Cinema

Interiormente perturbador

| 20 Jan 2022

O Acontecimento, um filme político

 

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, ao comentar um poema de amor de Raymond Aron, numa aula, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político. É a própria realizadora quem o afirma, numa entrevista publicada no ípsilon (Público, 7 de Janeiro de 2022): “Acredito que o corpo da mulher é mais político do que o do homem.” 

Ou seja, o que Audrey Diwan pretende ao fazer este filme, mais do que mostrar argumentos contra ou a favor do aborto (ainda que seja clara a sua posição), é colar-nos à protagonista ao ponto de sofrermos com ela, de sentirmos em nós o sofrimento que a dilacera por dentro, de lutarmos com ela, desesperadamente, por uma liberdade sem concessões, até ao fim. Como se fôssemos nós a viver aquele acontecimento. E a realizadora consegue isso ao escolher o formato 4×3 para filmar. Diz ela: “Coloco o meu objecto no centro, ‘intencionalizo-o’, para levar o espectador comigo… nunca vemos as personagens secundárias a chegar, elas já estão no ecrã. E com esse enquadramento trabalho o sentimento de medo, algo paranoico, que se abate sobre as mulheres em todas as épocas” (ibidem). O político, mais uma vez.

É isto que está em causa no filme e que perturba profundamente. Mesmo para quem está sem hesitações do lado do valor inalienável e inegociável da vida, não pode deixar de se confrontar – e vacilar – diante daquela mulher sozinha, abandonada no seu drama por todos, até pelas amigas mais próximas, impossibilitada de o partilhar com quem talvez pudesse ajudá-la, remetida por isso ao silêncio mais pesado. 

Palavra que não sei como se sai deste dilema e deste filme. Arrisco apenas lembrar o episódio da mulher adúltera e da acção exemplar de Cristo. Por trás do pecado está a pecadora. Que tem o dever de seguir o seu caminho.

Audrey Diwan, que fez o filme adaptando o livro autobiográfico de Annie Ernaux com o mesmo título, constrói uma personagem forte, uma jovem mulher determinada, sem culpa, destemida, livre, que faz tudo para não desistir do seu sonho. É essa sua indómita vontade de ser livre que lhe dá força para aguentar todo o sofrimento e ficar de pé, afinal com a discreta ajuda de um amigo que tinha querido aproveitar-se da situação e de uma colega moralista que lhe tinha apontado o dedo.

É um filme complexo, que procura mostrar as muitas circunstâncias e questões que estavam presentes na realidade do aborto clandestino, quase sempre suportadas unicamente pela mulher. E que estão, ainda hoje, em tantos lugares. Por isso, a realizadora assume que foi um filme feito com raiva: “Raiva e desejo. E ambos são muito importantes. Fiquei com raiva ao ler o livro porque li o livro depois de eu própria fazer um aborto. Mas eu queria ler sobre isso. E descobri a enorme diferença entre o que eu passei e o que uma mulher teve que passar nos anos [19]60 em França”. E sublinha que o livro no qual se baseou para fazer o filme, é também uma viagem para a liberdade, falando muito sobre liberdade sexual, prazer feminino, vontade de estudar, de ter uma trajetória intelectual. “E eu tinha desejo por esse tipo de personagem em geral. Eu quero explorar o que é ser uma mulher na nossa sociedade. E uso a minha experiência muito íntima para escrever e fazer cinema.”

Trata-se, como se vê, de um olhar feminino, realista e sem moralismos. Político. “Acredito que há uma raiz política no íntimo. Que toda a decisão política é geralmente motivada por uma pulsão íntima inicial. Tenho a sensação que sempre que me interesso pelo íntimo vou chegar ao político”.

Saí da sala de cinema calado e perturbado, convencido como temos de ser bem mais cautelosos e cuidadosos quando falamos destas questões, indignado também com tantas opiniões ignorantes e fáceis. Nem que fosse só por isto, valia a pena ver o filme, para vermos aquela luta e aquele sofrimento e aprendermos a escutar antes de falar. Escolher num contexto de ilegalidade é muito difícil. Só a liberdade permite escolher. E é por ela que Anne vai lutar e ensinar-nos a lutar.

Não me atrevo a recomendar o filme, não é nada fácil de ver, por muitas razões. Apesar de brutal, chocante e violento, de expor o drama terrível de um aborto, ouso dizer que é um filme belo e sereno, apesar de todo o sofrimento e dor de Anne. Falo do caminho que ela teve de percorrer para lidar com o que lhe aconteceu no corpo.

“Era essa carnalidade que desejava. Mais do que contar uma história, queria que o filme fosse uma experiência”, disse a realizadora. Pois bem, que essa experiência nos provoque a falar das muitas questões que o filme coloca.

O Acontecimento, de Audrey Diwan
Título original: L’événement
Com Anamaria Vartolomei, Louise Chevillotte, Kacey Mottet Klein
Drama; M/16
Fra, 2021, Cores, 100 min.

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar). 

 

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira novidade

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Estudo apresentado dia 27

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This