Iraque: Patriarca caldeu pede que Natal seja feriado nacional

| 20 Out 20

O patriarca da Igreja Caldeia, cardeal Louis Raphael Sako, pediu ao presidente iraquiano Barham Salih que o Natal passe a ser oficialmente reconhecido como dia festivo em todo o Iraque, noticiou o Vatican News.

Citadas nesta segunda-feira, 19 de outubro, fontes oficiais do Patriarcado Caldeu e da Presidência iraquiana, informaram que durante um encontro realizado no último sábado, na residência do presidente, este reconheceu e exaltou o papel das comunidades cristãs na reconstrução do país, reafirmando o seu compromisso de favorecer em todos os sentidos o regresso dos cristãos deslocados aos seus territórios de origem, nomeadamente Mossul e a Planície de Nínive, de onde fugiram durante os anos de dominação jihadista.

O chefe de Estado iraquiano terá também destacado a urgência de pôr fim à discriminação muitas vezes disfarçada que impede a participação plena e livre dos cristãos iraquianos na vida política, social e cultural do país.

Recorde-se que, em dezembro de 2019, o próprio cardeal Louis Raphael Sako deu instruções para que o Natal fosse celebrado de forma sóbria, sem momentos de convívio público, como sinal de proximidade às famílias das centenas de mortos e feridos registados durante os protestos e confrontos antigovernamentais que abalavam o país, e também com receio de possíveis ataques.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção novidade

Vem aí o Sínodo, cuja assembleia geral será em outubro de 2023, já depois da Jornada Mundial da Juventude, a realizar em Lisboa, no verão anterior. O tema é desafiante: Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão. O documento preparatório veio a público a 7 de setembro e lança as bases de um caminho a percorrer juntos.

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This