Mensagem para Dia Mundial da Paz

Investir na educação e não nas armas, pede o Papa

| 21 Dez 2021

Armas nucleares; armamento; guerra

O míssil balístico intercontinental RS-24 Yars, fabricado pela Rússia. Foto © Wikimedia Commons / Vitaly V. Kuzmin.

 

O Papa afirma, na sua mensagem para o Dia Mundial da Paz 2022 (a celebrar no próximo 1 de Janeiro), que os Estados devem investir mais na educação em vez de reforçar arsenais militares.

“Nos últimos anos, diminuiu sensivelmente a nível mundial o orçamento para a instrução e a educação, vistas mais como despesas do que como investimentos; e, todavia, constituem os vectores primários dum desenvolvimento humano integral”, escreve Francisco, num texto sintetizado pela agência Ecclesia e que pode ser lido na íntegra no portal do Vaticano.

As despesas militares ultrapassam agora “o nível registado no termo da ‘Guerra Fria’, e parecem destinadas a crescer de maneira exorbitante”.

A mensagem para o primeiro dia de 2022 é dedicada ao tema “Diálogo entre gerações, educação e trabalho: instrumentos para construir uma paz duradoura”. Nela, o Papa insiste na necessidade de promover um “real desarmamento internacional”, libertando recursos financeiros para outras áreas, incluindo a instrução e a educação como motores da paz.

Francisco manifesta ainda a sua preocupação com o agravamento das condições laborais, por causa da covid-19. Os precários “cada vez mais vulneráveis”, os trabalhadores dos serviços essenciais “ainda menos visíveis à consciência pública e política”, os jovens e os desempregados são situações referidas neste âmbito.

A mensagem aborda também os impactos globais da pandemia e da crise climática, por causa de um modelo económico “mais baseado no individualismo do que na partilha solidária”.

O Dia Mundial da Paz foi instituído em 1968 pelo Papa Paulo VI (1897-1978) e é celebrado no primeiro dia do novo ano.

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This