In Memoriam – Diogo Lino Pimentel (1934-2019): crente, arquitecto do serviço ao outro

| 6 Fev 19 | Arquitetura e Design, Últimas

Na semana passada, apenas com um dia de diferença, morreram duas pessoas fundamentais da arquitectura e da arte religiosa portuguesa das últimas décadas: Luiz Cunha e Diogo Lino Pimentel. João Alves da Cunha traça aqui o percurso de Diogo Lino Pimentel, Paulo Miranda evoca, noutro texto, o trajecto de Luiz Cunha

Apesar de a liturgia católica nos dizer que o tempo era comum, o passado dia 27 de Janeiro revelou-se o contrário. Nesse domingo faleceu um dos mais importantes protagonistas da arquitectura religiosa em Portugal no século XX, Diogo Lino Pimentel, nascido a 1934. Neto do conhecido arquitecto Raul Lino, seguiu-lhe as pisadas na ESBAL (Escola Superior de Belas Artes de Lisboa), onde obteveo diploma de arquitecto em 1960.

Com o tempo, Diogo Lino Pimentel tornou-se autor de uma vasta obra de arquitectura religiosa, mas manteve-se sempre avesso a protagonismos ou lugares de destaque. Viveu de forma discreta, preferindo sempre o serviço ao outro, apoiado por uma contagiante boa disposição. Dono de um apurado sentido crítico, sabia partilhá-lo com um espírito de participação construtiva que acabava por fortalecer as suas relações profissionais e de amizade. No final de 1959, Lino Pimentel rumara a Bolonha, para realizar um estágio de um ano que nunca esqueceria. Enquanto bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, trabalhou no Ufficio Nuove Chiese fundado pelo cardeal Giacomo Lercaro, sob orientação dos arquitectos Giorgio Trebbi e Glauco Gresleri, duas referências incontornáveis do seu percurso profissional.

Diogo nunca foi esquecido em Bolonha, quer pelo seu profissionalismo quer pela sua personalidade generosa e bem-humorada, tendo Glauco Gresleri feito questão de deixar registada aquela colaboração nas duas principais publicações que fazem a história do movimento bolonhês: Chiesa et quartiere: storia di una revista e di un movimento per l’architettura a Bologna(Editrice Compositori, Bologna, 2004) e Le Corbusier: Il programma litúrgico(idem, Bologna, 2001). De igual modo relatou Diogo Lino Pimentel a experiência em Bolonha na revista do Seminário dos Olivais, Novellae Olivarum, no artigo “«Centro di Studio e Informazione per l’Architettura Sacra» de Bolonha” (nº 172, out.1960, pp.179-180).

Em 1960, já em Portugal, Diogo Lino Pimentel foi convidado a integrar o recém-criado SNIP – Secretariado das Novas Igrejas do Patriarcado de Lisboa, gabinete singular em Portugal fundado pelo cardeal Manuel Gonçalves Cerejeira, cuja direcção técnica assumiu até ao seu fecho, em 2014. Ali se dedicou inteiramente às novas igrejas, matéria sobre a qual escreveu uma importante reflexão, na já referida Novellae Olivarum, sobre “A cidade e o problema das novas igrejas” (pp.160-161). Este tema acompanhou-o toda a vida, tendo-o aprofundado tanto no trabalho no SNIP, como durante os anos do MRAR – Movimento de Renovação da Arte Religiosa. A sua ligação a este movimento começou muito cedo, desde logo comosócio estudante nº (2)10.

No entanto, o seu profundo interesse pelo MRAR levou-o a ser admitido como 15º sócio efectivo a 9 de novembro de 1956, num tempo em que os membros fundadores tinham bastantes reservas relativamente ao alargamento do núcleo duro. O empenho de Diogo Lino Pimentel foi desde logo reconhecido, como atestou o ter sido convidado pouco tempo depois, em janeiro de 1957, a substituir João Correia Rebelo no lugar de tesoureiro da direcção.

 

MRAR, exposições e música

Diogo Lino Pimentel foi um dos membros mais assíduos e activos do Movimento, tendo-o representado por diversas vezes quer em Portugal quer no estrangeiro. Participou activamente em inúmeras reuniões e encontros do MRAR quer como orientador quer como assistente, colaborou na organização de diversas exposições, proferiu conferências e esteve envolvido na criação do núcleo de Música Sacra. Tornou-se, assim, numa das vozes mais importantes do Movimento e, como tal, foi entrevistado, a 8 de fevereiro de 1961, pelo diário Novidades, na série dedicada ao tema “Rumos da Arte Sacra”. Dois anos depois, foi eleito secretário do MRAR, cargo que repetiu na direcção seguinte, a última, eleita a 26 de outubro de 1966. A 6 de agosto de 1969 foi um dos subscritores da carta de suspensão do MRAR.

Diogo Lino Pimentel em Junho de 2012, em Assy, a igreja do sul de França que reune um conjunto de obras de vários artistas contemporâneos, e que sempre desejou visitar (foto: arquivo pessoal)

Nesse ano trabalhava já intensamente no SNIP, serviço do Patriarcado de Lisboa, onde realizou uma atenta análise e reflexão sobre a arquitectura religiosa contemporânea, quer do ponto de vista teórico, quer pela prática profissional. No SNIP, e com a colaboração de outros colegas arquitectos (dentre os quais merece destaque António Flores Ribeiro – com Diogo Pimentel na foto de abertura), publicou uma revista, fez consultadoria, elaborou pareceres e planeou território. De igual modo, elaborou cerca de uma centena de projectos de novas igrejas ou intervenção em antigas, num trabalho sem paralelo em Portugal, ainda à espera de um estudo sério e completo por parte da comunidade científica.

Paralelamente à direcção do SNIP, Diogo Lino Pimentel fundou em 1966 a firma Canon, com o arquitecto Sebastião Formosinho Sanchez, no âmbito da qual foram projectadas algumas igrejas. Esta equipa foi também responsável pelas propostas classificadas em segundo lugar no concurso de anteprojectos para a Sé de Bragança (1964), em terceiro lugar no concurso para a Torre do Tombo (1982) e em segundo lugar para o remate do Palácio da Ajuda (1989).

Se Diogo Lino Pimentel permanece nas muitas obras que desenhou, a sua presença mais forte está enraizada na memória de tantos e tantos que tiveram o privilégio de o conhecer. Humilde e sincero, foi um homem de fé, crente num Deus-Pai com muitas moradas. Numa delas está hoje certamente, talvez com vista para a capela do Seminário Dominicano do Olival, na Aldeia Nova, Ourém (1964-67), a sua primeira obra, pela qual teve sempre um apreço muito especial.

João Alves da Cunha é arquitecto e autor da tese O Movimento de Renovação da Arte Religiosa e os Anos de Ouro da Arquitectura Religiosa em Portugal no Século XX (ed. UCEditora)

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Cultura e artes

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Laranjeiras em Atenas

Há Laranjeiras em Atenas, de Leonor Xavier (Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2019) reúne um conjunto diversificado de textos, a um tempo divertidos e sérios, livro de memórias e de viagens, de anotações e comentários… O gosto e a surpresa têm a ver com pequenos pormenores, mas absolutamente marcantes.

Pessoas

O franciscano que é o melhor professor do mundo

O franciscano que é o melhor professor do mundo

O título de “melhor professor do mundo” foi atribuído no final de Março a um queniano de 36 anos, Peter Tabichi. O titular da distinção, frequentemente considerada como o “Nobel da educação” ou o “Nobel dos professores”, é também frade franciscano. O Global Teacher Prize tem sido concedido anualmente, desde há cinco anos, pela Fundação Varkey, do Dubai.

Sete Partidas

Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso?

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Fale connosco