Israel: judeus ultraortodoxos comprometem combate à pandemia

| 7 Fev 21

Judaísmo, Jerusalém, Judeus

Judeus ortodoxos em Jerusalém: Israel está refém da comunidade ultraortodoxa, “que não respeita as medidas de confinamento e viola abertamente a lei – com impunidade.” Foto © Paul Arps/Wikimedia Commons, 2013. 

 

Israel está a defrontar-se com um problema grave: ficar refém da recusa dos ultraortodoxos judeus a vacinar-se. O esforço feito de vacinar rapidamente a população, que colocou o país na liderança mundial, com perto de um terço da população vacinada, pode deste modo vir a ser afetado.

A chegada das vacinas a Israel tem sido tudo menos tranquila. Em meados de janeiro, foi o escândalo da recusa do governo de Netanyahu em partilhar as vacinas com os 4,5 milhões de palestinianos dos territórios árabes que controla, na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, ainda que o tenha feito com os palestinianos com estatuto de residentes na parte oriental de Jerusalém.

Apesar de a Autoridade Palestiniana ter encomendado autonomamente a vacina, os peritos da ONU previam que a entrega demorasse pelo menos alguns meses, o que significaria que tanto os árabes como os israelitas que vivem na zona, nomeadamente os colonos, estariam expostos à covid-19. Segundo a quarta Convenção de Genebra, Israel, enquanto força ocupante é obrigada a adotar e aplicar “as medidas profiláticas e preventivas necessárias para combater a propagação de doenças contagiosas e epidemias” em cooperação com as autoridades nacionais e locais. O governo discordou desta obrigação e argumentou que a Autoridade Palestiniana não lhe tinha dirigido nenhum pedido. Contudo, perante a pressão internacional, acabou por transferir alguns milhares de doses da vacina anti-covid para o lado palestiniano.

Entretanto, nas últimas semanas, segundo relata o jornal Haaretz citado no Courrier International, têm-se intensificado os debates na sociedade israelita em torno de um fenómeno que suscita preocupações crescentes: trata-se do sentimento de que os cidadãos “estão reféns de um segmento da população, a comunidade ultraortodoxa, que não respeita as medidas de confinamento e viola literal e abertamente a lei – com impunidade”, ao mesmo tempo que os casos de contágio estão a aumentar de forma significativa.

Grupos de contestatários haredim (literalmente “aqueles que temem a Deus), sem máscara, têm causado estragos nas ruas de Jerusalém e Bnei Brak [subúrbio ultraortodoxo de Tel Aviv], incendiando autocarros e atacando a polícia, sem que esta consiga ou queira dominar os tumultos.

Aparentemente, o governo de Benjamin Netanyahu vê-se na difícil situação de querer colher os louros da política de combate à pandemia, mas sem perder o apoio dos ultraortodoxos.

Um artigo publicado já em 2021, na revista científica Journal of Religion and Health, mas baseado em pesquisas anteriores à atual pandemia, refere que 24% da população judaica israelita em geral consulta rabinos regularmente, em especial sobre questões médicas, a fim de se certificar de que as suas ações estão de acordo com a lei religiosa judaica.

 

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados

Líbano tem novo Governo

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados novidade

O novo Governo do Líbano, liderado pelo muçulmano sunita Najib Mikati, obteve nesta segunda-feira, 20 de setembro, o voto de confiança do Parlamento. A nova estrutura de Governo reflete na sua composição a variedade do “mosaico” libanês, nomeadamente do ponto de vista das diversas religiões e confissões religiosas, mas os siro-católicos dizem ter sido marginalizados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos novidade

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação” novidade

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This