Mais liberdade religiosa

Israel liberaliza sistema de certificação casher

| 12 Jan 2022

comida casher foto c rodnae pexels 1200 x 900 px)

Um estudo concluiu que o sistema de certificação casher até agora em vigor em Israel estava repleto de ineficiências e processos não transparentes que custavam aos contribuintes cerca de 3,5 milhões de euros por ano. Foto © Rodnae/Pexels.

 

Pode o processo de certificação da comida casher ajudar a fazer uma revolução nas relações entre Estado e religião? O Governo de Israel iniciou a primeira fase de um programa para liberalizar o sistema de certificação alimentar casher e há quem considere que, além de baixar o custo de vida, a mudança pode retirar também o poder centralizado a uma minoria religiosa, aumentando a liberdade religiosa.

Iniciado a 2 de Janeiro, este programa pode ser visto como uma revolução silenciosa, diz o La Croix International.

Para já, esta primeira fase prevê que qualquer restaurante, loja de comida e fábrica possa escolher entre os vários conselhos religiosos existentes no país que fazem a supervisão kashrut, em vez de poder utilizar apenas o seu conselho local. Quando, no início de 2023, entrar em vigor a segunda fase, a certificação poderá passar a ser feita por agências privadas – neste momento, ela só pode ser feita pelo Rabinato-Chefe de Israel, acrescenta o Times of Israel.

De qualquer modo, todas essas agências serão obrigadas a manter os padrões religiosos estabelecidos pelo Rabinato-Chefe. Ao mesmo tempo, deverão demonstrar a sua viabilidade financeira e tornar públicos os padrões religiosos que mantêm na sua certificação.

O programa foi lançado pelo ministro dos Assuntos Religiosos, Matan Kahana, próximo do primeiro-ministro Naftali Bennett. Tendo feito grande parte da sua carreira no exército, recorda o La Croix, o ministro tem argumentado, contra os que se opõem à medida, que é um judeu ortodoxo que segue uma visão rigorosa do judaísmo. Citado no mesmo jornal, Tomer Persico, investigador do Instituto Hartman de Estudos Judaicos, considera entretanto a medida como um “passo em frente para aqueles que querem mais liberdade religiosa em Israel”.

A economia é o outro lado da questão. O ministro diz que o programa impulsionará a concorrência e melhorará o kashrut. De facto, segundo o La Croix, a supervisão casher ascende a mais de 800 milhões de euros por ano. Com a concorrência e a atribuição a uma autoridade local ou mais próxima, poderão ser poupados milhões de shekels por ano.

Num estudo recente, citado pelo Times of Israel, o Instituto Israel Democrático verificava que o sistema de certificação casher até agora em vigor em Israel, estava repleto de ineficiências e processos não transparentes que estavam a custar aos contribuintes cerca de 3,5 milhões de euros por ano.

(Casher – lê-se “cashér” – é o termo usado desde há séculos pelos judeus sefarditas, da Península Ibérica; deve ser, por isso, o termo utilizado em português. Kosher – “kósher” – é usado nos países anglo-saxónicos.)

Matan Kahana defendeu a mudança por ele promovida. Na sua página no Facebook, escreveu que a mudança permitirá um kashrut melhor, mais organizado e mais supervisionado. A opção de poder escolher em todo o país e numa autoridade mais próxima levará a “um serviço melhor, mais sério, mais meticuloso e mais conveniente para os proprietários de empresas”. Além disso, defendeu ainda o ministro, a reforma acabará por fortalecer o Rabino-Chefe, uma vez que se tornaria “um órgão de supervisão com autoridade robusta”.

A reforma “faz todo o sentido”, defende Isaac Assor, oficiante dos serviços religiosos na Sinagoga Shaaré Tikva (Portas da Esperança), em Lisboa. Explicando que a certificação casher é “muito recente” – por exemplo, há 70 ou 80 anos, ela não era necessária entre os judeus de Marrocos, recorda –, Assor diz que é a centralização do poder de certificação que está em causa.

Em qualquer outro sítio do mundo, lembra, a certificação é feita pelos rabis locais – como sucede com os de Lisboa, Porto e Belmonte, por exemplo. “Não vejo maior autoridade nos rabinatos-chefe de Israel do que nos locais”, diz Isaac Assor ao 7MARGENS. “Os rabinos locais não têm de pedir autorização ao rabinato de Israel e o facto de se dar esse poder de certificação aos locais traduz uma liberalização evidente”, diz.

A oposição maior à reforma tem vindo de uma minoria de judeus ultra-ortodoxos. Mas os dois rabinatos-chefe de Israel, sefardita e asquenaze, lamentaram também, em Outubro, a aprovação do projecto pelo Comité dos Serviços Religiosos do Knesset (Parlamento): o programa leva não só a uma flexibilização das regras alimentares, mas pode prejudicar a coesão do Estado e o seu carácter claramente judeu, defendiam, numa declaração conjunta.

Por outro lado, a reforma pode ter um tempo limitado para ser posta em prática: o actual Governo resulta de uma frágil coligação parlamentar que não inclui nenhum partido ultra-ortodoxo. E, se o Governo não resistir, esse quadro pode mudar e o programa de alteração ser posto em causa.

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This