Igreja de França publicou síntese sinodal

Igualdade homens-mulheres, participação nas decisões e comunidades de escuta

| 13 Jun 2022

Home page do site da Conferência Episcopal Francesa

 

As sínteses dos contributos de mais de 150 mil pessoas que participaram na auscultação promovida pelo Sínodo nas paróquias, movimentos e outras estruturas católicas em França dão especial destaque ao papel das mulheres, à participação dos leigos e leigas em órgãos com poderes deliberativos e a uma vida de comunidades que valorizam o encontro com a Palavra de Deus e a escuta e acolhimento dos mais frágeis da sociedade.

Para aqueles que temiam que as sínteses diocesanas e a síntese nacional suavizassem ou até censurassem algumas matérias mais polémicas, os documentos vindos a público nos últimos dias mostram que isso não aconteceu.

Como referiu o bispo Alexandre Joly, da diocese de Troyes, coordenador da comissão nacional do Sínodo, na apresentação da síntese das sínteses diocesanas, na última quinta-feira, 9 de junho, procurou-se fazer “um relato o mais honesto possível das questões abordadas…, bem como das tensões e aspirações reveladas por este processo” de auscultação.

O bispo de Troyes esclareceu ainda que o episcopado francês fará uma assembleia extraordinária nesta terça e quarta-feiras, 14 e 15, para a qual convidaram religiosos e leigos de todo o país, num total de mais de uma centena de participantes. O objetivo é fazer um trabalho de discernimento com base no documento agora apresentado e publicado, do qual se espera que saiam orientações para o futuro, traduzidas num texto votado apenas pelos bispos (os leigos participarão em toda a assembleia, ainda que sem direito a voto, dada a natureza da reunião).

 

Resistências de vários tipos

O processo sinodal em si registou “generosa participação” de pessoas que tiveram “a sensação de viver uma experiência promissora”. Mas a síntese não foge a enunciar “resistências de vários tipos”, encontradas no caminho. Entre elas, o documento destaca, “primeiro, a dificuldade de ouvir as vozes dos mais frágeis; depois, a dificuldade em alcançar e mobilizar os jovens e os jovens adultos; o temor de alguns católicos de que este processo sirva para impor mudanças na Igreja à qual estão ligados; finalmente, a dificuldade de muitos sacerdotes em reconhecer o interesse deste sínodo”.

A síntese nacional estrutura-se em três partes. A primeira, intitulada “Fundar-se na Palavra de Deus”, exprime um desejo amplamente partilhado de promover tempos e espaços de leitura e meditação comum dos textos bíblicos, em que a experiência de vida das pessoas possa estar presente. Seriam espaços abertos mesmo a não praticantes, que estivessem interessados nesse tipo de encontros.

Neste ponto, referiu-se que as homilias suscitam muitas deceções, sobretudo “quando a pregação não é suficientemente fundamentada na Palavra de Deus e não alimenta a vida cotidiana dos batizados”.

 

A sinodalidade é uma aprendizagem

Em várias dioceses questiona-se o monopólio das homilias por parte do clero e defende-se explicitamente que possam ser feitas por leigos, e especificamente por mulheres. Este “pedido recorrente” está relacionado com um outro: “uma melhor formação bíblica dos batizados, assim como uma verdadeira formação dos pastores em homilética”.

A segunda parte do documento, de longe a mais extensa, aborda o desejo de “Dar sinais credíveis da bondade de Deus e da igual dignidade dos batizados”.  Começa por uma citação da diocese de Belfort-Montbéliard, segundo a qual “os leigos gostariam de mais escuta e menos relações hierárquicas entre leigos e entre leigos e padres”, de modo a adquirirem “a liberdade de ousar propor iniciativas a toda a paróquia e esperar que elas sejam acolhidas”. Sublinha, neste contexto, que “a sinodalidade é uma aprendizagem” constante, e que é preciso que essa aprendizagem prossiga, depois desta primeira etapa do atual Sínodo.

 

Reforma da formação e estatuto do clero

Especificamente sobre os ministérios e aqueles de que a Igreja precisa, a síntese francesa começa por dar conta de um “agradecimento aos presbíteros” pelo seu compromisso e resposta perante expectativas tão diversas. Mas quer que eles se dediquem àquilo que lhes é específico, particularmente celebrar, escutar e acompanhar as pessoas e não prioritariamente administrar e gerir as paróquias. Problemas recorrentes nas dioceses são, da parte do clero, nomeadamente “o autoritarismo e dificuldades nas relações com as mulheres”, segundo o documento.

Daí que a questão da formação deva merecer uma atenção particular. As propostas feitas vão em duas direções. Por um lado, uma formação comum para ministros ordenados, ministros instituídos e todos os batizados. Por outro lado, fazer evoluir a formação humana dos futuros sacerdotes (qualidades relacionais, equilíbrio pessoal, capacidade de governar e comunicar).

Finalmente, ainda quanto ao clero, o documento da Igreja francesa entende que ser padre e ser casado devem ser compatíveis, pelo que será necessário terminar com a atual obrigatoriedade da disciplina do celibato.

 

Homens e mulheres: a mesma dignidade batismal

É de “urgência” e de “inúmeras feridas” que se fala na síntese, quando se trata do papel das mulheres. “As feridas – sublinha o texto – vêm das dificuldades nas relações com padres e bispos, e da gritante desproporção entre o número de mulheres envolvidas na Igreja e o número daquelas que estão em posição de decidir. Se o serviço das mulheres é apreciado, a sua voz parece ignorada”. A urgência reside nas expectativas de que passem a ter papel ativo e efetivo nos “múltiplos discernimentos das Igrejas locais”.

“A forma como as mulheres são tratadas na Igreja não se ajusta à sua missão, num momento em que a igualdade entre homens e mulheres se tornou uma evidência comum. A dor é tanto maior quanto nasce desta convicção: a Igreja priva-se, assim, de inúmeros carismas e de possibilidades reais de romper com o círculo clerical”. E, socorrendo-se do contributo de um grupo de  mulheres da Mission de France, a síntese denuncia: “Quanto ao papel das mulheres, todos se estão a mexer, exceto a Igreja. […] Nós revoltamo-nos com a desigualdade entre mulheres e homens, desde cedo, dentro da Igreja. Queremos outro modelo para nossos filhos”.

O contributo da diocese de Périgueux refere, nesta linha, que o lugar da mulher na hierarquia católica precisa de ser completa e urgentemente repensado, de forma aprofundada, inclusive teologicamente, como pedem muitos grupos sinodais.

Diferentes sínteses diocesanas solicitam, por isso, que as mulheres possam receber a ordenação diaconal, como “um primeiro passo simbólico importante” e que a homilia possa, como se referiu já, ser proferida por mulheres. “Com um pouco menos de frequência, ainda que amplamente recorrente, encontramos o pedido de que as mulheres possam ser ordenadas como presbíteros” – anota também a síntese.

 

A governança na Igreja e os carismas

As comunidades eclesiais manifestam interesse em constituir-se com base nos carismas de cada uma e de cada baptizado que as integra, segundo o texto da síntese das dioceses. Porém, as dificuldades e tensões são de monta. Entre os exemplos fornecidos, refere-se: “a experiência recorrente de abuso de poder, a configuração ‘piramidal’ do governo, o medo do conflito, que convida a esconder os problemas em vez de os enfrentar, a chegada de um novo pároco que impõe uma direção contrária à que prevalecia até então numa paróquia… “

De tais tensões emergem aspirações, entendidas como caminhos de superação: “que o envio em missão seja claro e explícito; que os mandatos sejam limitados no tempo; que a avaliação das missões e da vida comunitária seja praticado com regularidade e seriedade”; e que haja “uma certa transparência nos processos de decisão e nas questões financeiras”.

 

Diversificação das liturgias 

É verdade que a eucaristia dominical ocupa um lugar central e é um poderoso agente de construção da comunidade cristã. Mas as sínteses das dioceses apelam de forma saliente a uma diversificação das liturgias.

Nessa direção, a síntese nacional recorta três vetores: o primeiro, já mencionado, diz respeito aos espaços de oração e às celebrações da Palavra, nas quais o lugar central é dado à escuta e meditação dos textos bíblicos. A segunda, menos frequente, aponta a importância das romarias e da piedade popular. A terceira visa uma renovada formação litúrgica, para enfrentar o que muitas sínteses apontam como o hermetismo da linguagem corrente na Igreja.

A liturgia parece ser, em França, um lugar e um tema de tensões, que a síntese nacional dá a perceber: entre os que gostariam de “flexibilidade pastoral” e os apegados aos rituais; entre os que apreciam a riqueza dos símbolos litúrgicos e os que questionam a linguagem para muitos ininteligível. Em alguns contextos, os jovens “aspiram a envolver-se na preparação e celebração da liturgia, mas sentem-se pouco solicitados pelas comunidades” onde dominam gerações mais velhas.

A terceira e última parte do documento intitula-se “Viver como irmãos e irmãs em Cristo” e refere-se a uma aspiração que se considera amplamente partilhada nas sínteses diocesanas: “a sede da escuta”. A citação do contributo de um grupo local resumiria bem esta “sede”:

“A Igreja deve estar aberta, ir ao encontro das pessoas, ter tempo para se encontrar, para ouvir. Deve dar voz a todos, ser uma Igreja que anima, para que a luz, a paz, inunde os corações. Uma Igreja que leva consigo um olhar e que não julga”.

Esta preocupação passa por modos de estar e de agir que englobam os serviços da fraternidade e a promoção da escuta e do diálogo.

 

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima novidade

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita novidade

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Cardeal Zen condenado a pagar multa por ter defendido manifestantes

Hong Kong

Cardeal Zen condenado a pagar multa por ter defendido manifestantes novidade

O cardeal Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong, foi condenado esta sexta-feira, 25 de novembro, a pagar uma multa de cerca de 500 euros pela sua colaboração com o 612 Humanitarian Relief Fund, que apoiou manifestantes pró-democracia a pagar multas e fianças em 2019. Sobre ele, recai ainda a acusação de conluio com forças estrangeiras, pelo que poderá vir a enfrentar penas mais graves.

Freiras italianas gritam “basta!” à violência contra a mulher

Dia Internacional contra a Violência de Género

Freiras italianas gritam “basta!” à violência contra a mulher novidade

“Sentimos o dever de manifestar abertamente a solidariedade com as mulheres que sofrem todo o tipo de violência.” Quem o diz são as irmãs salesianas Filhas de Maria Auxiliadora, da Província de São João Bosco, em Roma, que pela primeira vez decidiram associar-se pessoalmente a uma campanha de prevenção, a propósito do Dia Internacional Contra a Violência de Género, assinalado esta sexta-feira, 25 de novembro.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This