do sentimento nacionalista (leia-se, integração na República da Irlanda) que todas as sondagens vêm revelando, ou os picos de violência da primavera de 2021, The Guardian aponta o Protocolo relativo à Irlanda do Norte – anexo ao Acordo de saída da Grã-Bretanha da União Europeia (Brexit) – como o maior desestabilizador da situação na parte setentrional da ilha: “A instabilidade causada pelo Brexit espalha-se em muitas outras áreas, incluindo aniversários como o do Domingo Sangrento e em outros problemas que ainda estão por vir.”

No final de setembro do ano passado os líderes dos quatro partidos unionistas da Irlanda do Norte escreveram ao primeiro-ministro britânico para que este pusesse fim ao protocolo irlandês e integrasse de novo, sem quaisquer barreiras alfandegárias ou burocráticas, a Irlanda do Norte no Reino Unido. A liberdade completa de circulação de mercadorias entre os dois territórios deixou de existir a partir do momento em que o Reino Unido deixou a UE, pois para que tal liberdade se mantivesse absoluta seria necessário interromper a liberdade de circulação entre a Irlanda do Norte (agora fora da UE) e a República da Irlanda (Estado-membro da União Europeia) o que poria em causa os acordos de paz que puseram termo a anos de guerra civil na parte setentrional da ilha.

A Irlanda do Norte é governada por uma coligação em que participam o DUP e o Sinn Féin e terá eleições legislativas no próximo mês de maio. Nas últimas eleições (2017), o DUP ficou à frente com 28,1 por cento dos votos, seguido de perto pelo Sinn Féin (27,9%), tendo o SDLP obtido 11,9 por cento dos votos.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This