Ihor Homenyuk, morada e conterrâneos

| 25 Jan 2021

Herscht Lauterpacht: “só o indivíduo está no centro da ordem jurídica, não o grupo.” Foto: Direitos reservados

 

Quando, em meados de Dezembro, Cândida Pinto entrevistou a viúva de Ihor Homenyuk fiquei a saber que o ucraniano vivia em Lviv. Provavelmente não na cidade capital do distrito com o mesmo nome – a notícia não é clara a esse respeito – mas a cerca de 30km de distância, em Novoiavorisk, cidade onde, segundo o relato da mesma jornalista, Homenyuk nasceu e cresceu.

E com esta simples, lateral, informação sobre residência e naturalidade, ocorreu-me desenhar uma história que já não é apenas a de uma inenarrável série de violações de direitos fundamentais, coroadas, segundo os indícios disponíveis, por uma morte sob tortura, como se explica no comunicado de imprensa da Ordem dos Advogados (OA)[1], muitíssimo crítico da acusação deduzida pelo MP.

Estamos, sem dúvida, perante um crime que reúne todos os ingredientes do colapso interno do estado de direito e das instituições que o servem[2], com destaque para a responsabilidade especial do MP no momento de identificar e levar a julgamento os responsáveis. Mas também, por força de uma simples coincidência geográfica, esta é uma história no coração da história dos direitos humanos no séc. XX.

Ihor Homenyuk vinha desse território fronteiriço da Mitteleuropa chamado Galícia, cuja capital tem pelo menos três nomes, a exemplo do que acontece por toda a região. Como explica Claudio Magris, “na Mitteleuropa ignora-se a ciência de esquecer, de redigir e arquivar os acontecimentos”. Assim, a tripla nomeação, “Bratislava, o nome eslovaco, Pressburg, o alemão, ou Poznosy, o húngaro […] irradiava com a sugestão de uma história compósita e plurinacional, e – acrescenta Magris – a predilecção por um ou outro de entre eles exprimia, infantilmente, atitudes fundamentais a respeito do Espírito do Mundo”[3]. Essas mesmas atitudes que fizeram de fracções importantes do antigo Império Austro-Húngaro terreno de implacável disputa territorial, de que o último exemplo em data é a anexação da Crimeia pela Rússia, subtraída à Ucrânia natal de Homenyuk, que também foi Polónia ou parte do Império Austro-Húngaro, consoante a época.

A exemplo de Bratislava, também Lviv possui três nomes: este, ucraniano, desde 1944; Lemberg, no tempo do Império Austro-Húngaro e, mais tarde, no período da ocupação nazi; Lwów, ao integrar a Polónia independente, na sequência da I Grande Guerra.

Ora, é em Lemberg/Lwów/Lviv que se cruzam, no início do séc. XX, duas figuras de importância capital para a história do direito internacional dos direitos humanos, magistralmente relatada por Phillipe Sands em East-West Street (Weidenfeld & Nicolson, 2017)[4]. É a história de dois homens, judeus, que viveram e fizeram parte do seu percurso de formação jurídica em Lemberg, foram forçados ao exílio e protagonizaram um diferendo teórico que se prolonga até aos nossos dias. Diferendo ditado pela urgência de renovação conceptual do direito a aplicar aos crimes nazis, mas também por um distinto entendimento quanto ao sujeito último do direito.

O primeiro destes homens, Herscht Lauterpacht, nascido numa povoação próxima de Lemberg, residiu e cursou direito nesta cidade, tendo partido para Viena em 1919, onde estudou com Hans Kelsen. E com este grande expoente do formalismo jurídico de inspiração kantiana aprendeu que só o indivíduo está no centro da ordem jurídica, não o grupo. Kelsen era, em 1921, juiz do Tribunal Constitucional austríaco, instituição nascida da constituição que ajudara a redigir, que dava corpo a uma ideia inteiramente nova: “Os indivíduos tinham direitos constitucionais inalienáveis e podiam dirigir-se a um tribunal para fazer cumprir esses direitos.”[5]

Concluído o doutoramento em direito internacional – sobre a Liga das Nações – em 1923, Lauterpacht parte para Inglaterra, tornando-se, mais tarde, cidadão britânico. E vai ser em plena guerra contra o nazismo que as suas ideias com mais eco imediatamente após a vitória dos Aliados vão sedimentar-se, conhecendo ampla ressonância em Junho de 1945, em dois momentos de algum modo fundadores de uma nova ordem jurídica internacional no campo dos direitos humanos: a formulação de uma nova qualificação jurídica para os crimes nazis – “crimes contra a humanidade” –, proposta em estreito diálogo com o procurador norte-americano Robert Jackson, que chefiava a equipa de acusação contra o núcleo dirigente do regime nazi, em Nuremberga; a publicação da obra a que se dedicara durante grande parte dos anos da guerra, a saber, o projecto detalhadíssimo de uma Carta dos Direitos Humanos – An International Bill of the Rights of Man –, em cujo prefácio manifesta o propósito de pôr fim à “omnipotência do Estado”, ideia em linha com a lição da sua juventude e traduzindo adequadamente o alcance do conceito que fornecera à acusação do Tribunal de Nuremberga.

Quando, três anos mais tarde, é proclamada a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), Lauterpacht, redactor do Relatório Preliminar, alerta repetidas vezes para a necessidade de uma Convenção legalmente vinculativa e propõe a sua própria versão de um tal documento[6].

Ora, ironia, a primeira grande convenção internacional na esfera dos direitos humanos, que antecede de um dia apenas a proclamação da DUDH, a Convenção para a Prevenção e Repressão do Crime de Genocídio, introduz o conceito cunhado por Rafael Lemkin, que chegara a Lemberg em 1921, partindo para o exílio em 1939. Porquê genocídio? O artigo 2º da Convenção define genocídio como os “actos […] cometidos com a intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso” e enumera os actos que o materializam: “a) Assassinato de membros do grupo; b) Atentado grave à integridade física e mental de membros do grupo; c) Submissão deliberada do grupo a condições de existência que acarretarão a sua destruição física, total ou parcial; d) Medidas destinadas a impedir os nascimentos no seio do grupo; e) Transferência forçada das crianças do grupo para outro grupo.”

Lemkin, após a fuga aos nazis, seguira um percurso diferente de Lauterpacht. Recolhera e estudara minuciosamente as leis raciais do regime nazi, e descobrira um padrão: privar de nacionalidade os membros do grupo, assim limitando a protecção da lei; desumanizar, suprimindo os direitos legais; separar, forçar a registo e confinar (gueto de Varsóvia, gueto de Cracóvia); precipitar a morte por todos os meios. E compreendera o lugar do extermínio integral selectivo no quadro da doutrina hitleriana do espaço vital (Lebensraum): a Alemanha nazi queria “mudar toda a estrutura populacional da Europa para mil anos”, fazendo desaparecer “certas nações e raças” (sic).

Podemos dizer que, em matéria de direito internacional, a convenção inspirada por Lemkin tomou a dianteira sobre a Bill of Rights de Lauterpacht e a sua insistente defesa da urgência de uma convenção sobre direitos humanos, ordenada ao primado jurídico do indivíduo. Porém, um olhar atento às propostas de Lauterpacht e à sua fundamentação jurídico-filosófica, mostra que é indiscutivelmente o grande pioneiro a quem se devem certamente os contributos mais decisivos para a DUDH e para todo o debate subsequente, até hoje.

A memória de Ihor Homenyuk pode inspirar as autoridades políticas e judiciais portuguesas? Certamente. Por exemplo, associando-lhe o nome do exilado/migrante seu conterrâneo sir Hersch Lauterpacht e dando ambos os nomes a um programa permanente de formação em direitos humanos, dirigido a todos os que trabalham no acolhimento e protecção a migrantes e refugiados, e não exclusivamente a forças de segurança.

E para que não esqueçamos como é difícil romper a espessa camada do preconceito e da sobranceria nacionalista, não apenas em relação aos trabalhadores da construção civil como Ihor Homenyuk (onde se juntam o preconceito racial com o preconceito de classe), sir Hersch Lauterpacht, o académico de renome mundial, cavaleiro da Ordem do Império Britânico, foi eleito, em 1955, juiz do Tribunal Internacional de Justiça de Haia, “apesar da oposição de alguns que o consideravam insuficientemente britânico”.

Notas
[1] O SEF sequestrou e torturou Ihor Homeniuk? OA, 16.11.20.
[2] A recente disputa territorial entre PSP e GNR, no transporte das vacinas, é o contraponto em registo farsa à agonia de Homenyuk.
[3] Danúbio, Publicações Dom Quixote, 1992, p. 230; há uma edição mais recente da obra nas edições Quetzal, cuja capa se reproduz neste artigo.
[4] Há tradução portuguesa: Estrada Leste-Oeste, ed. Vogais, 2019.
[5] As transcrições sem outra menção de fonte são extraídas da obra de Phillipe Sands.
[6] Cf. https://digitallibrary.un.org/record/564241#record-files-collapse-header

 

João Santos é professor

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé

Proposta pelo Conselho Pastoral Diocesano

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé novidade

“Organizar uma `Aldeia da Esperança´, dirigida aos jovens, em formato de acampamento, seguindo o modelo de Taizé, a decorrer no verão, de preferência na ilha de São Jorge, no Santuário do Senhor Santo Cristo da Caldeira”: esta é uma das várias propostas feitas pelo Conselho Pastoral Diocesano de Angra – reunido em Ponta Delgada entre os dias 8 e 10 de junho – que irá passar do papel à prática.

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas”

Comissão Justiça e Paz de Braga

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas” novidade

A Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Braga associa-se à comemoração do Dia da Consciência – que se celebra anualmente a 17 de junho em homenagem a Aristides de Sousa Mendes – através de uma mensagem que assinala a importância de, tal como fez o cônsul de Portugal em Bordéus no século passado, “seguir a voz da consciência” e assim contribuir, no tempo presente, para “salvar vidas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas

Após quatro anos de detenção

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas novidade

Após quatro anos de detenção, a jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas. Numa mensagem divulgada esta terça-feira, 11 de junho, a Amnistia Internacional apela às autoridades chinesas que garantam que Zhang Zhan seja autorizada a circular livremente e a comunicar com pessoas dentro e fora da China, e ainda que ela e a sua família não fiquem sujeitas a vigilância ou assédio, devendo ter pleno acesso a tratamento médico após a sua experiência traumática.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This