Entrada livre

Importância da memória histórica em debate na Misericórdia do Porto

| 11 Out 2022

exposição last folio cartaz

A conferência surge associada á exposição de fotografia “Last Folio”, patente até 20 de novembro no Museu e Igreja da Misericórdia do Porto.

 

De que forma acontecimentos históricos como o Holocausto e a Inquisição são ensinados nas escolas e qual o seu impacto no mundo contemporâneo? Estas são duas das questões que estarão em cima da mesa na Conferência The Future is Memory – A importância da Memória Histórica, que terá lugar esta sexta-feira, 14, pelas 15 horas, na igreja privativa da Misericórdia do Porto.

A conferência surge associada à exposição de fotografia patente até 20 de novembro no Museu e Igreja da Misericórdia do Porto (MMIPO), intitulada “Last Folio”, que retrata uma escola judaica numa cidade da Eslováquia próxima da fronteira com a Ucrânia, encontrada pelo fotógrafo Yuri Dojc exatamente como foi deixada após a invasão nazi de 1942. Além de fotografar a escola, Dojc procurou os sobreviventes e decidiu contar as histórias de alguns deles, juntamente com a cineasta Katya Krausova, através de um documentário que acompanha a exposição.

Cofundadora da Portobello Pictures, principal produtora independente de cinema e televisão do Reino Unido, Katya Krausova será uma das oradoras na conferência desta sexta-feira, juntamente com o escritor Richard Zimler, a subdiretora da Direção-Geral da Educação, Eulália Ramos Alexandre, e os historiadores Manuel Loff e Francisco Ribeiro da Silva.

Partindo da premissa de que “é necessária a preservação tanto da memória coletiva como da individual para que possamos construir um futuro melhor”, os oradores estarão organizados em dois painéis, seguidos de um período de perguntas e respostas. Trata-se de “um momento de reflexão que não ignora o contexto internacional, o qual nos impele a pensar sobre a tolerância entre povos e nos recorda das atrocidades já vividas, enquanto voltamos a ouvir falar das nuvens escuras da guerra no continente europeu”, pode ler-se no comunicado enviado ao 7MARGENS. A entrada é livre.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This