Iraque: Crianças yazidi que sobreviveram ao Estado Islâmico precisam de ajuda urgente, alerta Amnistia Internacional

| 31 Jul 20

criança yazidi iraque Foto: © Adam Ferguson/Amnistia Internacional

Muitas das crianças que sobreviveram ao cativeiro regressaram a falar a língua árabe, o que dificulta a sua reintegração. Foto: © Adam Ferguson/Amnistia Internacional.

 

Perto de duas mil crianças yazidi, que regressaram às suas famílias após terem sido mantidas em cativeiro pelo Daesh (o autoproclamado Estado Islâmico-EI), entre 2014 e 2017, no Iraque, enfrentam agora inúmeros traumas físicos e psicológicos e precisam de apoio urgente das autoridades do país e da comunidade internacional, alerta a Amnistia Internacional (AI).

Num relatório divulgado esta quinta-feira, 30 de julho, baseado em dezenas de entrevistas realizadas a crianças e famílias pertencentes à minoria religiosa de origem curda presente no norte do Iraque, a AI denuncia que, depois de terem sido “sequestradas, torturadas, forçadas a lutar, violadas e sujeitas a numerosos outros abusos de direitos humanos”, estas 1.992 crianças que sobreviveram e regressaram às suas comunidades enfrentam agora graves problemas de saúde e de reintegração.

“Muitas crianças sobreviventes voltaram do cativeiro do Daesh com lesões incapacitantes a longo prazo, doenças ou deficiências físicas”, informa o relatório, intitulado Legado de Terror: A Situação das Crianças Yazidi Sobreviventes do EI. Inúmeros rapazes, que na maioria das vezes foram forçados ao treino militar e a lutar, têm membros amputados. Já as raparigas yazidi, em grande parte sujeitas a violência sexual, apresentam frequentemente problemas como fístulas traumáticas, cicatrizes e dificuldades em ter filhos.

A nível psicológico, a Amnistia identificou inúmeras situações de stress pós-traumático, ansiedade e depressão. Agressões, pesadelos, isolamento social e mudanças de humor severas são alguns dos comportamentos que, segundo o relatório, mais se evidenciam. Muitas destas crianças e jovens assumiram ter pensado em cometer suicídio ou chegaram mesmo a tentar fazê-lo mais que uma vez.

No caso das mulheres e raparigas que tiveram filhos na sequência de violações, “muitas revelaram ter sido pressionadas, coagidas ou mesmo enganadas para deixarem os seus filhos”, dado que o Conselho Espiritual Supremo Yazidi e a atual legislação iraquiana determinam que qualquer filho de pai desconhecido ou muçulmano deve ser registado como muçulmano.

“Há também casos de crianças que voltaram a falar árabe, em vez de curdo”, o que também está a dificultar que se reintegrem totalmente no seio das famílias e da comunidade”, sublinha a AI.

“Sobreviventes de crimes horríveis, estas crianças enfrentam um legado de terror. A saúde física e mental deve ser uma prioridade, nos próximos anos, para se reintegrarem totalmente nas famílias e nas comunidades”, afirma Matt Wells, diretor-adjunto do departamento de resposta a crises da Amnistia Internacional.

A AI alerta também para o facto de, desde fevereiro, a missão de reintegrar estas crianças ter-se tornado ainda mais difícil: devido à pandemia, muitas organizações não governamentais e instituições de caridade que operavam no terreno foram forçadas a interromper os seus projetos e muitos funcionários internacionais regressaram aos seus países de origem. “O apoio psicossocial e outros serviços de saúde tornaram-se ainda mais difíceis em termos de acesso, as escolas fecharam e o Governo não está a tratar das burocracias necessárias para a obtenção de documentos civis”, denuncia a organização.

“Apesar de o pesadelo ter passado, persistem as dificuldades para estas crianças”, sublinha Matt Wells. “Depois de suportarem os horrores da guerra numa idade extremamente jovem, agora precisam de apoio urgente das autoridades nacionais do Iraque e da comunidade internacional para construírem o seu futuro.

 

Artigos relacionados

“Fratelli Tutti”: Os desafios missionários do Papa Francisco

“Fratelli Tutti”: Os desafios missionários do Papa Francisco

A Igreja Católica assinala neste domingo, 18 de Outubro, o Dia Mundial das Missões. A esse propósito e com esse pretexto, o padre Tony Neves, dos Missionários Espiritanos, escreveu uma análise da Fratelli Tutti em chave missionária. A nova encíclica do Papa Francisco, divulgada há duas semanas, já foi objecto de várias leituras no 7MARGENS. Tony Neves considera-a “um texto inspirador para estes tempos de pandemia mundial”. 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Papa aceita demissão de bispo polaco acusado de encobrir abusos sexuais

O Papa Francisco aceitou o pedido de resignação de Edward Janiak, bispo de Kalisz (Polónia), depois de, no passado mês de junho, ter ordenado o seu afastamento da diocese por suspeitas de encobrimento de abusos sexuais de menores. A renúncia de Janiak, aos 68 anos, sete anos antes do previsto no Código de Direito Canónico, sugere que as suspeitas se terão confirmado.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Comissão Justiça e Paz questiona destino dos 500 milhões de euros da Educação no OE 2021 novidade

A Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP), da Igreja Católica, diz, a propósito do Pacto Global para a Educação, proposto pelo Papa Francisco na quinta-feira, 15 de Outubro, que na proposta de Orçamento do Estado para 2021, a Educação ganha “cerca de 500 milhões de euros”, a maior parte dos quais destinados à “universalização da escola digital”, mas questiona quem são os destinatários desses esforços.

Cancelada a edição 2020 do Presépio de Priscos novidade

A edição de 2020-21 do Presépio de Priscos foi cancelada por causa da pandemia de covid-19, informou a organização, liderada pelo padre João Torres, responsável daquela paróquia dos arredores de Braga, em comunicado enviado ao 7MARGENS.

Duas igrejas incendiadas no Chile durante protestos contra o Governo

A uma semana do processo eleitoral mais importante das últimas três décadas no Chile, que definirá o destino da Constituição vigente desde 1980, e um ano depois das revoltas sociais de outubro de 2019, pelo menos 25 mil pessoas voltaram este domingo, 18 de outubro, às ruas da capital, Santiago, manifestando-se contra o Governo. No meio dos protestos, duas igrejas do centro da cidade foram incendiadas: a Igreja da Assunção, uma das mais antigas da capital, e a Igreja de São Francisco de Borja

França mobiliza-se em luto contra decapitação de professor

Líderes dos principais partidos políticos, associações e sindicatos manifestaram-se na tarde de domingo, 18, em muitas cidades francesas (Paris, Lyon, Toulouse, Estrasburgo, Nantes, Marselha, Lille, Bordéus, por exemplo), condenando o atentado que vitimou, sexta-feira passada, o professor de História e Geografia Samuel Paty, decapitado na rua quando regressava a casa, do colégio onde ensinava.

Papa nomeia responsável da Causa dos Santos e novo membro do Conselho dos Cardeais

O Papa Francisco nomeou Marcello Semeraro, até agora bispo de Albano, para o cargo de prefeito da Congregação das Causas dos Santos, substituindo o cardeal Giovanni Angelo Becciu, que renunciou ao cargo a 24 de Setembro, na sequência das acusações sobre o seu envolvimento em escândalos financeiros. Semeraro, 72 anos, era, desde 2013, secretário do Conselho de Cardeais.

Entre margens

Dormir com o inimigo novidade

O segmento evangélico americano pautou-se durante largas décadas por ensinar aos fiéis a integridade pessoal. A lógica era que o homem nascido de novo (born again) seria transformado à imagem de Cristo e viveria uma nova ética, sendo bom cidadão, bom profissional, parte duma família funcional, promotor da paz e cultivando o amor e o perdão para com o seu semelhante. Billy Graham foi o seu profeta maior, com uma postura de integridade e semeando uma mensagem de esperança num mundo do pós-guerra, devastado física e moralmente.

Eliminar a pobreza, sanar o tecido social

Voltou a haver pobreza em Portugal como não havia, diz-se, desde há 100 anos. Não sei se será bem assim, mas que há mais pobreza, há. Vê-se muito mais gente nas ruas a pedir ajuda, envergonhada, aviltada, desconfortável com a sua nova situação. Gente que, talvez até há menos de um ano, não esperava chegar ao ponto de se ver obrigada a ir para a rua pedir para comer. Frequentemente, gente de meia-idade ou bem mais velha.

Cultura e artes

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Não ter medo da covid

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco