Índia: liberdade religiosa piora no país que Marcelo visita até domingo

| 14 Fev 20

Presidente diz que Portugal e União Indiana têm conjugado esforços na defesa dos direitos humanos e da dignidade das pessoas. Mas a situação de liberdade religiosa e das minorias no país de Gandhi tem piorado nos últimos anos.

Índia, Fevereiro 2017: a cruz no cimo da igreja de um convento no estado de Bihar. Foto Ismael Martinez Sanchez/ACN-Portugal

 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, chegou na tarde desta quinta-feira, 13, a Nova Deli, capital da União Indiana, para uma visita de Estado que terminará domingo, depois de passar também por Mumbai (antiga Bombaim) e Goa. À chegada, Marcelo afirmou que, “no plano das relações multilaterais”, Portugal e a Índia têm “conjugado esforços permanentemente (…) para prosseguir certas perspectivas que são comuns” como sejam o “multilateralismo”, a “defesa dos direitos humanos”, a “consagração do direito internacional” e a “afirmação do primado da dignidade das pessoas”. “Temos estado juntos, Índia e Portugal, na afirmação desses princípios, que não deixarão de ser reafirmados pelos dois países durante esta visita”, acrescentou.

A visita de Estado de Marcelo à Índia tem como objectivos essenciais aumentar as relações económicas entre os dois países, recorda a Renascença. Há um crescente interesse daquela que é já a quinta maior economia mundial por investimentos em Portugal. Por isso, o Presidente quer ver “projectos concretos com avanços concretos” como objectivo número um da visita, seja a nível da cooperação económica e financeira, científica ou tecnológica, disse, de acordo com a mesma fonte. A Renascença acrescenta que o Presidente considera importante aproveitar a visita para reforçar também a importância de a Índia se tornar membro observador da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), o que será concretizado na próxima cimeira da organização, em Setembro, em Luanda.

 

A “supremacia fascista”

A questão da liberdade religiosa não estará em destaque, por isso, nestes três dias indianos do Presidente português – que, em 2006, apresentou em Lisboa a sétima edição do relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo. Mas a Índia está cada vez mais no topo da lista dos países com graves limitações e violações da liberdade religiosa, que têm crescido a par do aumento do nacionalismo hindu.

Grupos nacionalistas e extremistas, incluindo o Partido Bharatiya Janata (BJP), do primeiro-ministro Narendra Modi, defendem a ideologia da hindutva, ou seja, a ideia de que a nação indiana é, na sua essência, hindu. Um dos últimos passos nesta matéria foi mesmo a promulgação da lei que prevê a concessão da nacionalidade a refugiados do Afeganistão, Paquistão e Bangladesh, desde que não sejam muçulmanos. A lei, aprovada em Dezembro, foi contestada em múltiplas manifestações, já que as minorias religiosas (sobretudo os muçulmanos, que são 14% da população de 1,3 mil milhões, enquanto os cristãos andam pelos 4,7%) se sentiram discriminadas.

“A hindutva não tem nada a ver com o hinduísmo maioritário, que em geral é muito tolerante”, diz o padre jesuíta Cedric Prakash, fundador do Prashant – Centro Jesuíta para os Direitos Humanos, Justiça e Paz, numa entrevista recente à Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), fundação católica internacional que apoia cristãos perseguidos. “Há uma percentagem muito pequena de indianos que defendem a hindutva e que, actualmente, são os que têm as rédeas do poder no Governo central e em alguns estados indianos”, acrescenta.

O padre Prakash denuncia mesmo: “Os que professam a hindutva crêem na supremacia fascista de uma nação, uma religião e uma língua, pelo que o resto da população fica subordinada e as minorias – em particular os cristãos e os muçulmanos – são tratados como cidadãos de segunda classe.”

O último relatório Perseguidos e Esquecidos, da AIS, registava ataques contra cristãos em 24 dos 29 estados da União Indiana, entre Julho de 2017 e o Julho de 2019. O relatório, publicado em Outubro passado, acrescentava que os ataques incluem mortes de convertidos, violência sexual (cinco mulheres que trabalhavam para uma ONG foram violadas) ou ataques a igrejas (mais de 100 fecharam portas), entre outros episódios violentos.

 

Hindus a diminuir, violência a aumentar

Distribuição das diferentes religiões pela população da Índia. Gráfico do relatório 2018 sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, publicado pela fundação Ajuda à Igreja que Sofre.

 

Os últimos episódios registados nesse relatório incluíam o espancamento, em Setembro de 2018, de uma idosa que passou diante de uma imagem da deusa Ganesha e, por isso, foi acusada de a conspurcar; o ataque a um templo da Igreja Filadélfia (evangélica), no estado de Raipur, em Fevereiro do ano passado, e que incluiu o corte de fornecimento de água aos cristãos; e a demolição de uma escola e uma residência de 100 crianças, em Maio do ano passado, no estado de Odisha, depois de os seus responsáveis terem sido acusados de que estavam a evangelizar as crianças – o que negaram.

No relatório de 2018 sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, elaborado também pela AIS, resumia-se ainda o agravamento da situação dos últimos anos: o país não tem uma religião oficial e a Constituição garante a liberdade religiosa. Mas o recenseamento de 2015 mostrou que a percentagem de hindus tinha baixado para menos de 80 por cento, o que deixou os nacionalistas preocupados.

Apesar de Gandhi ter defendido a convivência multi-religiosa – facto que lhe custou a vida, assassinado precisamente por um extremista hindu, em 1948 –, desde 1978 que o BJP tem tentado impor uma lei anti-conversão a nível federal. E desde 2014 vários ministros têm apelado a um debate sobre a sua necessidade. Mas já há seis dos 29 estados que têm uma lei com tais características: Gujarat, Arunachal Pradesh, Orissa (Odisha), Madhya Pradesh, Chhattisgarh e Himachal Pradesh. As leis prevêem, diz o relatório da AIS, a penalização das conversões obtidas pela “força” ou por “meios fraudulentos”, baseando-se na noção de defesa da “ordem pública”, que está sob o domínio das autoridades de cada estado.

O próprio Governo indiano apresentou, em Fevereiro de 2018, números que confirmavam a tendência para o aumento da violência inter-religiosa, ainda segundo o mesmo documento da AIS: 86 pessoas foram mortas e 2.321 ficaram feridas em 703 incidentes ocorridos em 2016, enquanto 111 pessoas foram mortas e 2.384 ficaram feridas em 822 incidentes ocorridos em 2017.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco