[Mãos à obra]

Inserir pessoas com doença mental no mercado de trabalho

| 18 Jun 2022

Castelo de Vide, Judaísmo, Sefarditas

Castelo de Vide (na foto) será um dos três concelhos abrangidos pelo projeto. Foto © António Marujo.

 

Mais de cem pessoas que sofrem de doença mental e residem nos concelhos de Portalegre, Marvão e Castelo de Vide têm agora oportunidade de entrar no mercado de trabalho. O Lar de São Salvador da Aramenha, em Marvão, tem um projeto considerado único que já foi apresentado em Portalegre, para arranjar emprego a pessoas que sofrem de perturbações mentais.

O lar de São Salvador da Aramenha já dispõe, desde há algum tempo, de equipas de apoio domiciliário a essa população e foi precisamente desta iniciativa que nasceu agora a ideia de criar um gabinete inclusivo comunitário para acompanhar as pessoas com doença mental naqueles concelhos alentejanos, esclarece Maria do Céu Frutuoso, responsável do lar. A ideia é “capacitar empresas e entidades para fortalecer respostas, através de programas reabilitativos e psicossociais, dirigidos às pessoas com problemas de saúde mental, procurando também oportunidades para as integrar no mercado de trabalho.”

Em conjunto com vários parceiros, entre os quais o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), essas pessoas vão ser incluídas em programas de formação. O projeto vai também envolver outras entidades empregadoras, empresas, bem como o Instituto Politécnico de Portalegre (IPP) para capacitar trabalhadores e empregadores a oferecer oportunidades de trabalho.

Os primeiros passos para concretizar este projeto já foram dados em Castelo de Vide, pretendendo-se agora avançar pelos concelhos de Marvão e Portalegre, onde se criarão gabinetes com o apoio dos municípios. A ideia é “inserir estas pessoas no mercado de trabalho, reter os postos de trabalho e intervir nas situações em que estão em risco de perder o emprego, para continuar a haver resiliência”, sublinha Maria do Céu Frutuoso.

Este projeto já conta com o apoio da Direção Geral de Saúde.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This