Combustíveis fósseis

Instituições religiosas retiram dinheiro de empresas que poluem muito

| 6 Jul 2022

poluicao ambiente fabricas co2 clima Foto Direitos Reservados

Desinvestimento em empresas de combustíveis fósseis ascende a quase 500 milhões de euros. Foto: Direitos reservados.

 

Trinta e cinco instituições religiosas de seis países com mais de 1,2 mil milhões de euros em ativos combinados anunciaram esta terça-feira o seu desinvestimento em empresas de combustíveis fósseis, num total que ascende a quase 500 milhões de euros.

Num comunicado conjunto, divulgado pelo Movimento Laudato Si’, Conselho Mundial das Igrejas, Operation Noah, Green Anglicans e GreenFaith, entre outras organizações, é revelado que as instituições participantes neste forte desinvestimento incluem organizações católicas, nomeadamente cinco dioceses irlandesas, incluindo a Arquidiocese de Armagh, e duas no Canadá. 

O Vaticano também recomendou que os investidores desinvestissem em empresas de combustíveis fósseis. Segundo o padre Joshtrom Kureethadam, coordenador do Setor para a Ecologia no Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral da Santa Sé, que apoia o trabalho do Papa Francisco na área do meio ambiente,“em 2020, o Vaticano apelou às instituições católicas para que desinvestissem em empresas de combustíveis fósseis considerando o dano que provocam ao meio ambiente”.

Agora que se regista este avanço, o responsável deixa o seu elogio, e estende o desafio a outras organizações que se quiserem associar: “Aplaudo estas instituições proféticas que hoje procedem a este desinvestimento e encorajo todas as instituições do mundo a reduzirem a nossa dependência destas fontes de energia tão prejudiciais desinvestindo nos combustíveis fósseis. É assim que as instituições proféticas podem viver de acordo com os nossos valores e ajudar os mais vulneráveis entre nós. Se queremos alcançar a paz e assegurar um planeta habitável para todos, incluindo as gerações futuras, temos de acabar com a nossa dependência dos combustíveis fósseis que fomentam a atual crise climática.”

De acordo com o comunicado divulgado, as instituições religiosas representam mais de 35% de todos os compromissos de desinvestimento a nível mundial neste tipo de  empresas — mais do que qualquer outro setor. No relatório Invest/Divest de 2021 refere-se que mais de 1500 instituições de todos os setores, com ativos combinados de mais de 38,3 mil milhões de euros, já empreenderam alguma forma de compromisso pelo desinvestimento a nível mundial.

Para o arcebispo de Armagh e primaz da Irlanda, Eamon Martin, “não há dúvida que muitos membros das nossas comunidades, especialmente os nossos jovens, sentem que temos a responsabilidade de agir no que diz respeito aos desafios das mudanças climáticas e da justiça climática”. E deixa o alerta: “As mudanças climáticas já estão a ter um impacto desproporcional sobre aqueles que vivem nas margens, que mais dependem de ecossistemas frágeis e mais vulneráveis à fome, às secas, à insegurança alimentar e aos conflitos, aos ‘interesses económicos predatórios’ e exploradores, à destruição dos seus lares e ao deslocamento das suas famílias.”

No texto do comunicado recorda-se que as organizações religiosas tomaram “a dianteira quanto às mudanças climáticas e contra o colapso da biodiversidade”, lembrando, por exemplo, que os bispos africanos reunidos no SECAM (Simpósio das Conferências Episcopais de África e Madagáscar) emitiram uma declaração em que urgem os governos a tomar medidas urgentes e ambiciosas para proteger a biodiversidade, como também noticiou o 7MARGENS.

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This