Iraque: Parlamento reconhece Natal como feriado nacional

| 19 Dez 2020

cristaos iraque Foto ACN

Duas crianças cristãs, durante a “cerimónia das oliveiras” para 404 refugiados cujas casas foram reconstruídas em 2017, em Qaraqosh. Agora, poderão celebrar o Natal como feriado. Foto: © AIS

 

O Parlamento iraquiano aprovou por unanimidade o reconhecimento do Natal como feriado nacional já a partir deste ano, na sequência de uma proposta feita pelo patriarca da Igreja Caldeia, Louis Raphael Sako, durante o seu último encontro com o presidente Barham Salih, anunciou a agência Fides na passada quinta-feira, 17 de dezembro.

O governo do Iraque já havia declarado o Natal como feriado em 2008, mas nos anos seguintes essa disposição foi renovada apenas na região semi-autónoma de Kirkuk.  No ano passado, o próprio cardeal Louis Sako sugeriu que o Natal fosse celebrado de forma sóbria, sem momentos de convívio público, como sinal de proximidade com as famílias das centenas de mortos e feridos registados durante os protestos contra o regime iraquiano que tinham abalado o país nos meses anteriores, e também com receio de possíveis ataques.

Ao saber da decisão, tomada a menos de três meses da viagem apostólica do Papa ao país, o patriarca caldeu divulgou uma mensagem de agradecimento a Barham Salih, ao presidente do Parlamento, Muhammad al Halbousi, e a todos os deputados “pelo voto favorável ao bem dos seus irmãos cristãos”.

 

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo novidade

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This