Iraque: Crianças yazidi que sobreviveram ao Estado Islâmico precisam de ajuda urgente, alerta Amnistia Internacional

| 31 Jul 20

criança yazidi iraque Foto: © Adam Ferguson/Amnistia Internacional

Muitas das crianças que sobreviveram ao cativeiro regressaram a falar a língua árabe, o que dificulta a sua reintegração. Foto: © Adam Ferguson/Amnistia Internacional.

 

Perto de duas mil crianças yazidi, que regressaram às suas famílias após terem sido mantidas em cativeiro pelo Daesh (o autoproclamado Estado Islâmico-EI), entre 2014 e 2017, no Iraque, enfrentam agora inúmeros traumas físicos e psicológicos e precisam de apoio urgente das autoridades do país e da comunidade internacional, alerta a Amnistia Internacional (AI).

Num relatório divulgado esta quinta-feira, 30 de julho, baseado em dezenas de entrevistas realizadas a crianças e famílias pertencentes à minoria religiosa de origem curda presente no norte do Iraque, a AI denuncia que, depois de terem sido “sequestradas, torturadas, forçadas a lutar, violadas e sujeitas a numerosos outros abusos de direitos humanos”, estas 1.992 crianças que sobreviveram e regressaram às suas comunidades enfrentam agora graves problemas de saúde e de reintegração.

“Muitas crianças sobreviventes voltaram do cativeiro do Daesh com lesões incapacitantes a longo prazo, doenças ou deficiências físicas”, informa o relatório, intitulado Legado de Terror: A Situação das Crianças Yazidi Sobreviventes do EI. Inúmeros rapazes, que na maioria das vezes foram forçados ao treino militar e a lutar, têm membros amputados. Já as raparigas yazidi, em grande parte sujeitas a violência sexual, apresentam frequentemente problemas como fístulas traumáticas, cicatrizes e dificuldades em ter filhos.

A nível psicológico, a Amnistia identificou inúmeras situações de stress pós-traumático, ansiedade e depressão. Agressões, pesadelos, isolamento social e mudanças de humor severas são alguns dos comportamentos que, segundo o relatório, mais se evidenciam. Muitas destas crianças e jovens assumiram ter pensado em cometer suicídio ou chegaram mesmo a tentar fazê-lo mais que uma vez.

No caso das mulheres e raparigas que tiveram filhos na sequência de violações, “muitas revelaram ter sido pressionadas, coagidas ou mesmo enganadas para deixarem os seus filhos”, dado que o Conselho Espiritual Supremo Yazidi e a atual legislação iraquiana determinam que qualquer filho de pai desconhecido ou muçulmano deve ser registado como muçulmano.

“Há também casos de crianças que voltaram a falar árabe, em vez de curdo”, o que também está a dificultar que se reintegrem totalmente no seio das famílias e da comunidade”, sublinha a AI.

“Sobreviventes de crimes horríveis, estas crianças enfrentam um legado de terror. A saúde física e mental deve ser uma prioridade, nos próximos anos, para se reintegrarem totalmente nas famílias e nas comunidades”, afirma Matt Wells, diretor-adjunto do departamento de resposta a crises da Amnistia Internacional.

A AI alerta também para o facto de, desde fevereiro, a missão de reintegrar estas crianças ter-se tornado ainda mais difícil: devido à pandemia, muitas organizações não governamentais e instituições de caridade que operavam no terreno foram forçadas a interromper os seus projetos e muitos funcionários internacionais regressaram aos seus países de origem. “O apoio psicossocial e outros serviços de saúde tornaram-se ainda mais difíceis em termos de acesso, as escolas fecharam e o Governo não está a tratar das burocracias necessárias para a obtenção de documentos civis”, denuncia a organização.

“Apesar de o pesadelo ter passado, persistem as dificuldades para estas crianças”, sublinha Matt Wells. “Depois de suportarem os horrores da guerra numa idade extremamente jovem, agora precisam de apoio urgente das autoridades nacionais do Iraque e da comunidade internacional para construírem o seu futuro.

 

Artigos relacionados

Crescer com novo desenho, novas ideias e o apoio de quem nos lê

Editorial

Crescer com novo desenho, novas ideias e o apoio de quem nos lê

Desde esta segunda-feira, 13 de setembro, o sítio do 7MARGENS tem um novo desenho gráfico. A quem nos lê a partir da newsletter, ou do Facebook, sugerimos que abra www.setemargens.com para ver e perceber o que mudou. Entre outros aspetos, procurámos dar maior expressão à informação mais recente e melhorar alguns pormenores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Depois de Angola e Polónia

Símbolos da JMJ iniciam peregrinação pelas dioceses de Espanha

Dez jovens da diocese da Guarda irão entregar este domingo, 5 de setembro, os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) aos jovens da diocese de Ciudad Rodrigo (Espanha), local onde terá início a peregrinação dos mesmos pelas dioceses espanholas. O encontro acontecerá na fronteira de Vilar Formoso, pelas 11h, e será seguido de uma celebração de acolhimento na Paróquia de Maria Auxiliadora, em Fuentes de Oñoro, divulgou o gabinete de imprensa da JMJ Lisboa 2023, em comunicado enviado às redações.

Nigéria

Libertados alguns dos estudantes raptados de uma escola cristã

Foram libertados 15 jovens estudantes que tinham sido raptados no passado dia 5 de julho de uma escola protestante situada no estado de Kaduna, na Nigéria, avançou esta quinta-feira, 2 de setembro, a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS). Na ocasião, homens armados invadiram o estabelecimento de ensino e raptaram mais de uma centena de alunos.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS. Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Fundação AIS

Padre haitiano morto a tiro

Um padre que dirigia um orfanato no Haiti foi morto a tiro, Andrè Sylvestre, de 70 anos de idade, foi assassinado na tarde de segunda-feira, 6 de setembro, durante uma tentativa de assalto, revelou a Fundação AIS. 

IndieLisboa

Cinema: prémio Árvore da Vida atribuído a “Sopro”

O filme “Sopro”, realizado por Pocas Pascoal, uma cineasta angolana de 58 anos, foi distinguido na segunda-feira com o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), no final da 18.ª edição do festival de cinema independente IndieLisboa. 

Máximo histórico

Quatro em cada dez espanhóis dizem-se ateus ou não crentes

O estudo mais recente do Centro de Investigações Sociológicas de Espanha revela que quase quatro em cada dez espanhóis (38,7%) se declaram ateus ou não crentes e são apenas 16,7% os inquiridos que se assumem como católicos praticantes. Trata-se do máximo histórico do número de não crentes e do valor mais baixo alguma vez registado em relação aos católicos praticantes. Se a tendência se mantiver, estima-se que dentro de dois anos o número de não crentes no país ultrapasse, pela primeira vez, o de crentes.

Entre margens

Novo ano letivo: regressar ao normal? novidade

Após dois conturbados anos letivos, devido à pandemia, as escolas preparam-se para um terceiro ano ainda bastante incerto, mas que desejam que seja o mais normal possível. O regresso à normalidade domina as declarações públicas de diretores escolares e de pais, alunos e professores. Este desejo de regresso à normalidade, sendo lógico e compreensível, após dois anos de imensa instabilidade, incerteza e experimentação, constitui ao mesmo tempo um sério problema.

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção

Vem aí o Sínodo, cuja assembleia geral será em outubro de 2023, já depois da Jornada Mundial da Juventude, a realizar em Lisboa, no verão anterior. O tema é desafiante: Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão. O documento preparatório veio a público a 7 de setembro e lança as bases de um caminho a percorrer juntos.

Cultura e artes

Cinema

Um machado, uma mulher e um cão

Se gosta de cinema e ainda for a tempo, não deixe de ver o filme de Pedro Almodóvar A Voz Humana. É uma curta-metragem (cerca de 30 minutos), complementada por uma entrevista muito interessante e esclarecedora com o realizador e a actriz, Tilda Swinton.

Terras Sem Sombra

O festival de música vai à pesca no mar de Sines

O Festival Terras Sem Sombra regressa neste fim-de-semana, com uma paragem em Sines e um programa que inclui música com o ensemble checo Clarinet Factory e duas propostas sob o signo do mar: conhecer as artes tradicionais da pesca e o património ligado à actividade piscatória do porto de Sines; e sensibilizar para a biodiversidade aprendendo a reconhecer os peixes, crustáceos e moluscos daquela zona da costa alentejana.

Livro

Conduzidos até ao Sétimo Dia

A escrita de Daniel Faria não permite leituras rápidas ou imediatas: leituras que, por outras palavras, fechem a força do texto e o encerrem numa “mensagem”. Chegará o tempo, a prolongar-se, dos ensaios de leitura pessoais deste inédito agora publicado sob o título de Sétimo Dia; este é o momento de dar a notícia, de chamar a atenção, de convidar à leitura, de dizer: está aqui. É uma ocasião a marcar.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This