Índia: Bispos fazem greve de fome em defesa das escolas cristãs

| 22 Out 20

cristaos india, Foto_ United Christian Forum

Protesto de cristãos contra o aumento de perseguições no país às minorias: desta vez, são três bispos a contestar o governo. Foto: United Christian Forum

 

Três bispos católicos fizeram greve de fome na passada terça-feira, 20 de outubro, diante da Secretaria de Estado de Kerala (um dos 28 estados indianos), para reivindicar o cumprimento dos direitos constitucionais das escolas cristãs no país, divulgou a UCA News.

Joshua Mar Ignathios, bispo de Mavelikkara e presidente da Comissão Episcopal para a Educação Católica de Kerala, o vice-presidente Paul Antony Mullassery, bispo de Kollam, e Thomas Tharayil, bispo auxiliar de Changanassery, pretendiam, com o gesto, “chamar a atenção da opinião pública para a interferência do governo na gestão das instituições educacionais através de intervenções arbitrárias e alterações às leis existentes”.

As igrejas cristãs dirigem cerca de cinco mil escolas das 13 mil pertencentes ao Estado indiano. Mais de metade delas tem direito a financiamento governamental para pagar os salários dos professores. No entanto, nos últimos cinco anos, mais de três mil professores das escolas administradas pela Igreja não receberam esse salário, o que é apelidado pelos bispos como um “ato de crueldade”, particularmente em tempos de pandemia.

De acordo com o secretário da Comissão Episcopal para a Educação Católica na Índia, o padre Charles Léon, o governo está igualmente a violar as disposições constitucionais ao tentar interferir na nomeação de professores, procurando “adquirir o direito de nomear 50% do pessoal docente nas escolas dirigidas pela Igreja e noutras escolas administradas por minorias”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção novidade

Vem aí o Sínodo, cuja assembleia geral será em outubro de 2023, já depois da Jornada Mundial da Juventude, a realizar em Lisboa, no verão anterior. O tema é desafiante: Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão. O documento preparatório veio a público a 7 de setembro e lança as bases de um caminho a percorrer juntos.

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This