Bispos prometem

Investigação aos abusos em Espanha inclui indemnizações às vítimas

| 23 Fev 2022

Na conferência de imprensa, o arcebispo de Barcelona e presidente da CEE garantiu que a hierarquia católica quer estabelecer “um canal de colaboração” com autoridades. Foto © Jesús Bastante/Religión Digital

 

O presidente da Conferência Episcopal Espanhola (CEE), cardeal Juan José Omella, anunciou que a investigação sobre os abusos na Igreja Católica em Espanha irá ao ponto de propor indemnizações às vítimas e será feita para colaborar com as autoridades estatais e não como alternativa, com o objectivo de conseguir “transparência, ajuda e reparação para as vítimas”. Em conferência de imprensa realizada nesta terça-feira em Madrid, o arcebispo de Barcelona e presidente da CEE garantiu que a hierarquia católica quer estabelecer “um canal de colaboração” com autoridades. E, conta o El País, Javier Cremades, responsável da firma Cremades & Calvo Sotelo, respondeu com uma pergunta irónica à questão de saber se no final haveria lugar a indemnizações: “Alguém no seu perfeito juízo pode pensar que, com uma abordagem jurídica, se for identificado um dano, não haverá reparação?”, perguntou citado pelo Religión Digital. 

A investigação será “gratuita” para a Igreja, disse o cardeal, centrando-se o esforço económico da Igreja na questão da indemnização das vítimas. No entanto, as modalidades das eventuais indemnizações não estão ainda estabelecidas. 

Duas outras coisas já são certas: no final, a firma de advogados apresentará à Conferência Episcopal e à opinião pública “um conjunto de procedimentos e boas práticas a serem adoptados pelas autoridades eclesiásticas de acordo com as exigências da sociedade”; e as congregações religiosas serão também envolvidas na investigação, através da Conferência Espanhola de Religiosos, que reúne as ordens e congregações religiosas. O El País recorda, aliás, que os dados conhecidos até agora em Espanha revelam que foi nas escolas que aconteceu a maioria dos casos de pedofilia: 611 casos e 1246 vítimas já foram contabilizados pelo próprio jornal, na investigação que fez e que foi entregue ao Papa no Outono. 

Antes da apresentação do mandato dos advogados, o El País avançava com a informação de que ele abrangeria também casos de eventual encobrimento. Mas, nos relatos da conferência de imprensa, não há qualquer referência ao tema. 

Javier Cremades anunciou ainda que o grupo que irá trabalhar na investigação – “um assunto tão delicado como difícil e doloroso” e que é para a firma o “mais complexo” já enfrentado até à data, como afirmou, citado na revista católica Vida Nueva será composto por 18 pessoas. Poderão vir a ser mais, nomeadamente das áreas jurídica, da psicologia, da cultura, por exemplo, mas nele se inclui, para já, a antiga vice-presidente do Tribunal Constitucional, Encarnación Roca, que não integra o escritório. Para já, Cremades prevê que a investigação se conclua em 12 meses, “um prazo razoável para obter uma imagem verdadeira do que aconteceu”. Para isso, terão também a colaboração do escritório Westpfahl Spilker Wastl (WSW), que trabalhou para a Arquidiocese de Munique e que publicou um relatório no início deste ano.

Alemanha, França e Austrália como modelos

O advogado Javier Cremades diz que “não há limites temporais ou materiais” para os crimes a serem investigados. Foto: © Jesús Bastante/Religión Digital

 

O relatório alemão é, aliás, “um dos modelos” que inspira a investigação espanhola, a par do francês e australiano. Dois dos advogados alemães de Munique irão a Espanha mensalmente e o presidente da comissão francesa de investigação, Jean-Marc Sauvé, também foi contactado pelo escritório de Madrid. E, de acordo com Cremades, “não há limites temporais ou materiais” para os crimes a serem investigados. 

Tal como a comissão de estudo que começou a trabalhar em Portugal em Janeiro, a firma de advogados criou um endereço de correio electrónico para que as vítimas enviem as suas histórias: denunciaabusos@cremadescalvosotelo.com. 

Também à semelhança do que tem feito o organismo português, Cremades diz que será pedida a colaboração dos meios de comunicação social que relataram este tipo de casos.

Falta esclarecer ainda, diz o Religión Digital, se os arquivos eclesiásticos serão abertos, embora Cremades admita que irá esperar para ver o grau de colaboração demonstrado por cada bispo, cada congregação, cada escola. “A CEE vai servir-nos de canal para chegarmos às dioceses, não sabemos qual será a sua atitude. A ideia é visitar cada diocese, escolas e ordens religiosas.”

O cardeal Omella, relata a Vida Nueva, começou a sua intervenção por pedir “perdão público para todas as vítimas que sofreram e sofrem tanta dor” e dizendo que serão as vítimas a estar no centro da investigação: “O nosso objectivo é ajudar e reparar as vítimas, alargando os canais de colaboração e denúncia”, disse o presidente da CEE, para quem as “as vítimas não são um número mas um rosto com uma pessoa e uma história”.

O arcebispo de Barcelona afirmou também que os bispos se sentem “incomodados com todos os abusos noutras instituições”, pedindo que eles “sejam também investigados”, mas afirmando que a Igreja quer, com esta decisão, “dar um passo em frente na sua obrigação de transparência social, de ajuda e reparação às vítimas e de colaboração com as autoridades, avaliando positiva e negativamente o que [fez] para o bem das vítimas e da sociedade”. 

Várias associações de vítimas colocaram em questão o facto de a Igreja estar a “investigar-se a si própria” e de Javier Cremades ser católico e membro da Opus Dei – há mesmo um caso, numa escola da instituição, em que o colégio nega a culpa do presumido abusador. O advogado Javier Cremades, conta o El País, assegurou: “Vamos até ao fim. Aceitámos um mandato para agir de forma independente, em colaboração com as dioceses. Não queremos ser uma alternativa a outras investigações, mas sim ajudá-los na sua função”. E, sobre o facto de ser católico e membro da prelatura [ver 7MARGENS], acrescentou: “Sou católico, membro do Opus Dei e por isso acredito que a Igreja deve corrigir o que for necessário e pedir perdão. Estou aqui como advogado, não como crente, nem como qualquer outra coisa”, respondeu, citado pelo portal Religión Digital. 

Em Espanha, debate-se actualmente nas Cortes a possibilidade de avançar com uma comissão parlamentar de inquérito proposta pela Unidos Podemos ou uma investigação conduzida pelo Provedor de Justiça (proposta pelo Partido Socialista e apoiada pela maioria dos partidos). O cardeal assumiu que a investigação a fazer pela firma de advogados será uma forma de colaborar com a investigação estatal, e Cremades afimou mesmo que tinha falado na véspera com o Provedor, Ángel Gabilondo. “Esta investigação está a ser realizada a fim de colaborar com o Governo”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

O que têm dito os papas sobre a paz

Debate e oração no Rato, em Lisboa

O que têm dito os papas sobre a paz novidade

As mensagens dos Papas para o Dia Mundial da Paz é o tema da intervenção do padre Peter Stilwell neste sábado, 3 de Dezembro (Capela do Rato, em Lisboa, 19h), numa iniciativa integrada nas celebrações dos 50 anos da vigília de oração pela paz que teve lugar naquela capela, quando um grupo de católicos quis permanecer em oração durante 48 horas, em reflexão sobre a paz e contra a guerra colonial.

Ministro russo repudia declarações do Papa

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This