Relatório da Save the Children

Impacto da pandemia empurrará mais 10 milhões de meninas para o casamento infantil

| 12 Out 2022

Miriam, 16, campo de refugiados em Borno, Nigeria [Photo credit Yvonne Etinosa Save the Children]

Rapariga no campo de refugiados de Borno, na Nigéria, o país que atualmente tem o maior número de casamentos infantis, apesar de ter também uma lei que os proíbe. Foto © Yvonne Etinosa Save the Children.

A crise provocada pela pandemia de covid-19 e os seus impactos na desigualdade de género deverá levar a que mais 10 milhões de raparigas com idade inferior a 18 anos sejam forçadas a casar-se até 2030, revela um relatório da organização internacional Save the Children, divulgado esta terça-feira, 11, data que que se assinalou, pela 10ª vez, o Dia Internacional da Rapariga.

Embora cerca de 25 milhões de casamentos infantis tenham sido evitados em todo o mundo entre 2008 e 2018, a Meta de Desenvolvimento Sustentável de acabar com o casamento infantil até 2030 não será cumprida, avança o documento. “A pandemia, combinada com o agravamento da emergência climática, novos conflitos a juntar aos que já existiam, e a pior crise alimentar global em décadas” ameaçam agora ainda mais o cumprimento desse objetivo.

A nova análise da Save the Children conclui que as raparigas a viver em regiões afetadas por conflitos têm 20% mais probabilidade de se casar do que aquelas que vivem em áreas pacíficas. Assim, as raparigas que vivem no leste da Ásia e no Pacífico, na América Latina e no sul da Ásia enfrentam o maior risco de casamento infantil ligado a conflitos. A África Ocidental e Central – uma região afetada por conflitos e emergências climáticas, que levam à pobreza e à escassez de alimentos – tem as maiores taxas de casamento infantil do mundo.

A pesquisa revela que quase 90 milhões de meninas – ou uma em cada cinco, globalmente – vivem numa zona de conflito. A Nigéria é o país que atualmente tem o maior número de casamentos infantis, apesar de ter também uma lei que os proíbe.

“As crises humanitárias – sejam elas desastres climáticos, pandemias ou a atual crise global de alimentos – levam a muitos dos mesmos riscos que impulsionam o casamento infantil, como o aumento da pobreza e a eliminação de sistemas de proteção que deveriam estar em vigor para manter as raparigas protegidas da violência”, afirma Inger Ashing, CEO da Save the Children International.

“Com tantas meninas a enfrentar crises sobrepostas, este aniversário deve ser um alerta aos governos para que deem prioridade às raparigas e garantam que elas estejam protegidas do casamento infantil e de todos os impactos devastadores que ele tem nas suas vidas. Isso tem que começar dando às raparigas uma opinião sobre as decisões que as afetam”, defende a responsável.

Entre as recomendações apresentadas no relatório, a Save the Children pede aos governos que “aumentem o financiamento e os esforços para lidar com a violência de género contra meninas, incluindo o financiamento para proteção infantil em crises humanitárias”. Em 2021, o risco da violência de gênero foi classificado como grave ou extremo em 95 por cento das crises humanitárias. Apesar disso, as ações para enfrentá-la receberam menos financiamento do que qualquer outra forma de proteção oferecida como parte das respostas humanitárias, revela esta pesquisa.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This