Cimeira do Clima

Inédito: o Papa, o patriarca e o arcebispo juntam-se pela proteção da criação

| 7 Set 21

Manifestação. Clima. Greve Climática Estudantil

Manifestação pelo Clima, na greve climática estudantil, em Lisboa, a 29 de novembro de 2019. Foto © Greve Climática Estudantil.

 

É um gesto único e inédito aquele que tiveram o Papa Francisco, o patriarca ecuménico de Constantinopla, Bartolomeu I, e o arcebispo de Cantuária, Justin Welby, ao assinarem uma mensagem conjunta para a proteção da criação — um termo que desde os anos 1990 faz caminho entre os cristãos no debate sobre as questões ambientais e ecológicas. 

“Demo-nos conta que, perante esta calamidade mundial, ninguém está a salvo até que todo o mundo esteja salvo, que as nossas ações realmente afetam os outros, e que o que fazemos hoje influencia o que acontecerá amanhã”, lê-se no texto dos três responsáveis cristãos, divulgado esta terça-feira.

A mensagem convida a considerar a calamidade mundial como uma oportunidade, que “não se pode desperdiçar”. “Devemos decidir que tipo de mundo queremos deixar para as gerações futuras. Devemos escolher viver de forma diferente; devemos escolher a vida”, escrevem Francisco, Bartolomeu e Justin.

Papa Francisco e patriarca Bartolomeu I, em Jerusalém, em 2014. Foto: ניר חסון Nir Hason, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons.

 

Os três lembram que se maximizam os interesses do presente “às custas das gerações futuras” e apontam que se, por um lado, a tecnologia abriu novas possibilidades de progresso, por outro induziu a “acumular riquezas desenfreadas” com pouca preocupação com as outras pessoas ou com os limites do planeta. “A natureza é resistente, mas delicada. Temos a oportunidade de nos arrepender, de voltar atrás com decisão”, apontam.

A mensagem retoma várias vezes o conceito básico de que as mudanças climáticas não são apenas um desafio futuro, mas uma questão imediata e urgente de sobrevivência — já no presente. “Diante de uma profunda injustiça: as pessoas que sofrem as consequências mais catastróficas destes abusos são as mais pobres do planeta e foram as menos responsáveis por causá-las”, apontam.

Na mensagem conjunta dos três responsáveis cristãos destaca-se o pedido de “colaboração cada vez mais estreito entre todas as igrejas no seu compromisso com o cuidado da criação”.

“Juntos, como comunidades, igrejas, cidades e nações, devemos mudar de rumo e descobrir novos caminhos de trabalhar juntos para abater as barreiras tradicionais entre os povos, para parar de competir por recursos e começar a colaborar”, escreveram.

Retrato oficial do arcebispo de Cantuária, Justin Welby. Foto: Roger Harris, CC BY 3.0, via Wikimedia Commons.

O Papa Francisco, Bartolomeu I e o arcebispo Welby convidam os líderes mundiais a rezarem antes da 26.ª Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP26), que será realizada em Glasgow, de 1 a 12 de novembro próximo.

“Esta é a primeira vez que nós os três sentimo-nos compelidos a abordar juntos a urgência da sustentabilidade ambiental, o seu impacto na pobreza persistente e a importância da cooperação global. Juntos, em nome das nossas comunidades, apelamos ao coração e à mente de cada cristão, cada crente e cada pessoa de boa vontade. Oramos pelos nossos líderes que se encontrarão em Glasgow para decidir o futuro do nosso planeta e do seu povo. Mais uma vez, lembramo-nos das Escrituras: “Escolhe a vida, para que tu e a tua descendência vivam” (Dt 30:19). Escolher a vida significa fazer sacrifícios e exercer moderação.”

 

Nós somos porque eles foram. E nós seremos nos que vierem a ser.

Nós somos porque eles foram. E nós seremos nos que vierem a ser. novidade

A homenagem aos que perderam as suas vidas nesta pandemia é uma forma de reconhecermos que não foram só os seus dias que foram precoce e abruptamente reduzidos, mas também que todos nós, os sobreviventes, perdemos neles um património imenso e insubstituível. Só não o perderemos totalmente se procurarmos valorizá-lo, de formas mais ou menos simbólicas como é o caso da Jornada da Memória e da Esperança deste fim-de-semana, mas também na reflexão sobre as nossas próprias vidas e as das gerações que nos sucederão.

Parlamento aprovou voto de solidariedade com vítimas da pandemia e iniciativa cidadã

Jornada da Memória e da Esperança

Parlamento aprovou voto de solidariedade com vítimas da pandemia e iniciativa cidadã novidade

A Assembleia da República (AR) manifestou o seu apreço pela Jornada de Memória e Esperança, que decorre neste fim-de-semana em todo o país, através de um voto de solidariedade com as vítimas de covid-19 e com as pessoas afectadas pela pandemia, bem como com todos os que ajudaram no seu combate, com destaque para os profissionais de saúde.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This